As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Quando um suicídio deixou de ocorrer em Feira

É possível que Maria, 14 anos, tenha conhecido João, 18, na escola. Talvez ela seja do sétimo ano fundamental (antiga sexta série), e ele do segundo ou terceiro ano do ensino médio, após perderem alguns anos. Ficar com um menino do ensino médio pode ter sido uma alternativa aos menos interessantes colegas da mesma idade – as meninas sempre estão à frente dos meninos.

Não é difícil que o olhar de João tenha se encantado pela “novinha”. Quem sabe uma festa da escola, um pagode no bairro. Troca de WhatsApp, comentário na foto do “Face”. Daí para o beijinho, acompanhar até perto de casa. Até que “rolou”. No improviso, na curiosidade, na paixão quente, irresponsável e intensa.

Maria engravida. João é pai.

Embora todo o resto da história, e o nome dos personagens, não passe de exercício criativo de ficção, o final é real e concreto: Maria, 14 anos, é mãe. João, 18 anos, é pai. Dois jovens feirenses que se desentenderam na última semana, tendo entre eles a filha de apenas 6 meses.

Maria chegou por volta das 11h30 à Base Comunitária da Polícia Militar do bairro George Américo, desesperada, pois João lhe tinha tomado a filha, um bebê ainda em amamentação. Para tentar mediar o conflito, quatro policiais militares foram à casa onde estava João, no bairro Campo Limpo: o Sargento Natanael e os soldados Rios, Rafael e Nunes.

“Mas esse não é o instinto policial, que muitas vezes é movido por um sexto sentido inexplicável”

João estava perturbado, choroso, nervoso. “Ninguém vai tirar minha filha de mim”, dizia aos policiais. Após insistirem, João finalmente entrega o bebê aos militares, e se recolhe no interior da casa.

Nesse momento, o problema estava resolvido. O senso comum se aliviaria com o bebê entregue a sua jovem mãe. Era apenas uma briga de casal como tantas que surgem no dia-a-dia de qualquer policial. Cada um no seu canto esfriaria a cabeça, e depois tudo seguiria bem.

Mas esse não é o instinto policial, que muitas vezes é movido por um sexto sentido inexplicável, levando-o a detectar tonalidades muito difusas da ocorrência em que está inserido. Após entregarem o filho a Maria, acalmando-a, o sargento e os três soldados entraram na casa de João, e o encontraram pendurado, com uma corda no pescoço, já em processo de enforcamento.

Os policiais militares seguraram João e cortaram a corda, salvando seus 18 anos de vida. Por pouco.

Em um novo exercício criativo, dessa vez para conceber o futuro, vários caminhos são possíveis para João, Maria e sua filhinha. Alegrias, tristezas, medos, esperanças, tédios ou ânimos.

A boa notícia é que todas as possibilidades estão disponíveis, pois a vida ainda existe. Graças à ação de quatro policiais militares, que nem sempre são percebidos por aquilo que evitaram, pois não existe estatística para o que deixou de ocorrer.


Sobre o (a) autor (a):