Rio Jacuípe

Baile Surrealista

Baile Surrealista tem sétima edição em Feira

O Teatro Arena do Centro de Cultura Amélio Amorim recebe neste sábado, 23, a sétima edição do Baile Surrealista. O Roça Sound e a banda Iorigun estão entre as atrações confirmadas na programação, que começa às 15h. O Baile Surrealista é uma releitura de uma festa francesa que reunia artistas e membros de sociedades secretas na década de 70 e pretende discutir as relações entre arte e esoterismo através da música, dança, artes visuais, tatuagem e oficinas. Nessa edição haverá o lançamento da primeira edição da Revista Subterrânea, um mapa musical da cena alternativa de feira de Santana entre os

Pablo Roberto

Pablo na Oposição?

Pablo na Oposição? O Secretário Municipal de Prevenção à Violência, Pablo Roberto, criticou a Prefeitura Municipal através de suas redes sociais – pela não contratação de algumas bandas locais para a Micareta. “Entendo as questões burocráticas, mas defendo sempre o diálogo. O corte de artistas da terra, que sempre divulgam a nossa festa e a nossa cidade por onde passam, deixa a nossa Micareta com menos identidade e menos brilho”, declarou o secretário. Saudades da Câmara No dia 14 de março, Pablo Roberto publicou em suas redes sociais uma foto dele na Tribuna da Câmara Municipal com a seguinte legenda:

São José

Apesar da expectativa, não choveu no dia de São José

O dia amanheceu com o céu muito limpo na Feira de Santana. Sem nuvens, a luminosidade estava esplendorosa. É que a luz já vai perdendo aquele tom metálico característico do verão e assumindo as cores suavemente alaranjadas do outono. Mais tarde, lá pela metade da manhã, começaram a surgir fiapos de nuvens, muito alvos, na orla que céu. Depois foram avançando aos poucos, encorpando-se, até, às vezes, encobrir o sol por alguns instantes. O cenário passaria despercebido se não fosse pela data: 19 de março é dia de São José, padroeiro da agricultura familiar e das boas colheitas no semiárido

Roça Sound

“Bota o Teu”, o novo Single do Roça Sound

O grupo feirense Roça Sound lançou na última sexta-feira (15) seu novo single, “Bota o teu”. A música traz a sonoridade do funk, com letra de NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e produção do DJ Lerry. Este é mais um single do novo álbum “Tabaréu Moderno”, com previsão de lançamento ainda este ano. Em 2018, o grupo já havia divulgado a faixa “Envolve e não se envolve”, gravada com a Orquestra Reggae de Cachoeira. O lançamento conta ainda com a identidade desenvolvida pelo premiado artista visual Gilmar Machado, conhecido como o “Cartunista das Cavernas”. Até o lançamento do álbum, o Roça

Duquesa

O Clipe “Futurista”, da Rapper Feirense Duquesa

A Rapper Feirense Duquesa acaba de lançar seu novo videoclipe, “Futurista”, produzido pela também feirense Live Filmes. A letra do Rap é da própria Duquesa, que toca de maneira incisiva em questões como machismo e racismo, mostrando os desafios enfrentados por mulheres jovens e negras para se afirmarem na sociedade contemporânea. Antes de assistir ao clipe, vale ler a poesia: Futurista Letra: Duquesa Catastrófica aparição Vejo tudo na minha mão Lutando contra minha ambição Vaidade que cega canção Muito bendita quando incomodo racista, sempre irritando machista Maldita por ser tão bem vista Gero ódio mas comemoro a conquista. Brigo comigo

Transporte público em Feira: aprofundando o debate

Ônibus parados, protestos contra a instalação do BRT, projeto de passe livre sendo debatido na Câmara de Vereadores. Não há dúvida que o debate sobre o transporte público é um tema central para a realidade feirense neste momento. Mais do que o embate político-partidário que sempre aflora circunstâncias assim, é preciso qualificar o entendimento sobre o que está em jogo.

Para entender um pouco a importância do transporte enquanto direito, seguem algumas palavras prévias a qualquer intenção de debate:

O direito ao transporte é de enorme importância em uma sociedade e deve ser cotidianamente garantido e aperfeiçoado pelo Estado. O acesso ao transporte é fundamental em nossa configuração social, pois se relaciona aos mais diversos direitos que são assegurados pela Declaração Universal dos Direitos Humanos e pela Constituição Federal de 1988. Por esta razão, sua existência e qualidade devem ser cobradas por todos os cidadãos, sejam usuários de transporte público ou não. 

