Rio Jacuípe

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana Milhares de manifestantes foram às ruas do centro de Feira de Santana, protestar contra os cortes de verbas da educação, anunciados pelo MEC. Bolsonaro, Rui Costa e Colbert também foram alvos das críticas. Os três chefes do executivo estavam em viagem oficial Bolsonaro nos Estados Unidos, Rui, na China e Colbert, novamente, em Brasília, para tratar de diversos assuntos, dentre os quais o Hospital da Mulher, onde em menos de uma semana 03 bebês morreram devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Professores da UEFS contra os cortes

Desemprego em Feira

Emprego formal se reduz no primeiro trimestre em Feira

No primeiro trimestre de 2019 o desemprego voltou a mostrar as suas garras aqui na Feira de Santana. Foram, no saldo, 480 empregos a menos, no saldo entre admissões (8,7 mil) e demissões (9,1 mil). Os mais penalizados foram os comerciários: no saldo, enxugaram-se 162 oportunidades para esses profissionais. Alguém mais otimista pode enxergar, aí, aquele movimento natural de dispensa do excedente que foi contratado para as festas de final de ano. O preocupante, porém, é que a redução de empregos alcançou atividades que não se relacionam diretamente ao vaivém natural do comércio. É o caso da construção civil, que

Rua de Aurora: sagrada e profana

Localizada no bairro Tanque da Nação, entre as ruas Voluntários da Pátria e Venceslau Braz, transversal à avenida José Falcão, a rua Artur de Assis, ou Rua de Aurora (como é popularmente conhecida), é um notável símbolo da cidade de Feira de Santana.

Diz-nos a fachada de uma de suas lojas: “Só tem ele na Bahia”. Até as pedras do caminho sabem: “peça automotiva? haverá de ter na Rua de Aurora”. Com toda sua complexidade, a trama das relações sociais que se dão nesse espaço, anuncia-nos sutilezas da estrutura e funcionamento do povo feirense de valor inestimável.

Rua de Aurora

Há uma máxima na fotografia: Quanto mais a gente vê, menos a gente repara. Portanto, para reparar o feirense e suas vicissitudes, fez-se preciso eleger um recorte, um objeto de estudo. Eis, então, a escolha por essa importante conjuntura cultural e comercial. Movimentada, caótica, suja de graxa, a Rua de Aurora parece driblar uma extinção cotidianamente tida como inevitável.

“No interior dos estabelecimentos, as paredes sujas expõem avisos, calendários e peças amarradas”.

Dentre os principais serviços ofertados, destacam-se a venda de peças automotivas seminovas, ajustes de mecânica em geral e a compra de sucata. Os ruídos da soldagem entremeiam-se com o ronco de uma CG 125 preta. Há também um motorista impaciente que buzina e esbraveja pedindo passagem. Um vendedor, velho e barrigudo, observando sentado toda situação, é categórico ao me dizer com desprezo: “Dá pra passar até uma carreta”.

Rua de Aurora

Os mecânicos são os protagonistas desse enredo. Em sua maioria, vestem trapos velhos e manchados. Gritam, gesticulam e fazem graça, comunicando-se com bastante veemência. Entretanto, existem os circunspectos, que parecem cumprir sua função espontaneamente, imersos por completo na atividade empreendida.

No interior dos estabelecimentos, as paredes sujas expõem avisos, calendários e peças amarradas, essas, como manequins em pose nas vitrines. Nota-se uma razoável quantidade de gaiolas espalhadas por todos os lados. Criam coleiros, canários e papa-capins. Nos passeios, cada centímetro é aproveitado como estacionamento de bugigangas. Os pedestres precisam dividir espaço com calotas anacrônicas, descargas cicatrizadas, parafusos semeados e placas comerciais.

Rua de Aurora - Feira de Santana

Algumas poucas residências resistem na Rua de Aurora aos anseios e desejos do progresso. Em tempos de Era Digital, um comportamento prosaico, amplamente compactuado, chama atenção. É encantador o bate-papo desacelerado e “descompromissado” daquelas pessoas. Um homem bêbado me faz uma pergunta retórica: “E aí, meu jovem. Que calor é esse?”. Aqui e acolá, a abordagem é quase sempre a mesma: “E aí, meu patrão. Peça?”. Paradoxalmente, a cordialidade do encontro cheio de sorrisos divide lugar com a terrível aspereza dos antipáticos.

Não resta dúvida, a análise crítica do mundo cotidiano pelo ângulo etnográfico despe uma Rua de Aurora em santuário. Para os seus habitantes, asilo sagrado e inviolável que garante o pão de cada dia. Identificam-se com as funções que ali ocupam. Batem ponto, sabem o que querem e para onde vão. As misérias costumeiras são deixadas de lado nesse espaço que, apesar de abandonado, converte-se seguro e santo.


Sobre o (a) autor (a):