Rio Jacuípe

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana Milhares de manifestantes foram às ruas do centro de Feira de Santana, protestar contra os cortes de verbas da educação, anunciados pelo MEC. Bolsonaro, Rui Costa e Colbert também foram alvos das críticas. Os três chefes do executivo estavam em viagem oficial Bolsonaro nos Estados Unidos, Rui, na China e Colbert, novamente, em Brasília, para tratar de diversos assuntos, dentre os quais o Hospital da Mulher, onde em menos de uma semana 03 bebês morreram devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Professores da UEFS contra os cortes

Desemprego em Feira

Emprego formal se reduz no primeiro trimestre em Feira

No primeiro trimestre de 2019 o desemprego voltou a mostrar as suas garras aqui na Feira de Santana. Foram, no saldo, 480 empregos a menos, no saldo entre admissões (8,7 mil) e demissões (9,1 mil). Os mais penalizados foram os comerciários: no saldo, enxugaram-se 162 oportunidades para esses profissionais. Alguém mais otimista pode enxergar, aí, aquele movimento natural de dispensa do excedente que foi contratado para as festas de final de ano. O preocupante, porém, é que a redução de empregos alcançou atividades que não se relacionam diretamente ao vaivém natural do comércio. É o caso da construção civil, que

Crise na Saúde de Feira de Santana

Crise na Saúde em Feira

Mães encontram dificuldades para dar à luz nos hospitais públicos de Feira de Santana No último domingo, foi comemorado o dia das mães. Porém, nem todas tiveram a razão de comemorar esse dia tão especial em Feira de Santana. Em menos de uma semana 03 bebês morreram no Hospital da Mulher, devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Hospital da Mulher atende 20% acima da sua capacidade A presidente da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, Gilberte Lucas, informou que “é inadmissível uma Maternidade Municipal que está atendendo com mais de 20% de sua

O imperdível Festival Beba a Cidade

Feira de Santana vai receber uma importante iniciativa para os apreciadores de cervejas artesanais: o Festival Beba a Cidade, organizado pela feirense Cervejaria Sertões em parceria com o Hotel Ibis/Feira. O evento contará com a presença de 7 cervejarias artesanais, a maioria delas, locais (Brassaria de Vidro, Zartchmann Bier, Dragórnia, Cervejaria Aguste, Bressy Beer, Cervejaria Sméra e Cervejaria Sertões). Além disso, haverá uma palestra sobre mercado cervejeiro (promovida por um colaborador do SEBRAE-BA), atrações musicais, lançamento de cerveja, cardápio gourmet exclusivo do Hotel Ibis, brassagem coletiva (produção de cerveja) e um #TapWall com 8 estilos de cervejas a serem comercializadas

Artifício - Donguto

O EP “Artifício”, do feirense Donguto

O cenário musical de Feira de Santana foi surpreendido recentemente com o EP “Artifício”, do multiartista Donguto, um trabalho que demonstra uma desenvoltura musical notável para aquele que já é considerado um dos maiores artistas plásticos da nova geração em Feira. Com quatro canções autorais, “Artifício” é uma mistura interessante de várias referências que vem do hip hop, reggae, rock, funk/soul. Em vez da gororoba comum em algumas iniciativas que buscam misturar diferentes gêneros, Donguto conseguiu organizar musicalmente todas essas cores, sem com isso tornar-se chapa branca nem enfadonho (longe disso!). O EP é bom de ouvir, dançante e poeticamente

A invenção da raquete de fritar muriçoca

Com uma breve pesquisa na internet, é possível descobrir que há no Brasil o Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o INPI, que, entre outras coisas, cuida de registros de patentes e desenho industrial no país. Ao que parece, toda grande invenção brasileira, caso o inventor não queira ver-se surrupiado do que criou, deve ser cadastrada ali para garantir atribuição genuína de autoria.

Sei disso porque esses dias precisei verificar a informação de que uma grande inovação tecnológica do nosso tempo teve origem em uma mente feirense. Segundo Tóti, ambulante que transita na região da Sales Barbosa, as raquetes assassinas que eletrocutam muriçocas, muito utilizadas atualmente, foram inventadas aqui em Feira de Santana.

Disse-me Tóti que o inventor (cujo nome mantenho em sigilo para evitar sensacionalismos) foi uma das vítimas da devastadora dengue hemorrágica, tendo passado vários dias internado no Clériston Andrade à beira da morte. Além de vômitos e de um frio incontrolável, nosso Thomas Edison sentia dores agudas na barriga, que o levavam ao choro copioso. Para completar, incomodava-lhe noite e dia o zumbido de uma muriçoca, fazendo-o gritar para todo o Hospital ouvir: “Sai daqui, pestienta! Já tou morrendo e tu vem me atazanar… Quer botar outra dengue dentro de mim?”, protestava abanando a mão frágil em busca do mosquito inconveniente.

Diz Tóti que esse tormento, mais o fato de o homem ter feito curso de eletrotécnica no SENAI, foi definitivo para inspirar sua veia criativa na eletrocutação de muriçocas. “Cada muriçoca frita vai ser o pagamento pelo inferno que passei naquele Clériston”, teria dito quando apresentou o protótipo da raquete para vizinhos seus que moravam no Bairro Lagoa Salgada, entre os quais estava Tóti.

Embora não tenha conseguido confirmar a tese de Tóti, parece legítimo considerar que as raquetes eletrocutantes sejam um invento feirense, até pelo protagonismo da nossa cidade no cultivo de mosquitos em épocas mais quentes. No uso das raquetes, ouve-se notícias de quem consegue acumular quantidades generosas de cadáveres de insetos, inspirando certo prazer colecionista em quem realiza grandes chacinas.

Segundo consta, surgem aqui e ali especialistas em cada espécie dos insetos. Uns preferem os Aedes aegypti, outros dedicam-se aos Culicidae. Há quem tenha grande variedade de Maruins, mais uns tantos que estudam os Culex, e por aí vai. É possível que em algumas regiões da cidade surjam a prática de rolos parecidos com as trocas das figurinhas da copa do mundo, com a especulação de exemplares mais valiosos de acordo com a raridade etc.

Portanto, em nossa cidade, o advento da raquete eletrocutante tornou-se não só um instrumento de cuidado com a saúde pública, mas também de entretenimento familiar. Mesmo que não tenha sido inventada em Feira, merece, pelo menos, o título de cidadã feirense.


Sobre o (a) autor (a):