Rio Jacuípe

São José das Itapororocas (Maria Quitéria): passado e presente

Os mitos fundacionais de uma cidade/civilização são sempre cercados de muitos personagens, estórias, acontecimentos, perseguições, guerras e muitas reviravoltas. No caso dos mitos fundacionais das cidades brasileiras quase todos são contados levando como ponto de partida a chegada do colonizador, a expulsão dos povos indígenas nativos e a construção de igrejas, estradas, fortes e pequenas povoações. O mito fundacional comumente conhecido da cidade de Feira de Santana é aquele ligado à história da doação das terras para a construção da capela em devoção à Sant’Ana no Alto da Boa Vista, por Domingos Barbosa de Araújo e sua esposa Ana Brandão,

Pá Rua?

Pá Rua?

Outro dia, peguei Robson. Não exatamente “peguei”, no sentido em que vossas consagradas cabeças maliciosas estão pensando. Eu não botei minha língua na boca dele. Robson é ligeirinho. Eu usufrui de seus serviços clandestinos de transporte alternativo. É sempre uma viagem andar com Robson. Porque ele é o mais atípico dos ligeirinhos. É o mais lento, mas o mais organizado. Ele transforma um Fox em minivan e leva 70 pessoas — confortavelmente. Para honra e glória de Oxalá, eu fui na frente. Sozinho. Uma raridade, às 7 da manhã no Parque Lagoa Subaé. Meu bairro não é dos mais populosos,

Rua Marechal em mão única

Feira (A)notada: Marechal em mão única e novidade na Câmara

Lulinha entrega o cargo de Líder do Governo Após alguns colegas vereadores manifestarem a insatisfação com o líder do governo na Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador Luís Augusto (Lulinha), do DEM, entregou o cargo durante discurso na Sessão desta terça-feira (11). 10 anos do Museu Parque do Saber No próximo dia 15 de dezembro, o Museu Parque do Saber Dival da Silva Pitombo estará completando uma década de existência. E, para comemorar, foi realizada na terça-feira (11) uma homenagem especial a todos os envolvidos com o projeto inicial. O evento contou com as presenças do prefeito Colbert

Tourinho Candidato

Tourinho candidato, cubanização de assessores e toma lá da cá

Tourinho Candidato Surgiu mais um nome interessado no Paço Municipal em 2020. O vereador Roberto Tourinho, atualmente filiado ao PV, confirmou ao site Acorda Cidade que tem discutido o assunto.  Com sete mandatos, Tourinho é um dos políticos mais respeitados de Feira de Santana e filho de um ex-prefeito, o advogado José Falcão da Silva, que morreu durante o exercício do mandato. Ele se junta a nomes como Fernando Torres, Zé Neto, Zé Chico, Colbert Filho, Angelo Almeida, Carlos Geilson e Targino Machado que também se movimentam para disputar a prefeitura feirense. Toma lá dá cá Ao colocar o cargo

O Rural Feirense

O rural feirense, segundo o último Censo Agropecuário (parte 1)

Foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) os números referentes ao Censo Agropecuário realizado em 2017. Os dados são essenciais para que os governos das três esferas – Federal, Estadual e Municipal – elaborem suas políticas, mas são também muito importantes para acadêmicos, estudiosos do tema, para a imprensa especializada e até mesmo para o cidadão que deseja se manter informado sobre o seu município. Uma leva de informações sobre a Feira de Santana já está disponível e pode ser consultada. Os pesquisadores, em suas andanças pelo rural feirense apuraram, por exemplo, que existem exatos 9.191 estabelecimentos

O telégrafo de Feira de Santana

O telégrafo é um meio de comunicação, criado no século XIX, que tinha como principal objetivo transmitir mensagens de um ponto para outro, através de grandes distâncias. Ou seja, antes do telefone, as pessoas tinham nesta época a possibilidade de se comunicar de uma maneira mais fácil, que não fosse somente por meio das cartas.

O responsável pela invenção foi Samuel Morse, que criou um telégrafo eletromagnético em 1832 e construiu uma versão experimental em 1835. Ele não construiu um sistema verdadeiramente prático até 1844, quando finalmente montou uma linha de Baltimore para Washington, D.C, nos Estados Unidos.

O telégrafo que Samuel Morse usou em sua primeira linha em 1844 era muito simples – uma mola de aço em tira que podia ser pressionada contra um contato de metal. Alfred Vail, sócio de Morse, desenhou este aparelho, no qual o espaçamento era mais facilmente ajustável por causa de mudanças na tensão da mola.

O Telégrafo de Feira de Santana

O telégrafo de Feira de Santana

Para quem nunca se deu conta, Feira de Santana possui uma Rua do Telégrafo, e, sim – a cidade também possuiu seu telégrafo antes das linhas telefônicas. O pesquisador Rollie Poppino, em seu livro “Feira de Santana”, lembra como se estruturou o meio de comunicação naquela época.

“As comunicações telegráficas suplementaram o serviço postal em Feira de Santana durante três quartos de século. A primeira linha a alcançar o município foi instalada pela Brazilian Imperial Central Bahia Railway Company Limited, em 1875. O novo sistema foi imediatamente aceito pelos moradores da cidade, que o consideraram um grande melhoramento relação aos primeiros meios de comunicação com Cachoeira e o litoral.

Dentro de alguns anos o telégrafo nacional estendeu suas linhas até Feira de Santana instalando estações na cidade e no distrito de Bonfim de Feira. Esse serviço facilitou aos moradores dessa região rápidas comunicações com a Cidade do Salvador e Cachoeira. Na entrada deste século, o telégrafo também se instalara nos distritos de Anguera e Pacatu, masm foi abandonado depois de 1910.

Nas duas décadas seguintes, Feira de Santana ligara-se pelo telégrafo com outras comunidades no interior do Estado. Em 1918 o telégrafo nacional foi inaugurado no município de Mundo Novo. Em 1924, ele alcançou São Gonçalo dos Campos e, em 1930, uma agência telegráfica se abriu no município de Mairi.

No município de Feira de Santana, o telégrafo da estrada de ferro se estendera até o município de Tanquinho, em 1923, mas dentro de dez anos, a linha fora retirada. Em 1944, o telégrafo nacional instalara-se no distrito de Humildes e, em 1948, criara uma estação em Tanquinho. Em 1950, todavia, seis distritos do município ainda não eram servidos pelo telégrafo.

Em 1930, o telégrafo nacional unira-se ao departamento dos correios e desde esse tempo passou a ser operado conjuntamente com o serviço postal. Em 1950, o sistema postal-telefônico ligaria Feira de Santana com a maioria das cidades do Brasil”.

 

OBS: as fotos desse artigo são meramente ilustrativas. Não foram tiradas em Feira de Santana.


Sobre o (a) autor (a):