Rio Jacuípe

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

Unidos pelo Samba estará na Micareta 2016!

O Coletivo Unidos pelo Samba, fundado em 2015 para fortalecer o samba feirense, desfilará num bloco na quarta-feira de Micareta. A ideia é reunir músicos, ativistas, empreendedores e o público que frequenta as rodas de samba na cidade. Durante o percurso, músicos de cerca de 10 grupos de samba de Feira de Santana se revezarão como instrumentistas.

Valnei dos Santos, produtor de eventos e um dos membros do Coletivo, diz que o bloco vai levar para a Micareta a mesma filosofia dos demais eventos organizados pelo Unidos pelo Samba: “Nossas rodas de samba são democráticas, abertas e conta com o entusiasmo do público admirador do samba na cidade. Estamos organizando tudo antecipadamente para que tudo saia lindo na avenida”.

Unidos pelo Samba

Mais de 1.000 pessoas participarão do bloco, que desfilará sem cordas. “Faremos o maior arrastão de samba que Feira de Santana já viu. Com a quantidade de pessoas que já adquiriram a camisa, o bloco já entrou para a história do samba na cidade”, diz Mimiro Rharydade, cantor e tradicional participante de rodas de samba.

Para adquirir a camisa e o célebre chapéu de sambista, basta pagar R$20,00 reais, valor simbólico para cobrir os custos que o Coletivo vem tendo com a organização do bloco. “As camisas estão chegando ao fim, e muita gente ainda não adquiriu. Isso mostra que o samba em Feira tem muita força, e por isso merece ser valorizado como movimento cultural na cidade”, diz Fal, percussionista da banda Sambatuk.

Mimiro Rharydade

Mimiro Rharydade: “O bloco já entrou para a história do samba em Feira”

Para “esquentar” o público até a Micareta, estão acontecendo ensaios abertos ao público toda quarta à noite, a partir das 19h, no bar Point Universitário, atrás da Matiz Tintas da Avenida João Durval. Jules Rimer, administrador do Point e um dos fundadores do Coletivo, fala que os ensaios têm sido um aperitivo do que vai ocorrer na avenida. “Músicos de todas as gerações de sambistas de Feira estão conosco. Com menos de 1 ano da fundação do Coletivo, estamos já colhendo frutos que nem imaginávamos. Isso é só o começo!”.

Para adquirir a camisa do bloco Unidos pelo Samba basta se dirigir ao Point Universitário, na rua Juracy Magalhães. Não deixe o samba morrer!


Sobre o (a) autor (a):