Rio Jacuípe

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana Milhares de manifestantes foram às ruas do centro de Feira de Santana, protestar contra os cortes de verbas da educação, anunciados pelo MEC. Bolsonaro, Rui Costa e Colbert também foram alvos das críticas. Os três chefes do executivo estavam em viagem oficial Bolsonaro nos Estados Unidos, Rui, na China e Colbert, novamente, em Brasília, para tratar de diversos assuntos, dentre os quais o Hospital da Mulher, onde em menos de uma semana 03 bebês morreram devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Professores da UEFS contra os cortes

Desemprego em Feira

Emprego formal se reduz no primeiro trimestre em Feira

No primeiro trimestre de 2019 o desemprego voltou a mostrar as suas garras aqui na Feira de Santana. Foram, no saldo, 480 empregos a menos, no saldo entre admissões (8,7 mil) e demissões (9,1 mil). Os mais penalizados foram os comerciários: no saldo, enxugaram-se 162 oportunidades para esses profissionais. Alguém mais otimista pode enxergar, aí, aquele movimento natural de dispensa do excedente que foi contratado para as festas de final de ano. O preocupante, porém, é que a redução de empregos alcançou atividades que não se relacionam diretamente ao vaivém natural do comércio. É o caso da construção civil, que

Quando o transporte público em Feira de Santana era feito com Kombis

Não é de hoje que Feira de Santana vive problemas sérios no seu sistema de transporte público. Atualmente, as empresas operadoras do sistema alegam os problemas decorrentes da crise. Em 2015, a cidade ficou completamente sem ônibus coletivo, quando duas outras empresas informaram à população que não tinham condições de pagar o combustível dos coletivos. Mas não é apenas de exemplos recentes que pode-se constatar um padrão nas dificuldades nessa área – basta ver a história da primeira iniciativa de transporte público em Feira de Santana.

Em 1951, Feira ainda não tinha transporte público instalado. O Prefeito Municipal era o senhor Almáchio Alves Boaventura, quando quatro nordestinos vindos do Rio Grande do Norte, trazendo consigo três “marinetes”, chegaram na cidade buscando permissão da Prefeitura, para colocarem os veículos para prestarem o serviço de transporte coletivo na cidade.

Marinetes que atuavam em Feira de Santana

Marinetes que atuavam em Feira de Santana (linha intermunicipal). Foto: Blog Santanópolis

No dia 21 de junho de 1951, o Prefeito autorizou que eles realizassem suas intenções, e, no dia seguinte, já trafegavam pelos bairros Sobradinho até a Pampalona, Ponto Central via Rua Quintino Bocaiúva (antiga Rua do Fogo), Brasília via Rua Senador Quintino, Rua Pedro Suzart e Cristóvão Barreto (antigo Pilão).

Passados alguns meses, os empreendedores voltaram ao Prefeito para comunicar-lhes a desistência do negócio, pois não conseguiam passageiros suficientes para pelo menos cobrirem as despesas. A solução encontrada por Almáchio Boaventura foi a seguinte: a Prefeitura patrocinaria o combustível pelo prazo de um ano, enquanto eles conseguissem se manter nas linhas. Eles concordaram, e assim foi feito.

A atuação de José Ferreira Pinto

Desfile da primeira frota de Kombi para o transporte de Feira

Desfile da primeira frota de Kombi para o transporte coletivo de Feira

A pesquisadora Lélia Vitor Fernandes, em seu livro “Inquilinos da Casa da Cidadania” lembra da atuação do principal personagem histórico feirense quando o assunto é o transporte público na cidade: José Ferreira Pinto, o Zé Pinto. Ex-vereador e vice-prefeito nas gestões dos prefeitos João Durval e José Falcão, José Pinto tem origem humilde, e chegou a ser cobrador de marinetes na cidade, até ter a ideia de fundar seu próprio serviço de transporte coletivo.

