As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Vitorino Campos: o estilista feirense reconhecido internacionalmente

As famosas Flávia Alessandra e Fernanda Paes Leme são apenas duas das famosas que aderiram ao trabalho do estilista feirense Vitorino Campos, de 30 anos, considerado um dos grandes talentos jovens da moda brasileira. Aos 25 anos ele fez seu primeiro desfile na São Paulo Fashion Week, em 2012, e de lá pra cá vem assumindo destaque progressivo no mundo da moda.

“Morei em Feira até meus 18 anos, quando fui estudar moda em Salvador. Lembro dos bons amigos que tinha no colégio e sinto muita saudade dessa época”, disse ele em entrevista ao Feirenses. Vitorino graduou-se em Design de Moda pela Universidade Salvador (UNIFACS) e criou sua marca homônima já em 2008. Mas foi em Feira que surgiu sua grande inspiração para trabalhar com moda: “fui criado entre o ateliê da minha tia e a fábrica de fardamentos da minha mãe, cresci rodeado por tecidos e aviamentos”.

Fernanda Paes Leme

Fernanda Paes Leme vestindo Vitorino Campos no Festival de Cannes

Em 2016, Vitorino recebeu prêmio de estilista do ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), na primeira vez em que a Associação passou a incluir Moda como em suas premiações. Perguntado sobre o que considera destaque em seu trabalho, Vitorino considera “o acabamento das peças e a qualidade da matéria-prima. Gosto do bom corte e da roupa bem feita. Uma base que se integra à peça para que haja uma conexão com quem veste e o que se está vestindo”.

Veja o desfile de Vitorino Campos na última São Paulo Fashion Week (coleção outono/inverno):

 

No vídeo a seguir, gravado em 2015, ele fala para a Vogue Brasil sobre a inspiração para uma de suas coleções:

Parte da família de Vitorino Campos ainda reside em Feira de Santana, mas já faz alguns anos que ele não visita a cidade: “por conta do tempo corrido, já fazem 5 anos que não visito a cidade. Hoje meus pais e parte da família moram em Salvador, por isso acabo indo com mais frequência para lá”.

Aos feirenses que desejam seguir a trajetória de Vitorino, ele dá alguns alertas: “é uma carreira que exige muito estudo e esforço. Tem que realmente gostar do que faz, pois a dedicação precisa ser integral”.

Vitorino Campos está no Facebook e no Instagram!


Sobre o (a) autor (a):