O direito ao transporte é chamado de direito-meio porque ele influencia e condiciona o acesso aos demais direitos, se constituindo em um elemento de vital importância para assegurar as condições necessárias para uma vida digna. Para um cidadão ter acesso à rede pública de saúde, por exemplo, ele precisará utilizar algum meio de transporte. O mesmo se aplica ao acesso à educação, centros culturais e de lazer, liberdade de ir e vir, local de trabalho, e tantos outros direitos que necessitam de deslocamento para serem exercidos e usufruídos.

Posto isso, é possível classificar o acesso ao transporte como um direito essencial: ele não deve ser visto como um favor ou como um bem particular, todos devem ter acesso a ele e o governo tem obrigação de proporcionar seu serviço com qualidade. No Brasil, as diretrizes básicas e pontuais relacionadas à urbanização são responsabilidade do Governo Municipal e isto se aplica também à dinâmica de locomoção local. O Governo Municipal é o principal responsável por garantir um sistema de transporte adequado dentro de uma cidade. Todavia, o Governo Estadual e Federal não estão isentos desse dever e além atuar para garantir a qualidade de trajetos entre municípios e entre estados, eles também podem auxiliar os governos municipais, principalmente nos casos de obras muito caras e que o município não tem condições de realizar sozinho, como é o caso do metrô, por exemplo.

A vida em sociedade requer que o interesse de muitos prevaleça sobre os interesses individuais e particulares. É partindo dessa premissa que é possível afirmar que na elaboração de políticas públicas, o transporte coletivo deve ter prioridade sobre o transporte individual, assim como em uma grande cidade, o transporte público deve ter prioridade sobre o transporte particular. A prestação deste serviço deve abarcar com qualidade diversas questões, especialmente as relacionadas a conforto, tempo e custo. O direito ao transporte é influenciado pelo modelo de ocupação do território, pela especulação imobiliária e tem forte impacto em questões como segregação social, uso dos espaços coletivos, localização de equipamentos públicos. Dessa forma, toda política pública e todo projeto de urbanização deve levar em consideração o que fazer para interferir da melhor forma possível nos meios de locomoção e deslocamento da população.

Leia mais aqui.

Um dos grandes problemas do transporte público enfrentado na maioria das cidades brasileiras é a relação entre o poder municipal, que tem o dever de garantir transporte público de qualidade, e as empresas de ônibus, que possuem interesses mercadológicos, muitas vezes na contramão do que serve ao interesse da comunidade.

“Existe muito mais do que o simples interesse social no tabuleiro do transporte público.”

No vídeo a seguir, produzido para a discussão do Projeto de Lei Tarifa Zero, em São Paulo, essas contradições são expostas didaticamente:

 

Como se vê, existe muito mais do que o simples interesse social no tabuleiro do transporte público. Para fazer algumas comparações conceituais, veja como funciona o transporte público em Berlim, na Alemanha:

 

Em Toronto, no Canadá:

 

Em Londres, Inglaterra:

 

Em Perth, na Austrália (transporte gratuito):

 

É importante considerarmos tanto o poder de compra de quem usa o transporte público quanto a capacidade de investimento do Poder Público em modelos como os vistos no vídeo a cima. Em 2013, na época da discussão sobre o passe livre em todo o Brasil, uma comparação interessante foi feita, mostrando que o brasileiro paga proporcionalmente muito caro pelo transporte público:

Transporte Público em Feira

Uma tendência comum a toda grande cidade desenvolvida é a adoção de várias alternativas viáveis de transporte. Uma boa possibilidade, ainda pouco explorada em Feira de Santana, é a viabilização de ciclovias, não apenas com o foco na prática esportiva, mas como meio de transporte, efetivamente.

Veja como ocorreu o processo de transformação de Amsterdam, na Holanda, na cidade mais “ciclística” do mundo:

 

A tirinha abaixo explica bem a importância da adoção de múltiplas formas de transporte público:

Tranporte público em Feira

Finalizo esta publicação indicando esta lista com 30 documentários sobre Mobilidade Urbana feita pela rede Mobilizo. Se inteirar das possibilidades e se aprofundar nos conceitos em questão no cenário do transporte público feirense é um exercício de cidadania essencial, e isso vai muito além do domínio das manchetes e das disputas eleitoreiras.


Sobre o (a) autor (a):