As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Lembranças da infância feirense: soltar pipa

Soltar pipa, durante muitos anos, foi uma das brincadeiras mais divertidas e populares entre a molecada de Feira. Era comum ver aquele “rebanho” de garotos com um rolo de linha na mão e olhando pra cima, ou correndo de um lado com a linha esticada, na tentativa de pegar um vento melhor. Alguns até arriscavam uma manobra perigosa de saltar os fios elétricos com a linha, para que a pipa utilizasse a altura da rede e subisse mais fácil.

Os materiais utilizados eram muito baratos e fáceis de achar. Basicamente, folha de papel, ou papel de seda (se sobrasse alguns trocados), talisca de folha de coqueiro ou vareta de bambu, cola branca, barbante para a rabada, linha e bastante criatividade.

Existem inúmeros tipos e formatos de pipa, mas os mais conhecidos por aqui eram:

Maranhão/Papagaio

Era geralmente em forma de pentágono, feita a partir de três taliscas, sendo duas do mesmo tamanho e uma maior que elas, posicionada na transversal. Era bem difícil de ser feita, devido ao esqueleto que era montado com linhas e taliscas antes de colar o papel ou saco plástico. Tinha um efeito muito bonito quando estava no ar, com um balanço diferente, quase dançava indo de um lado pro outro.

Raia/Arraia

Mais básica, era feita a partir de um retângulo de papel e duas taliscas, que eram coladas uma em cada lado, no sentido das diagonais. Era uma pipa meio termo para quem queria algo mais rápido e menos trabalhoso de fazer, porém, com um vôo interessante. No ar, permanecia quase estática, e só balançava quando mexiámos na linha.

Periquito/Caiau/Bicuda

Soltar Pipa

Para quem queria subir alguma pipa e não se importava muito com o vôo nem com a beleza, restava o Caiau. Era feito a partir de uma folha de caderno ou revista, cortada em formato quadrado, onde fazia-se uma dobra na diagonal, e duas dobras laterais. Nas extremidades eram feitas mais duas pequenas dobras, com furos onde era amarrada a linha. Era bastante popular pela rapidez e facilidade com que era feita, mas não voava muito alto e ficava bem instável no ar. Mas era muito divertida.

Rabiola/Rabada

Mais conhecida na região como rabada, era um pedaço de cordão mais pesado que ficava amarrado na parte de baixo das pipas, para dar estabilidade no voo e evitar que elas se movessem de forma desordenada no ar. Os tipos mais comuns eram:

Calamaço: Eram usados fios dos sacos de calamaço, que muitas vezes eram amarrados uns aos outros para aumentar o comprimento. Dava uma bela estabilidade na pipa, mas eram mais difíceis de ser encontrados.

Barbante/Ráfia: Cordões que eram usados para amarrar pacote de compras no mercado ou placas de ovos. Eram de mais fácil obtenção e muito bons, mas não eram muito bonitos.

Saco plástico: Um pedaço de linha com vários nós onde recortes de saco plástico eram amarrados, bem parecidos com bandeirolas. Proporcionava um efeito visual muito bonito e era bem trabalhosa de ser feita, mas era muito fácil de enroscar, por isso, necessitava de mais atenção.

Linha

A linha usada era de costura, encontrada em qualquer armarinho. As pipas maiores pediam linhas mais grossas, pois ficavam mais tensionadas no ar. Na falta de dinheiro para comprar linha, era bem simples pegar um tubo de linha escondido no saco de costura da mãe. Era comum enrolar a linha em latas de leite em pó, ou frascos de desodorante, pra facilitar o manuseio.

Cerol/Tempero

Uma prática muito perigosa e hoje em dia proibida. Conhecida aqui como “tempero” de linha. Eram utilizadas garrafas ou lâmpadas quebradas e triturava-se o vidro, geralmente com uma pedra. A linha era esticada nos postes e nela era passada a mistura de cola com vidro, e, ao secar, transformava a linha num fio cortante, usada para travar batalhas no ar, onde o objetivo era cortar a linha de outra pessoa.

Jogo

Jogo era o nome usado para definir aqueles movimentos feitos com a mão que segurava a linha, para que a pipa fizesse manobras no ar. Geralmente enrolava-se a linha no dedo indicador, e sacudia a mão pra um lado ou pro outro, e de acordo com os solavancos dados na linha, a pipa bailava no céu. Os mais talentosos conseguiam simplesmente posicionar a pipa onde desejasse. As manobras eram feitas tanto para se exibir quanto para cortar ou enroscar a pipa alheia.


A brincadeira com pipas, mesmo sem a molecada perceber, utilizava-se de muitos conceitos de física, matemática e geometria aplicadas, sem falar no lado lúdico e a sensação de liberdade que proporcionava. Havia ainda o lado da reciclagem, pois muitos dos materiais usados eram reaproveitados e tinham o custo quase zero.

Nos tempos atuais, seja pelo perigo de andar nas ruas, ou pela concorrência de vídeo games, tablets ou celulares de última geração, é cada vez mais raro ver um moleque soltando pipa. Talvez até alguns nem saibam da sua existência. Resta, pra quem viveu isso, aquele saudosismo de que, com algumas moedas e bastante criatividade, era possível montar o seu próprio brinquedo voador e sentir seus pés no chão, mas com a cabeça nas nuvens.

 

 


Sobre o (a) autor (a):