As Feiras de Feira de Santana

Centro de Abastecimento de Feira de Santana

O Centro de Abastecimento vai ser privatizado?

De acordo com o líder do governo na Câmara Municipal, vereador Marcos Lima (Patriota), vários empresários querem administrar o Centro de Abastecimento de Feira de Santana. A informação foi repassada durante a sessão desta terça-feira (13), na Casa da Cidadania, ao responder acusações do vereador Roberto Tourinho.   Abandonado Tourinho disse que a situação do Centro de Abastecimento é de abandono, e elencou os seguintes problemas: lixo, mau cheiro, escuridão, tráfico de drogas, prostituição, lama e até homicídios ocorrem no local. Cheiro de Privatização De acordo com Tourinho, o poder público municipal não faz absolutamente nada, diante de tantos problemas:

Cantoras negras feirenses

Cantoras negras são destaque na música de Feira de Santana

Um olhar cuidadoso sobre as expressões musicais em Feira de Santana torna obrigatório reconhecer o fundamental protagonismo das mulheres em nossa música. Para começar, Feira de Santana é uma das poucas cidades do Brasil que tem seu hino composto por uma mulher: Georgina Erismann, no início do século XX, fez o “Hino a Feira”, numa época em que a mulher sequer tinha direito a voto. Uma das mais tradicionais expressões culturais de Feira de Santana, reconhecida internacionalmente, é capitaneada por uma mulher: Dona Chica do Pandeiro é a matriarca da Quixabeira da Matinha, exercendo um papel de liderança que remonta

OzÉbrios

Grupo feirense OzÉbrios estreia no projeto “Samba da Tarde”

Feira de Santana ganha, a partir deste sábado (10) mais um espaço de apreciação do samba: o Container Mall, com o projeto “Samba da Tarde”. Promovido pela Cervejaria Sertões, a iniciativa apresentará o grupo de samba OzÉbrios, comandado pelo cantor e compositor Rafael Damasceno. O projeto visar ocupar as tardes de sábado do Container Mall com o mais puro ritmo do samba raiz. O grupo OzÉbrios receberá convidados celebrando a junção do melhor do samba, dos sabores (dos petiscos) e das cervejas (artesanais), como elementos de entretenimento e opção de lazer na cidade. Além da Cervejaria Sertões, e o Container

Amanda Magalhães - The Voice - Feira

Amanda Magalhães, a feirense que está no The Voice Brasil 2019

Feira de Santana está mais uma vez no The Voice Brasil. Após o sucesso da feirense Paula Sanffer, que participou do programa global em 2015, e hoje é vocalista da Timbalada, é a vez da cantora Amanda Magalhães, que foi selecionada para o time da cantora IZA. Além de cantora, Amanda Magalhães é atriz (atuou no filme feirense “Porque eu te amei“), e desde cedo se dedicou ao serviço na Igreja por meio das artes. Participante do elenco de uma companhia de teatro musical cristã, a jovem de 25 anos se descobriu como cantora através dos personagens que interpretou ao

A Nova Lei feirense sobre apreensão de veículos

A Câmara Municipal de Feira de Santana promulgou nesta terça-feira, 06, a Lei Nº 346/2019, de autoria do vereador  Marcos Antonio dos Santos Lima, que dispõe sobre a apreensão de veículos automotores de duas e quatro rodas nas sextas-feiras, sábados, domingos, feriados e no último dia útil que anteceder a feriados em Feira de Santana. Nestes dias, a diária do pátio terá início no primeiro dia útil subsequente. Retirada de itens pessoais A lei ainda dispõe que ao proprietário(a) do veículo automotor comprovado com documento de identificação oficial com foto será permitido retirar os itens pessoais a qualquer momento após

A invenção da raquete de fritar muriçoca

Com uma breve pesquisa na internet, é possível descobrir que há no Brasil o Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o INPI, que, entre outras coisas, cuida de registros de patentes e desenho industrial no país. Ao que parece, toda grande invenção brasileira, caso o inventor não queira ver-se surrupiado do que criou, deve ser cadastrada ali para garantir atribuição genuína de autoria.

Sei disso porque esses dias precisei verificar a informação de que uma grande inovação tecnológica do nosso tempo teve origem em uma mente feirense. Segundo Tóti, ambulante que transita na região da Sales Barbosa, as raquetes assassinas que eletrocutam muriçocas, muito utilizadas atualmente, foram inventadas aqui em Feira de Santana.

Disse-me Tóti que o inventor (cujo nome mantenho em sigilo para evitar sensacionalismos) foi uma das vítimas da devastadora dengue hemorrágica, tendo passado vários dias internado no Clériston Andrade à beira da morte. Além de vômitos e de um frio incontrolável, nosso Thomas Edison sentia dores agudas na barriga, que o levavam ao choro copioso. Para completar, incomodava-lhe noite e dia o zumbido de uma muriçoca, fazendo-o gritar para todo o Hospital ouvir: “Sai daqui, pestienta! Já tou morrendo e tu vem me atazanar… Quer botar outra dengue dentro de mim?”, protestava abanando a mão frágil em busca do mosquito inconveniente.

Diz Tóti que esse tormento, mais o fato de o homem ter feito curso de eletrotécnica no SENAI, foi definitivo para inspirar sua veia criativa na eletrocutação de muriçocas. “Cada muriçoca frita vai ser o pagamento pelo inferno que passei naquele Clériston”, teria dito quando apresentou o protótipo da raquete para vizinhos seus que moravam no Bairro Lagoa Salgada, entre os quais estava Tóti.

Embora não tenha conseguido confirmar a tese de Tóti, parece legítimo considerar que as raquetes eletrocutantes sejam um invento feirense, até pelo protagonismo da nossa cidade no cultivo de mosquitos em épocas mais quentes. No uso das raquetes, ouve-se notícias de quem consegue acumular quantidades generosas de cadáveres de insetos, inspirando certo prazer colecionista em quem realiza grandes chacinas.

Segundo consta, surgem aqui e ali especialistas em cada espécie dos insetos. Uns preferem os Aedes aegypti, outros dedicam-se aos Culicidae. Há quem tenha grande variedade de Maruins, mais uns tantos que estudam os Culex, e por aí vai. É possível que em algumas regiões da cidade surjam a prática de rolos parecidos com as trocas das figurinhas da copa do mundo, com a especulação de exemplares mais valiosos de acordo com a raridade etc.

Portanto, em nossa cidade, o advento da raquete eletrocutante tornou-se não só um instrumento de cuidado com a saúde pública, mas também de entretenimento familiar. Mesmo que não tenha sido inventada em Feira, merece, pelo menos, o título de cidadã feirense.


Sobre o (a) autor (a):