As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho.

Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o caso de dois jovens venezuelanos que tentavam a sorte no cruzamento entre as avenidas Maria Quitéria e Presidente Dutra, na manhã desta fria sexta-feira (19): Carlos, de 24 anos, e Daniel, de 20 anos.

Para sensibilizar os motoristas, ostentavam um cartaz com os seguintes dizeres, supondo que os feirenses compreendem o drama vivido no país vizinho:

Cartaz dos venezuelanos em Feira de Santana

Daniel explica por que fugiu de seu país: “Agora é uma situação muito difícil. Porque se você tem dinheiro, não tem comida para comprar. No supermercado não tem comida. O dinheiro não vale para nada! Por isso nós viemos embora”.

Carlos ratifica o que Daniel diz: “o que nós temos é petróleo, mas ninguém usa petróleo para comer. Tem dinheiro, mas não tem o que comprar, porque ninguém produz alimento”.

A Venezuela, um dos países com grandes reservas de petróleo no mundo, sustentou sua população durante muito tempo com a importação de alimentos e outros insumos. Isso porque o preço do petróleo estava em alta: entre 2003 e 2011, o valor foi de U$$40 para U$$110 o barril.

Enquanto os excedentes de dólar mantinham o país abastecido, a capacidade interna de produção foi defasando, diminuindo significativamente a industrialização e a estrutura agropecuária. Entre 2008 e 2018, a produção de comida no país caiu pela metade.

O retorno do petróleo a patamares mais conservadores (em 2019 o preço do barril está na faixa dos U$$60), e a falta de investimento dos governos Chávez e Maduro em uma economia sólida, fomentando a produção interna, levou o país a uma crise aguda.

A Venezuela é uma ditadura?

Entender os movimentos políticos na Venezuela não é algo simples. Desde a década de 80 o país tem idas e vindas autocráticas no campo da esquerda e da direita. O vídeo a seguir, do Nexo Jornal, mostra bem como o país se conduziu de maneira instável até aqui:

 

Nem Carlos nem Daniel titubeiam ao serem perguntados se o que acontece na Venezuela atualmente é uma ditadura: “Ditadura de Maduro!”, diz Daniel. “Você não pode falar mal de Maduro. Você não pode ir à televisão dizer que está passando necessidade. Na tevê só se fala o que ele quer que falem. Se ele não gosta, não é transmitido na mídia. Se não ele corta os canais, bloqueia”, afirma.

Para Carlos, Nicolás Maduro está isolado, e se mantêm no governo por causa dos militares: “Ele tem muito apoio dos militares. Ele só tem os militares. O povo está contra ele. Na última eleição ele inventou uma forma de se reeleger. A eleição foi manipulada!”

A morte, segundo Carlos, não é uma possibilidade distante para quem se opõe ao governo: “Se você está numa manifestação com dezenas de pessoas, e passar na linha feita pela polícia, eles atiram em você. As pessoas então ficam com medo de perder sua vida. É difícil!”.

A oposição e os países estrangeiros

O venezuelano Carlos, pedindo ajuda para ir a São Paulo

O venezuelano Carlos, pedindo ajuda para ir a São Paulo

Mesmo sendo críticos ao governo Maduro, Carlos e Daniel não aceitam o movimento feito pela oposição. Sobre Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente da Venezuela, Carlos diz: “Esse é outro ladrão. Muito parecido com a ditadura que está lá agora. A mudança não seria muita (caso assumisse o poder).”

“Outros países intervêm muito, mas só buscam benefícios: o petróleo”

Daniel reconhece que atualmente a Venezuela é um território influenciado por vários países estrangeiros – cita especialmente a Rússia, os Estados Unidos e a Colômbia. Mas não tem esperanças de boas intenções dessas nações: “Outros países intervêm muito, mas só buscam benefícios: o petróleo. O povo Venezuelano que tem que fazer algo, tomar o país. Mas é muito difícil, porque eles têm muitas armas. Eles matam muita gente”.

O destino

Embora sejam originados do mesmo país, Carlos e Daniel se conheceram no Brasil, em Campo Grande-MS. Por terem história parecida, resolveram se aliar: “Preferimos andar juntos, para nos cuidarmos entre nós”, diz Carlos.

Em Feira, estão arrecadando dinheiro para a passagem de ônibus que os levarão a São Paulo. Lá, Carlos tem um amigo brasileiro, que também conheceu na rua, que lhe prometeu conseguir emprego.

Não sabe ao certo onde irá encontrar o amigo, nem se o emprego, um privilégio no Brasil em que vivemos, estará realmente disponível. Apenas segue em busca de vida melhor, dizendo “gracias” por cada moeda que lhe colocam na mão.

Tags:

Sobre o (a) autor (a):