Rio Jacuípe

Baile Surrealista

Baile Surrealista tem sétima edição em Feira

O Teatro Arena do Centro de Cultura Amélio Amorim recebe neste sábado, 23, a sétima edição do Baile Surrealista. O Roça Sound e a banda Iorigun estão entre as atrações confirmadas na programação, que começa às 15h. O Baile Surrealista é uma releitura de uma festa francesa que reunia artistas e membros de sociedades secretas na década de 70 e pretende discutir as relações entre arte e esoterismo através da música, dança, artes visuais, tatuagem e oficinas. Nessa edição haverá o lançamento da primeira edição da Revista Subterrânea, um mapa musical da cena alternativa de feira de Santana entre os

Pablo Roberto

Pablo na Oposição?

Pablo na Oposição? O Secretário Municipal de Prevenção à Violência, Pablo Roberto, criticou a Prefeitura Municipal através de suas redes sociais – pela não contratação de algumas bandas locais para a Micareta. “Entendo as questões burocráticas, mas defendo sempre o diálogo. O corte de artistas da terra, que sempre divulgam a nossa festa e a nossa cidade por onde passam, deixa a nossa Micareta com menos identidade e menos brilho”, declarou o secretário. Saudades da Câmara No dia 14 de março, Pablo Roberto publicou em suas redes sociais uma foto dele na Tribuna da Câmara Municipal com a seguinte legenda:

São José

Apesar da expectativa, não choveu no dia de São José

O dia amanheceu com o céu muito limpo na Feira de Santana. Sem nuvens, a luminosidade estava esplendorosa. É que a luz já vai perdendo aquele tom metálico característico do verão e assumindo as cores suavemente alaranjadas do outono. Mais tarde, lá pela metade da manhã, começaram a surgir fiapos de nuvens, muito alvos, na orla que céu. Depois foram avançando aos poucos, encorpando-se, até, às vezes, encobrir o sol por alguns instantes. O cenário passaria despercebido se não fosse pela data: 19 de março é dia de São José, padroeiro da agricultura familiar e das boas colheitas no semiárido

Roça Sound

“Bota o Teu”, o novo Single do Roça Sound

O grupo feirense Roça Sound lançou na última sexta-feira (15) seu novo single, “Bota o teu”. A música traz a sonoridade do funk, com letra de NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e produção do DJ Lerry. Este é mais um single do novo álbum “Tabaréu Moderno”, com previsão de lançamento ainda este ano. Em 2018, o grupo já havia divulgado a faixa “Envolve e não se envolve”, gravada com a Orquestra Reggae de Cachoeira. O lançamento conta ainda com a identidade desenvolvida pelo premiado artista visual Gilmar Machado, conhecido como o “Cartunista das Cavernas”. Até o lançamento do álbum, o Roça

Duquesa

O Clipe “Futurista”, da Rapper Feirense Duquesa

A Rapper Feirense Duquesa acaba de lançar seu novo videoclipe, “Futurista”, produzido pela também feirense Live Filmes. A letra do Rap é da própria Duquesa, que toca de maneira incisiva em questões como machismo e racismo, mostrando os desafios enfrentados por mulheres jovens e negras para se afirmarem na sociedade contemporânea. Antes de assistir ao clipe, vale ler a poesia: Futurista Letra: Duquesa Catastrófica aparição Vejo tudo na minha mão Lutando contra minha ambição Vaidade que cega canção Muito bendita quando incomodo racista, sempre irritando machista Maldita por ser tão bem vista Gero ódio mas comemoro a conquista. Brigo comigo

Por que nos sentimos seguros no Bando Anunciador

Se você não foi, perdeu uma bela festa na manhã do último domingo, 19 de julho, em Feira de Santana, quando desfilou o Bando Anunciador, uma das principais manifestações culturais do município. Organizado pelo Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA), o Bando se destaca pela irreverência dos participantes, que se fantasiam, dançam e brincam uns com os outros de modo muito saudável.

Ao acompanhar o Bando Anunciador, algo chama a atenção em comparação com outros grandes eventos populares, a exemplo da Micareta Feira ou do Carnaval de Salvador: a sensação de segurança dos presentes é muito maior. Não é incomum ouvir “desculpas” por um esbarrão ou após alguém ter pisado em seu pé.

Isso nos leva ao seguinte questionamento: o que existe de diferente no Bando Anunciador, com milhares de participantes nas ruas, que o torna mais seguro que nossa Micareta, por exemplo? Mesmo com um policiamento significativamente menor, por que é difícil ver práticas violentas no Bando?

O primeiro aspecto a se destacar é o horário em que o Bando Anunciador ocorre. A saída começa às 07h da manhã, o que significa que os participantes devem fazer um esforço para acordar cedo no domingo para acompanhar o evento. Em outras festas populares, que ocorrem à noite, é muito comum que as pessoas iniciem a ingerir bebida alcoólica durante um dia inteiro, indo participar do evento à noite já com um nível alto de embriaguez, aumentando, assim, os casos de desentendimento influenciado pela bebida. No Bando, encontrar pessoas embriagadas é muito mais difícil, a não ser que o participante não tenha dormido. Além disso, a maioria das pessoas prefere não iniciar o dia consumindo bebida alcóolica, fazendo-o apenas do meio para o final da manhã, e do Bando.

“Sabe-se que grande parte das brigas nessas festas têm origem na disputa por espaço entre os presentes”

Outro elemento importante é a ausência de blocos e trios, que acabam restringindo o espaço dos foliões em micaretas e no Carnaval de Salvador. Sabe-se que grande parte das brigas nessas festas têm origem na disputa por espaço entre os presentes. No Bando Anunciador as atrações musicais com seus instrumentos ficam lado-a-lado dos foliões, evitando que o aperto seja grande mesmo em locais mais estreitos, como o Beco da Energia.

O Bando Anunciador é animado por músicas bem diferentes das que ouvimos na Micareta. O Axé agitado (aquele de Asa de Águia e Chiclete com Banana, ou de Psirico e Igor Kanário) dá lugar ao samba-de-roda, às charangas e fanfarras. As danças não estimulam o contato físico nem a agressividade.

Para finalizar, a aura cultural e política do evento garante que os participantes tenham mais respeito uns aos outros. Várias são as fantasias, cartazes e panfletos que defendem alguma causa no Bando. Muitos políticos, de todas as matizes ideológicas, aproveitam para fazer o “corpo-a-corpo” com a comunidade. O formato democrático do Bando, em si, já é um protesto político que desafia os próprios participantes a refletirem a cidade de maneira menos dividida e desigual, desviando o foco de qualquer intenção violenta. Obviamente, é possível que casos de desordem tenham ocorrido, mas certamente são a exceção que apenas confirmam a regra.

Outros motivos podem contribuir para a pacificidade da festa, mas os que citei aqui são os principais, levando o Bando Anunciador a se consolidar como um evento de muita qualidade no circuito de festas populares em Feira de Santana.

 

Foto: Ewerton Monteiro


Sobre o (a) autor (a):