As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Transporte público em Feira: aprofundando o debate

Ônibus parados, protestos contra a instalação do BRT, projeto de passe livre sendo debatido na Câmara de Vereadores. Não há dúvida que o debate sobre o transporte público é um tema central para a realidade feirense neste momento. Mais do que o embate político-partidário que sempre aflora circunstâncias assim, é preciso qualificar o entendimento sobre o que está em jogo.

Para entender um pouco a importância do transporte enquanto direito, seguem algumas palavras prévias a qualquer intenção de debate:

O direito ao transporte é de enorme importância em uma sociedade e deve ser cotidianamente garantido e aperfeiçoado pelo Estado. O acesso ao transporte é fundamental em nossa configuração social, pois se relaciona aos mais diversos direitos que são assegurados pela Declaração Universal dos Direitos Humanos e pela Constituição Federal de 1988. Por esta razão, sua existência e qualidade devem ser cobradas por todos os cidadãos, sejam usuários de transporte público ou não. 

O direito ao transporte é chamado de direito-meio porque ele influencia e condiciona o acesso aos demais direitos, se constituindo em um elemento de vital importância para assegurar as condições necessárias para uma vida digna. Para um cidadão ter acesso à rede pública de saúde, por exemplo, ele precisará utilizar algum meio de transporte. O mesmo se aplica ao acesso à educação, centros culturais e de lazer, liberdade de ir e vir, local de trabalho, e tantos outros direitos que necessitam de deslocamento para serem exercidos e usufruídos.

Posto isso, é possível classificar o acesso ao transporte como um direito essencial: ele não deve ser visto como um favor ou como um bem particular, todos devem ter acesso a ele e o governo tem obrigação de proporcionar seu serviço com qualidade. No Brasil, as diretrizes básicas e pontuais relacionadas à urbanização são responsabilidade do Governo Municipal e isto se aplica também à dinâmica de locomoção local. O Governo Municipal é o principal responsável por garantir um sistema de transporte adequado dentro de uma cidade. Todavia, o Governo Estadual e Federal não estão isentos desse dever e além atuar para garantir a qualidade de trajetos entre municípios e entre estados, eles também podem auxiliar os governos municipais, principalmente nos casos de obras muito caras e que o município não tem condições de realizar sozinho, como é o caso do metrô, por exemplo.

A vida em sociedade requer que o interesse de muitos prevaleça sobre os interesses individuais e particulares. É partindo dessa premissa que é possível afirmar que na elaboração de políticas públicas, o transporte coletivo deve ter prioridade sobre o transporte individual, assim como em uma grande cidade, o transporte público deve ter prioridade sobre o transporte particular. A prestação deste serviço deve abarcar com qualidade diversas questões, especialmente as relacionadas a conforto, tempo e custo. O direito ao transporte é influenciado pelo modelo de ocupação do território, pela especulação imobiliária e tem forte impacto em questões como segregação social, uso dos espaços coletivos, localização de equipamentos públicos. Dessa forma, toda política pública e todo projeto de urbanização deve levar em consideração o que fazer para interferir da melhor forma possível nos meios de locomoção e deslocamento da população.

Leia mais aqui.

Um dos grandes problemas do transporte público enfrentado na maioria das cidades brasileiras é a relação entre o poder municipal, que tem o dever de garantir transporte público de qualidade, e as empresas de ônibus, que possuem interesses mercadológicos, muitas vezes na contramão do que serve ao interesse da comunidade.

“Existe muito mais do que o simples interesse social no tabuleiro do transporte público.”

No vídeo a seguir, produzido para a discussão do Projeto de Lei Tarifa Zero, em São Paulo, essas contradições são expostas didaticamente:

 

Como se vê, existe muito mais do que o simples interesse social no tabuleiro do transporte público. Para fazer algumas comparações conceituais, veja como funciona o transporte público em Berlim, na Alemanha:

 

Em Toronto, no Canadá:

 

Em Londres, Inglaterra:

 

Em Perth, na Austrália (transporte gratuito):

 

É importante considerarmos tanto o poder de compra de quem usa o transporte público quanto a capacidade de investimento do Poder Público em modelos como os vistos no vídeo a cima. Em 2013, na época da discussão sobre o passe livre em todo o Brasil, uma comparação interessante foi feita, mostrando que o brasileiro paga proporcionalmente muito caro pelo transporte público:

Transporte Público em Feira

Uma tendência comum a toda grande cidade desenvolvida é a adoção de várias alternativas viáveis de transporte. Uma boa possibilidade, ainda pouco explorada em Feira de Santana, é a viabilização de ciclovias, não apenas com o foco na prática esportiva, mas como meio de transporte, efetivamente.

Veja como ocorreu o processo de transformação de Amsterdam, na Holanda, na cidade mais “ciclística” do mundo:

 

A tirinha abaixo explica bem a importância da adoção de múltiplas formas de transporte público:

Tranporte público em Feira

Finalizo esta publicação indicando esta lista com 30 documentários sobre Mobilidade Urbana feita pela rede Mobilizo. Se inteirar das possibilidades e se aprofundar nos conceitos em questão no cenário do transporte público feirense é um exercício de cidadania essencial, e isso vai muito além do domínio das manchetes e das disputas eleitoreiras.


Sobre o (a) autor (a):