As Feiras de Feira de Santana

Feirense no São João

Feirense improvisou para lucrar com festejos juninos

Foi grande a luta do feirense desempregado para garantir uns trocados no aguardado recesso junino. O movimento nos dias que antecederam os festejos foi vertiginoso. Quem prestou atenção viu de tudo: enxames de homens, mulheres, idosos, adolescentes, até crianças – quase todos, invariavelmente, negros ou pardos – se esforçando para vender qualquer coisa em qualquer lugar. As opções foram vastas: o milho assado, vermelho e fumegante nos fogareiros; licores multicoloridos sobre bancas engenhosas; montes imensos de amendoim caprichosamente equilibrados sobre carrinhos de mão; os fogos que fazem a alegria de crianças e adultos e que tornam belas as noites juninas;

Marcas de Feira

Marcas de Feira

Um dia desses, meu colega de faculdade apareceu com uma tatuagem nova lá na sala e a gente começou a viajar no desenho. Os traços eram estranhamente familiares. Mas nada de absurdo uma tattoo ser repetida por aí. A questão é que a tatuagem trazia uma sensação de pertencimento. Como se a visse diariamente em lugares muito próximos. Então percebi de onde vinha a sensação. Do Viaduto da João Durval. Mais especificamente de um grafite feito por um artista da terra: Kbça. O grafiteiro e tatuador reproduziu seus traços expostos nas ruas de Feira na pele do meu colega, e

Santini & Trio

Grupo feirense Santini & Trio se apresentará em Portugal

Os artistas de Feira de Santana continuam viajando pelo mundo para levar nossa música para outros continentes, depois do grupo Quixabeira da Matinha, Africania, Dionorina e da dupla Don Guto e Ícaro Oliveira, agora é a vez do grupo Santini & Trio embarcar para apresentações no exterior. O guitarrista e compositor Rony Santini, o contrabaixista Anderson Silva, o multi-instrumentista Rogério Ferrer e o baterista Flaviano Gallo estarão em Portugal de 30 de junho a 10 de julho mostrando o melhor da nossa música instrumental, juntamente com a produtora cultural Micheline Castro. Vencedores em 2017 do Prêmio Caymmi, um dos mais

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

A fotografia de Tomaz Coelho

Tomaz Coelho nasceu em Feira de Santana, e dos seus 31 anos de vida “quase” a metade é de dedicação à fotografia. Seu interesse por fotografia vem de longa data, desde a infância, instigado pelo cinema e pela curiosidade de como todas aquelas coisas impossíveis e bonitas eram feitas.

“Já adulto decidi trocar a carreira de analista de sistemas com todo o estresse envolvido, noites perdidas, correria constante, pela qualidade de vida e realização dos desejos de menino. A transição foi suave, deixei o emprego de analista na indústria e aceitei o emprego de analista para os Correios. Buscava poder viajar e exercitar fotografia nessas viagens, estava completamente decidido em tornar-me fotógrafo. Comprei a primeira câmera e passei também a estudar toda a técnica. Não demorou muito até as oportunidades surgirem nos mais diversos campos da fotografia: ambiente, culinária, retratos, fotografia publicitária como um todo e também fotografia social. Isso foi muito bacana, pois me ajudou a experimentar e entender quais caminhos da fotografia mais tinham a ver comigo. Optei pela fotografia de publicidade, e num abrir e fechar de olhos estou completando 11 anos de fotografia como profissão”, diz ele sobre sua trajetória.

Embora tenha escolhido atuar na fotografia publicitária, Tomaz atua com maestria nos vários campos da arte, inclusive com fino olhar para a nossa regionalidade.

Tomaz

Tomaz Coelho

Tomaz Coelho

Tomaz Coelho

“Gosto de pensar a respeito do espaço que a fotografia ocupa em minha vida e o que ela representa. Sou um tecnicista por natureza e também por hábito, mas a arte é um tipo de inteligência tão elevada que quase sempre não achamos as medidas em termos lógicos, é preciso sentir, usar os sentidos e as emoções. Fotografar me possibilita concatenar aspectos importantes que definem o ser humano, como a razão, a emoção e a percepção. Fotografando achei espaço e a utilidade de sentir o cheiro de uma cor ou o paladar de uma textura. A fotografia é minha linguagem, fotografando eu comunico mais rápido que falando, fotografando eu consigo ser técnico, mas ao mesmo tempo dou espaço para minha subjetividade e meu caráter pessoal”.

Tomaz Coelho

Tomaz Coelho

Atualmente Tomaz cursa o terceiro ano de Medicina na Universidade do Estado da Bahia. Para ver mais do trabalho dele acesse o site www.tomazcoelho.com.br. Tomaz também está no Facebook!


Sobre o (a) autor (a):