O próprio Zé Pinto conta, fazendo um histórico do transporte público em Feira de Santana, que quando as marinetes dos prestadores do Rio Grande do Norte foram vendidas ao casal feirense Antoninho e Dona Zizi Mascarenhas, eles tiveram prejuízos que não viabilizavam o negócio. Então Feira ficou sem transporte público, e só em 1962 foi instalado algo formal na cidade: José Pinto e seu irmão, Júlio, foram ao então Prefeito Arnold Ferreira da Silva, com um ofício, no qual solicitavam a concessão para explorar o serviço de transporte coletivo em Feira de Santana através de veículos Kombi (algo bem semelhante aos “ligeirinhos” do transporte alternativo feirense).

Transporte coletivo em Feira de Santana

Transporte público em Feira de Santana

Benção das Kombis que passaram a compor o transporte público de Feira.

Um projeto de lei foi remetido à Câmara de Vereadores, tendo como relator o Vereador Hugo Navarro da Silva, sendo aprovado por unanimidade pelos edis. Sancionada a Lei pelo Prefeito Arnold Silva, 13 veículos Kombi começaram a operar no município. Os veículos foram adquiridos na antiga concessionária Volkswagen denominada Feira Motor Ltda., e tiveram metade do valor financiado. A empresa foi denominada “Expresso Alvorada”, sendo depois adquiridos mais Kombis, totalizando a frota de 28 veículos.

Posteriormente, José Ferreira Pinto e sócios compraram no Rio de Janeiro 21 micro-ônibus, as famosas “bicudinhas” e um ônibus grande seminovos, que estavam saindo de linha do Estado da Guanabara (atual Rio de Janeiro), pois o Governador Carlos Lacerda estava substituindo-os por uma frota zero quilômetro. Esse acréscimo à frota ocorreu em 1965, quando a empresa passou a chamar-se “Translar”, Transporte para o Lar LTDA. Com o passar do tempo, outros veículos foram acrescentados, mantendo a Translar como referência no transporte público da cidade.

Transul, Autonida e as empresas mais recentes…

Ônibus antigo de Feira de Santana

Zé Pinto conta como sua empresa deixou de existir: “outras pessoas passaram também a colocar Kombis, ônibus e marinetes, criando um clima de mal estar e uma competição desleal, visto que, para a época, a oferta estava bem maior que o número de usuários, inviabilizando pouco a pouco o negócio. Assim, os sócios resolveram vender todo o patrimônio da empresa. Sendo que, parte dela foi vendida para a Sra. Dona Ivone Falcão Vieira, a qual mudou o nome de Translar para Transul e os senhores Nezinho Oliveira e Carlos Lacerda, o segundo prefeito, na época, do município de São Gonçalo dos Campos, os quais denominaram sua empresa de Oliveira Lacerda, com sede no bairro do Tomba”.

“Com o passar do tempo, Zeca Marques criou a empresa Autounida. Oswaldo Santos de Jesus, o popular ‘Vavá de Manoel de Milha’ criou a empresa Safira. Dona Valdelice adquiriu ônibus e abriu sua empresa no bairro da Queimadinha, denominada Autocel. O Sr. Raimundo Souza Silva, ex-prefeito de Milagres, implantou também em Feira de Santana a empresa R. S. Silva. O Sr. José de Paula Maciel Filho e Sérgio Augusto de Almeida, ambos de Minas Gerais, adquiriram a empresa Transul e foram adquirindo as outras posteriormente, tendo vendido ao Srs. Gilson Almeida Rodrigues e Dílson Almeida Rodrigues”.

Empresas de Ônibus de Feira de Santana

Empresas de Ônibus de Feira de Santana

Empresas de Ônibus de Feira de Santana

Após todas essas etapas, já nos anos 2000, foi inaugurado o Sistema Integrado de Transporte (SIT), com as estações de transbordo que hoje conhecemos. Mas esse já é um tema para outra publicação…

 

Foto de capa: Zé Pinto ao lado dos motoristas de Kombi.

(José Ferreira Pinto faleceu em abril de 2016)

Referência: Livro Feira de Sant’anna – Histórias e Estórias dos séculos XIX e XX.


Sobre o (a) autor (a):