As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Raimundo de Oliveira: o pintor feirense que expôs em Paris e Nova York

“O profeta Raimundo, grande da pintura brasileira, carregado de drama, de solidão e de pecado, é no entanto o mais alegre e terno, o mais puro e numeroso, jamais sozinho pois sua palavra é de solidariedade e sua mensagem é o amor entre os seres humanos, é a alegria fluindo dos pincéis e de seu coração. É o profeta de Feira de Sant’Ana, lá vem montado em seu jumento e vai levar sua carga de amor aos confins do mundo”.

Assim o escritor Jorge Amado descreveu o artista feirense Raimundo Falcão de Oliveira, um dos maiores nomes das artes plásticas que Feira de Santana já produziu. Nascido em 1930, Raimundo possui ampla obra, já exposta em Paris, Nova York, Madri e Moscou, além de outras cidades da Europa, America Latina e Brasil, a exemplo de Rio de Janeiro e São Paulo.

Sua primeira exposição, entretanto, ocorreu em no Colégio Santanópolis, na década de 40, onde estudava, seguindo-se uma outra no hall da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, em 1951.

Raimundo teve conexão central com sua mãe, Dona Santa, assídua frequentadora da Igreja Matriz (Catedral de Santana).

Lembra Edivaldo Boaventura, em texto sobre Raimundo de Oliveira: “Habituei-me desde muito cedo, ao tempo em que criança morava na Praça da Matriz a ver Raimundo, sempre de calça e paletó escuros e aparentando mais idade do que realmente tinha, a passar bem devagar conduzindo pelo braço D. Santa. Vinham mãe e filho pelo beco de Santana, atravessavam o largo em cadência lenta e ritmada e entravam na Matriz pelo portão da frente”.

Raimundo de Oliveira

Em Salvador, Raimundo Oliveira chegou a cursar a Escola de Belas Artes da Universidade da Bahia. Lá conheceu artistas como Mario Cravo Júnior e Jenner Augusto. Daí, para o mundo: morou em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde entrou em contato com artistas de renome nacional.

Juraci Dórea, artista feirense, em texto para o livro “A Via Crucis de Raimundo Oliveira”, descreve a personalidade de Raimundo já em Salvador: “Eu o conheci na pensão de Renato, em Salvador, onde moramos em quartos vizinhos.  […] Não me pareceu uma criatura tão estranha como se costumava descrevê-lo aqui em Feira de Santana, embora tivesse aquele hábito (por certo adquirido no Sul) de andar, em plena cidade da Bahia, sempre vestido com paletó e gravata. Já passava dos 30 anos. Calmo no falar. Introspectivo. Entregava-se, na época, a um discreto alcoolismo. Queria saber, às vezes, das pessoas e das coisas de Feira, com as quais perdera o contato”.

A obra de Raimundo Oliveira é muito influenciada por temas cristãos católicos, influência atribuída à sua infância religiosa ao lado da mãe. Diz Juraci Dórea, sobre o momento em que Dona Santa faleceu, em 1954: “Raimundo entrou em pânico, entregou-se ao mais completo desespero, deixou de pintar e chegou mesmo a ser internado para tratamento”.

Raimundo de Oliveira

Para Antonio Celestino, os dramas familiares tiveram influências marcantes na vida de Raimundo de Oliveira: “Profundamente religioso, nascido de família modesta, de mãe devotadamente católica, problemas familiares marcaram-no indelevelmente, como detalhadamente me confessara nas mais estranhas condições e nas mais graves aflições de sua vida. Creio que foi esse clima de drama em que viveu seus verdes anos que originou suas primeiras manifestações artísticas”.

Raimundo tinha aspirações seminaristas, chegando a se matricular em uma instituição que recepcionava vocacionados tardios, mas não seguiu a trilha religiosa – pelo menos a tradicional. Restou-lhe, como disse Juraci Dórea “a sublimação, pela arte, de sua desesperada aventura mística”.

Raimundo de Oliveira

Raimundo de Oliveira

Raimundo de Oliveira

Raimundo de Oliveira

Raimundo de Oliveira

Raimundo de Oliveira

Em 1966, Raimundo de Oliveira foi encontrado morto no Hotel São Bento, em Salvador, após ter cometido suicídio.

Edivaldo Boaventura lembra das circunstâncias: “O prefeito de Feira, Joselito Falcão Amorim, mandou buscar o corpo e lhe deu sepultura. Helder Alencar, secretário do Governo Municipal, fora encarregado do transporte, embalsamento e demais providências. Fernando Santos, que assistiu o enterro, contou-me que o féretro saíra do mesmo lugar da primeira exposição de Raimundo em Feira. No mesmo recinto nobre, no mesmo mês quente de janeiro. Quinze anos depois. Foi a volta definitiva…

Leia mais sobre Raimundo de Oliveira na Enciclopédia Itaú Cultural!


Sobre o (a) autor (a):