Rio Jacuípe

Baile Surrealista 2018

Baile Surrealista em Feira – Edição Especial

Feira de Santana receberá mais uma edição do Baile Surrealista, uma releitura de um baile que aconteceu na Europa na década de 1970, envolvendo artistas e membros de sociedades secretas. O evento pretende discutir as relações entre Arte e Esoterismo através da Música, Artes Plásticas, Dança e Oficinas. Nesta edição, ocorrerá o relançamento do livro “Sob o véu de Sírius”, que reúne autores de várias cidades baianas numa série de poemas inspirados na Heptarquia e no simbolismo mágico do número 7. Além disso, o Baile fará um tributo ao poeta e bruxo britânico Kenneth Grant, um dos nomes mais influentes do ocultismo contemporâneo.

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Teatro em feira: mais uma etapa do Palco Giratório

Há alguns anos, notamos alguns outdoors feirenses anunciarem, periodicamente, espetáculos de dança e teatro do projeto Palco Giratório. É uma pena que a divulgação ainda seja tímida o suficiente para muita gente ainda se perguntar “o que é esse tal Palco Giratório, afinal?”, mesmo o projeto já correndo estradas brasileiras há 18 anos.

Pois bem… O que é esse tal Palco Giratório, afinal?

O Palco Giratório é um projeto da Rede SESC de Intercâmbio e Difusão de Artes Cênicas, que nasceu para difundir as artes cênicas brasileiras para além do eixo sul-sudeste, levando a cultura para onde o teatro puder chegar.

Como funciona? Os espetáculos se repetem a cada ano?

O projeto tem em seu alicerce uma rede de 33 curadores, que são profissionais residentes em todos os estados brasileiros. Todo ano, “cada curador apresenta um número determinado de produções do seu estado e o coletivo analisa o conjunto de indicações”. Um conjunto que é um “mosaico rico e desafiador, como a contemporaneidade”.

Os espetáculos não se repetem, visto que o propósito é difundir, mostrar vários trabalhos que vêm sendo feitos pelo Brasil. Então, anualmente, alguns grupos são selecionados e chegam a percorrer 50 cidades num tempo de 3 meses ininterruptos (além de passarem por outras etapas ao longo do ano).

Quais foram os grupos escolhidos deste ano de 2015?

Nesta 18ª edição, foram contempladas 823 apresentações artísticas, que têm dado seus giros nos palcos de 154 cidades brasileiras.

E onde fica Feira nisso?

No primeiro semestre deste ano, Feira recebeu dois espetáculos, que integraram a Mostra SESC de Artes – Aldeia Olhos D’Água: “O Som das Cores” (MG) e “O Silêncio e o Caos” (PE).

Hoje (26/08) e amanhã (27/08) será a vez de mais dois outros espetáculos:

PLURAL (CIA DE TEATRO NU ESCURO – GO)

Plural é a trama tecida pelas histórias de uma menina chamada Maria. Suas primeiras recordações remetem aos seus sete anos, quando se distraía brincando com uma boneca de milho no terreiro de sua casa enquanto sua avó cozinhava no fogão à lenha e lhe falava pela janela. A narrativa segue costurando memória em memória, fiando do universo rural ao urbano, bordando histórias vividas e sentidas, com seus encantos, medos, violências, coragens, lamentos e alegrias. Uma trama sempre tensionada entre o drama e a poesia, o trágico e o humor. Inspirada nas histórias reais das mães dos integrantes da Cia. de Teatro Nu Escuro.

26/08 (qua) / 19h30 / R$10 e R$5 / Teatro da CDL (Praça da Matriz)

Classificação: 10 anos

Duração: 55min.

Palco Giratório

Cena do espetáculo “Plural”. Foto: Divulgação.

O CABRA QUE MATOU AS CABRAS (CIA DE TEATRO NU ESCURO – GO)

Um advogado vigarista, que sobrevive dando pequenos golpes em seus clientes, vê-se envolvido em um caso de assassinatos de cabras e bodes. Uma trama cheia de traições, trapaças e reviravoltas, na qual uma esposa maliciosa engana seu marido advogado, que engana um comerciante ganancioso, que engana seu empregado, que engana um juiz, que quer enganar todo mundo. Uma comédia visceral que lida com as relações de poder e hierarquia implícitas no cotidiano das pessoas e traz o riso como força reveladora e de libertação, um riso festivo que não forja dogmas nem é autoritário e que exorciza os nossos medos e as nossas angústias.

27/08 (qui) / 16h / Gratuito / Praça do Tomba
Classificação: 12 anos
Duração: 1h

Palco Giratório em Feira

Cena do espetáculo “O cabra que matou as cabras”. Foto: Divulgação.

Não sai por aí dizendo que “não vem teatro pra Feira” não. Inclusive, daqui a pouquinho falaremos sobre as companhias feirenses.

Mais informações sobre o Palco Giratório no site do SESC.

Telefone da CDL: 75 3602-3636


Sobre o (a) autor (a):