As Feiras de Feira de Santana

Fartura & Ossos

“Fartura & Ossos” – O novo livro do poeta Silvério Duque

O músico, professor, crítico literário e poeta feirense Silvério Duque acaba de lançar seu novo livro: “Fartura & Ossos”, obra que o autor descreve como sua “lira dos quarent’anos”. O livro, que traz 25 sonetos compostos entre 31 de março de 2018 e 31 de março de 2019, é uma auto-homenagem aos 40 anos de vida do autor. Com desenho de capa do artista plástico Gabriel Ferreira, posfácio de Elpídio Dantas Fonseca e prefácio do próprio autor, com efeito, “Fartura e Ossos”, segundo Elpídio Fonseca, “remete a várias situações descritas em seus sonetos: a superabundância da vida vivida, da qual só

BRT de Feira cada vez mais longe

BRT cada vez mais longe

Com queda no número de passageiros, BRT fica mais longe de ser implantado em Feira Cerca de 10% da frota do transporte público de Feira de Santana deixou de circular, devido à queda no número de passageiros. Trabalhadores do setor também foram demitidos. Associação alertou a pouca demanda de passageiros para a implantação do BRT Em agosto de 2015, a Associação Feirense de Engenheiros (AFENG), apresentou parecer técnico sobre o resultado da análise do “Sistema BRT Feira de Santana” e alertou sobre o volume de passageiros no momento mais crítico do dia, cerca de 5 mil passageiros por hora/sentido. Mas

Banda Calafrio

“Hiato”, o novo single da banda feirense Calafrio

“Um estado de ceticismo quase que total, ausência de sentidos e porquês, um momento de niilismo. O pensamento vagueia pela morte mas em busca de vida”, descreve o guitarrista Pedro Patrocínio, se referindo à letra de “Hiato”, o segundo single de seu novo EP. “A existência dessa canção se dá num momento de reclusão, numa jornada solitária com um pouco de autodestruição e muito de autoconhecimento”, explica o músico. “Hiato” é uma das cinco faixas do EP homônimo que a banda irá lançar até o final deste ano. Em setembro, eles apresentaram ao público o single “Primitivos”, que também ganhou um videoclipe, disponível no

Ícaro Irvin

O novo Procurador do Município

Colbert indica o novo Procurador do Município Ícaro Ivvin, atual superintendente do Procon, foi indicado pelo prefeito Colbert Martins, para ocupar a Procuradoria Geral do Município, no lugar de Cleudson Almeida. O nome de Ícaro foi aprovado na última quarta-feira (23), em votação unânime, pela Câmara Municipal de Feira de Santana. E quem vai assumir o Procon? O prefeito informou que vai convidar Cleudson Almeida para assumir o Procon, quando retornar de Brasília. Vereadores criticam o presidente Jair Bolsonaro Em pronunciamento, na sessão ordinária da última quarta-feira (23), na Câmara Municipal de Feira de Santana, o edil Carlito do Peixe

A “meia década” perdida da Saúde em Feira

A “meia década” perdida da Saúde em Feira

Os repasses para a Saúde em Feira de Santana tiveram leve elevação em relação aos anos anteriores, nos primeiros nove meses de 2019. O problema é que a base anterior é modesta, decorrente da prolongada crise econômica que abalroou o País – e as contas públicas – a partir de meados de 2014. Desde janeiro, foram aportados R$ 144,5 milhões em transferências obrigatórias e voluntárias. Os dados são do Portal da Transparência e referem-se, em toda a análise, aos nove primeiros meses de cada ano. A correção ocorreu com base no Índice de Preço ao Consumidor Amplo, o IPCA. Ano

As ruas alagadas de Feira de Santana

Ouço as reclamações quanto aos alagamentos que ocorrem em Feira de Santana, nessa época em que Iansã expressa seus raios e tempestades, mas não consigo me solidarizar com a reivindicação por uma cidade devidamente drenada e limpa das lamas que espirram com o passar dos carros e carroças. Isso porque lembro quando, nos anos 90, chafurdávamos, eu e outros amigos de infância, nas correntezas das chuvas de verão.

Na rua Brigadeiro Eduardo Gomes, no Ponto Central, formava-se um inesquecível parque aquático, onde a água chegava a bater acima do umbigo. Ali praticávamos competições disputadíssimas de todos os tipos de nado possível, mesmo com as braçadas sendo eventualmente atrapalhadas por alguma lata de óleo ou sacos plásticos do Paes Mendonça boiando, estes últimos grudando insistentemente no corpo, atrapalhando a hidrodinâmica do nado e, obviamente, tirando alguns preciosos segundos no resultado final da competição.

Outra dificuldade dava-se pelo fato de que nadávamos de olhos fechados, pois não havia, tanto naquelas ocasiões como agora, águas cristalinas correndo em nossas ruas, exigindo grandes intuições para cruzar a linha de chegada – geralmente o poste da casa de Dona Dinha. Alguns competidores, como garantia, nadavam quase o dobro do necessário, para não arriscarem parar antes do final – eliminação imediata.

“Quando o toró caía, as águas da Maria Quitéria derramavam-se na Brigadeiro, formando uma correnteza volumosa, exprimindo uma espuma poética”

Tratava-se dum fenômeno digno de contemplação. Quando o toró caía, as águas da Maria Quitéria derramavam-se na Brigadeiro, formando uma correnteza volumosa, exprimindo uma espuma poética, digna de Castro Alves: “as espumas flutuantes levam, boiando nas solidões marinhas, a lágrima saudosa do marujo…” etc.

Todas essas experiências ocorriam longe dos olhares mais velhos, que apenas reclamavam quando chegávamos encharcados em casa. “Quando tiver chovendo não vão mais pra rua jogar bola”, dizia minha avó, sem saber estar diante de Gustavo Borges e Fernando Scherer – eu e meu primo Jai. É verdade que alguns dias depois gripes ocorriam, micoses brotavam, pitiríases incomodavam, mas tudo razoavelmente admissível na vida de quem aventurava-se na Bacia da Brigadeiro Eduardo Gomes.

Dessa maneira, fica caracterizada minha discordância – muitíssimo parcial, admito – sobre as críticas à vocação hidrográfica da cidade de Feira de Santana. Um carro afogado aqui, outro atolado ali, uma molhação acolá não é coisa que desabone os méritos, até turísticos, que esta peculiaridade traz à cidade.

É bom lembrar que a Feira é dos Olhos D’Água, e que, portanto, as chuvas são como lágrimas que escorrem dos olhos da Princesa chorosa, derramando-se pelas ruas. A quem incomoda esse pranto, sugere-se não buscar lenços ou outros tipos de resolução: apelar a Oyá talvez seja o que resta.

 


Sobre o (a) autor (a):