As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura.

“Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade feirense, não a dos ambulantes que temem o rapa, mas aquela que certa elite finge não existir (exercendo o direito de defesa): a Feira de Santana que sonega impostos, que faz tráfico de influência, que se utiliza de ardis ilegais para se produzir novo – ou eterno – rico.

Essa elite que menospreza “o povo de Feira” por ser menos moderno, desenvolvido… menos soteropolitano. E é esse deslumbramento com a capital que o Roça nega: “Aqui não é Salvador […] aqui é aqui, lá é lá”.

Tonho Dionorina no clipe Verde e Cinza

O clipe foi gravado nos espaços da correria, o Feiraguay, a roça, a praça da Matriz. Ali onde tudo está oculto e alheio ao cafoníssimo colunismo social feirense – que se regozija em prêmios, troféus, comendas e homenagens autocongratulatórias. Tonho Dionorina, o príncipe da Rua Nova, surge como um profeta, sendo ouvido e reverenciado por Paulo Balla, Nickamaro, Don Maths e Ed Murphy.

Após expor com acidez o baratino da elite governante feirense, “Verde e Cinza” finaliza sinalizando o caminho da resistência para transformar as exclusões da cidade: “labuta tá dura mas chorar não é demérito/buscando minha liberdade igual a George Américo”. Que assim seja.

 

Ficha Técnica

Música: “Verde e Cinza”

Autores: P. Balla | Nickamaro | Don Maths | Lerry

Interpretação : Roça Sound & Tonho Dionorina

Produção Musical: Lerry e Nickamaro

Mixagem e Masterização: Lerry (Crossover Estúdio)

Selo: Pega Visão Álbum: “Tabaréu Moderno” (2019)

Direção: Duane Carvalho

Produção Executiva: Banana Atômica

Criação e Roteiro: Duane Carvalho

Direção de Arte: Duane Carvalho

Câmeras – Duane Carvalho | Arivaldo Públio | Felipe Martins

Assistente de produção: Rafael Flores


Sobre o (a) autor (a):