As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

A degradação do Rio Jacuípe em Feira de Santana

O Rio Jacuípe é uma das referências ambientais e simbólicas de Feira de Santana. Tendo sua nascente em Morro do Chapéu, o Jacuípe possui cerca de 500 quilômetros de extensão, desembocando na Região Metropolitana de Salvador. Além disso, o Jacuípe compõe o lago da Barragem de Pedra do Cavalo, responsável por grande parte do abastecimento de água na Bahia.

Em Feira, por muitos anos, o Jacuípe serviu como ponto turístico e de lazer para muitos feirenses e visitantes da cidade. Cortando a BR 116 (que liga Feira a Santo Estevão), ele também já foi fonte de sustento para muitos pescadores, até a poluição ligada ao crescimento desordenado da cidade, entre outros fatores, levarem a uma degradação significativa desse patrimônio natural.

Rio Jacuípe

Para os que sobreviviam das riquezas naturais do Jacuípe, o local é apenas lembrança, e muitos chegam a se emocionar ao lembrar que precisam trabalhar fora para conseguir trazer o sustento para casa.

Um desses trabalhadores é João da Conceição, pescador há mais de trinta anos na região, que hoje precisa trabalhar de ajudante de pedreiro para sobreviver. “Já sustentei minha família com renda exclusiva da pesca. Eu comecei aqui utilizando rede três malhas, mas hoje trabalho com várias coisas para que possa sobreviver. Posso afirmar que a poluição afastou muitos peixes. É de cortar o coração ver o estado que esse rio se encontra e ninguém faz nada”, diz ele, enquanto joga sinuca num bar à beira do Jacuípe.

Pescador no Rio Jacuípe

João da Conceição: “já sustentei minha família com renda exclusiva da pesca”.

Tal qual João, Dona Terezinha da Silva, pescadora com 57 anos de idade,  lamenta a degradação do Rio. Hoje, diz ela, não é mais possível sobreviver do Jacuípe. Quando se aventura a pescar, o faz apenas por esporte: “mesmo porque, a única coisa que conseguimos pescar nessa região é piaba, mas por muitos anos tirávamos daqui peixes como tilápia e muitos outros. Os moradores e comerciantes também são responsáveis pela poluição e degradação, pois são os primeiros a sujar, a não cuidar e com a continuidade dessa falta de cuidado chegamos a esse ponto, onde até os banhistas e visitantes sumiram”.

Pescadora do Rio Jacuípe

Dona Terezinha, pescadora do Rio Jacuípe

Outra que lamenta os problemas no Rio é dona Eliana Santiago, moradora da região há 30 anos. Ela morava no bairro do Sobradinho, e decidiu viver ali porque, naquele tempo, além de ter movimento, o marido dela conseguia viver da pesca de camarão e peixes. “Mesmo com todas as dificuldades eu não penso em ir embora daqui, um lugar calmo, bom de morar. Hoje tenho minha vendinha, onde as pessoas compram o que precisam dentro de casa, mas sair daqui não penso não”, diz ela, informando que o marido agora trabalha dirigindo carro-pipa para um condomínio construído próximo ao Rio.

Algumas construções, aliás, são um dos problemas que colaboram com o declínio do Rio Jacuípe. Não só por conta da destruição da chamada mata ciliar, que protege e preserva o curso do Rio, como também pela produção de esgotos que lançam dejetos nas águas tão poluídas. Já é possível ver nascer um novo bairro naquela região, com casas e ruas completamente irregulares, sem qualquer intervenção do Poder Público para impedir, fiscalizar ou mediar a estrutura urbana que vai se formando.

Casa no "novo bairro" à beira do Rio Jacuípe

Casa à venda no “novo bairro” à beira do Rio Jacuípe

Um novo bairro no Rio Jacuípe

Um “novo bairro” se forma à beira do Rio Jacuípe

 

Quem não desiste do Rio

Em uma das visitas da nossa reportagem ao Rio Jacuípe, encontramos o banhista Thiago Santos, que disse utilizar o local como uma válvula de escape ao corre-corre da cidade. “Sempre que posso venho aqui comer um peixe e tomar uma banho de rio, já que não temos praia, mas confesso que sinto uma falta de cuidado e interesse das autoridades em zelar e cuidar de um local tão bom”.

Quando perguntado se ele não tinha medo das águas do Rio, tanto pelos constantes acidentes quanto pela poluição das águas, ele ponderou que só toma banho na borda, e que a poluição não deve ser tão grande, caso contrário, teriam placas avisando. “Acredito que se a poluição existisse eles colocariam placas ou aviso. Confesso que às vezes dá medo, mas aí eu tomo banho com medo mesmo, porém, queria fazer um apelo às pessoas de competência que olhassem com carinho pela região do Rio”.

Peixe sendo tratado

Peixe sendo tratado no Rio Jacuípe

Proprietário da barraca, “Sabores do Mar”, à beira do Rio, Filipe Chagas conta que ainda sobrevive do negócio, mas que já viveu tempos melhores. “Ainda sobrevivo da minha barraca, mas já tivemos tempos melhores. Acredito que um trabalho de valorização e conscientização das pessoas iria atrair mais pessoas para cá. Hoje o Rio se encontra abandonado, até condomínio ilegal está sendo construído aqui e ninguém faz nada. Outro ponto que é preciso destacar é a falta de placas de sinalização ao redor do Rio. Não temos uma placa falando que a área é imprópria para banho, não tem um fiscal de pesca irregular, isso faz com que as coisas só piorem”, diz ele enquanto trata um peixe para seus clientes.

Diagnóstico assustador

Rio Jacuípe - Feira de Santana

De acordo com as autoridades, a poluição no Rio Jacuípe é enorme. João Dias, técnico e educador ambiental da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, membro da Associação de Pescadores de Feira de Santana, diz que em análise da água feita na região da ponte (BR 116) foram encontradas 5 mil bactérias heterotróficas por litro de água, sendo o máximo aceitável, do ponto de vista ambiental, apenas 500 bactérias por litro.

Messias Gonzaga, Coordenador do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) em Feira de Santana, alerta para os riscos de contato com a água do Jacuípe: “Aquela água é altamente contaminada. Se você colocar um dedo ali já sai contaminado, e muitas vezes aqueles restaurantes lavam os pratos com aquela água e tudo isso aí já veio à tona e é de conhecimento público”, diz ele.

Tanto Messias Gonzaga quanto João Dias concordam sobre a principal causa da degradação do Rio Jacuípe: os esgotos lançados nas águas. “Aquela área só será despoluída quando for solucionado o problema de rede de esgoto da cidade. Essa área da Bacia do Jacuípe já está bem adiantada, que é uma política que iniciou no Governo Wagner e continua no Governo Rui. Não sei se vai parar com o Governo Temer, porque tem parte dos recursos que é do Governo Federal”, diz Messias.

As águas poluídas do Rio Jacuípe

As águas poluídas do Rio Jacuípe

Já João Dias aponta a Embasa como responsável pelo descaso: “a Embasa alega que o problema da poluição é de responsabilidade da polícia coibir, mas a Embasa se omite ao não informar à Justiça onde estão os esgotos clandestinos. A Embasa se omite nessa questão o tempo todo. Eles iam contratar uma empresa ‘caça esgoto’ para ir atrás dos esgotos clandestinos, mas não fez isso. A origem do problema do Rio Jacuípe são os esgotos, não é o lixo dos pescadores”, diz ele, lembrando que em vários bairros de Feira de Santana há esgotos que têm como destino o Rio Jacuípe.

O coordenador do INEMA questiona o papel da Prefeitura Municipal na fiscalização das construções irregulares, e diz que o problema é comum em várias cidades: “o INEMA não tem forças para acabar com todos os crimes ambientais. É um problema difícil. Nós sempre recebemos denúncias, temos poluição com agrotóxicos, ocupação irregular de construções. Os municípios não colaboram, e não é só em Feira. Temos problema também em outros municípios. Você fere muitos interesses… Por isso que os prefeitos não se metem com isso. Querem que o INEMA se meta. E nós cuidamos de 96 municípios”.

Ambos reconhecem a importância da educação ambiental e da conscientização da população. João Dias diz que a Prefeitura irá providenciar, através da Secretaria do Meio Ambiente, placas de sinalização para alertar à população para o risco trazido pelas águas do Jacuípe, e aponta para a necessidade de ações conjuntas: “A secretaria pretende, junto com outros órgãos, como o INEMA e o Ministério Público, adotar medidas para evitar a instalação de um bairro à beira do Jacuípe, algo que não pode acontecer sem as condições mínimas de saneamento”. Messias Gonzaga concorda: “precisamos que cada órgão, cada pessoa, cumpra sua parte. Também precisamos da população. Não são só ações de governo que irão resolver”.

Enquanto as diversas instâncias públicas não se entendem, e a preservação desse tesouro natural não é prioridade, o Rio Jacuípe segue falecendo, representando mais um risco do que um recurso gerador de oportunidades, lazer e pujança ambiental para o povo de Feira de Santana.

 


Sobre o (a) autor (a):