Rio Jacuípe

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana Milhares de manifestantes foram às ruas do centro de Feira de Santana, protestar contra os cortes de verbas da educação, anunciados pelo MEC. Bolsonaro, Rui Costa e Colbert também foram alvos das críticas. Os três chefes do executivo estavam em viagem oficial Bolsonaro nos Estados Unidos, Rui, na China e Colbert, novamente, em Brasília, para tratar de diversos assuntos, dentre os quais o Hospital da Mulher, onde em menos de uma semana 03 bebês morreram devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Professores da UEFS contra os cortes

Desemprego em Feira

Emprego formal se reduz no primeiro trimestre em Feira

No primeiro trimestre de 2019 o desemprego voltou a mostrar as suas garras aqui na Feira de Santana. Foram, no saldo, 480 empregos a menos, no saldo entre admissões (8,7 mil) e demissões (9,1 mil). Os mais penalizados foram os comerciários: no saldo, enxugaram-se 162 oportunidades para esses profissionais. Alguém mais otimista pode enxergar, aí, aquele movimento natural de dispensa do excedente que foi contratado para as festas de final de ano. O preocupante, porém, é que a redução de empregos alcançou atividades que não se relacionam diretamente ao vaivém natural do comércio. É o caso da construção civil, que

Crise na Saúde de Feira de Santana

Crise na Saúde em Feira

Mães encontram dificuldades para dar à luz nos hospitais públicos de Feira de Santana No último domingo, foi comemorado o dia das mães. Porém, nem todas tiveram a razão de comemorar esse dia tão especial em Feira de Santana. Em menos de uma semana 03 bebês morreram no Hospital da Mulher, devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Hospital da Mulher atende 20% acima da sua capacidade A presidente da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, Gilberte Lucas, informou que “é inadmissível uma Maternidade Municipal que está atendendo com mais de 20% de sua

O imperdível Festival Beba a Cidade

Feira de Santana vai receber uma importante iniciativa para os apreciadores de cervejas artesanais: o Festival Beba a Cidade, organizado pela feirense Cervejaria Sertões em parceria com o Hotel Ibis/Feira. O evento contará com a presença de 7 cervejarias artesanais, a maioria delas, locais (Brassaria de Vidro, Zartchmann Bier, Dragórnia, Cervejaria Aguste, Bressy Beer, Cervejaria Sméra e Cervejaria Sertões). Além disso, haverá uma palestra sobre mercado cervejeiro (promovida por um colaborador do SEBRAE-BA), atrações musicais, lançamento de cerveja, cardápio gourmet exclusivo do Hotel Ibis, brassagem coletiva (produção de cerveja) e um #TapWall com 8 estilos de cervejas a serem comercializadas

Artifício - Donguto

O EP “Artifício”, do feirense Donguto

O cenário musical de Feira de Santana foi surpreendido recentemente com o EP “Artifício”, do multiartista Donguto, um trabalho que demonstra uma desenvoltura musical notável para aquele que já é considerado um dos maiores artistas plásticos da nova geração em Feira. Com quatro canções autorais, “Artifício” é uma mistura interessante de várias referências que vem do hip hop, reggae, rock, funk/soul. Em vez da gororoba comum em algumas iniciativas que buscam misturar diferentes gêneros, Donguto conseguiu organizar musicalmente todas essas cores, sem com isso tornar-se chapa branca nem enfadonho (longe disso!). O EP é bom de ouvir, dançante e poeticamente

Que horas começa o Bando?

O final da tarde de sábado na Feira carrega consigo os passos daqueles que transitam pela rua Conselheiro Franco, os sapatos vendidos nas calçadas da Avenida Senhor dos Passos, o samba de roda da capoeira de angola na Getúlio Vargas, as vozes das feirantes que pulsam na Marechal Deodoro e o cheiro de ervas da antiga casa que fica no Beco do Mocó exalando boa Energia para o beco da frente. As pombas continuam girando na Matriz!

Disseram que o Bando Anunciador da Festa de Nossa Senhora Santana, a padroeira da cidade, acontece neste domingo de julho, às sete da manhã. Tenho minhas dúvidas! Ou melhor, tenho uma notícia um tanto desastrosa para contar: Não vai acontecer. O Bando não acontece no domingo. Não é notícia pra ficar triste, minha gente! Tinha mesmo de ser assim. Manifestação deste jeito acaba não acontecendo… não acontecendo somente no horário oficial em que é anunciado. É coisa de antes!

A organização de cada bando que vem dos bairros de Feira é coisa que leva tempo. De Bando em Bando, tem pelo menos tantos meses pra que se pense a fantasia ou a identidade de cada bando. De Bando em Bando, tem que haver tempo para a escolha de uma rainha que também represente o bairro. De Bando em Bando, tem que ter tempo para o ensaio dos tambores, das fanfarras e para a composição de música. Dos Olhos D’água, da Chácara São Cosme, do Horto, do Pilão, das Baraúnas, de tantos outros e da Rua Nova, a lavagem vem! Vem bebendo cerveja desde o baba do sábado; vem do terreiro do Jardim Acácia com a música dos orixás; vem de virote de uma rave e também vem da Marcha para Jesus; vem de café tomado desde às cinco horas da manhã e em procissão festiva até a concentração no Centro Universitário de Cultura e Arte.

“As coisas nunca voltam, nem são resgatadas. É sempre outra coisa.”

A organização de cada bando que vem dos bairros de Feira é coisa que leva tempo e vem crescendo desde 2007 pra cá, quando a festa “voltou”. Coloco entre aspas, porque as coisas nunca voltam, nem são resgatadas. É sempre outra coisa. Sobre esta nova coisa – hoje – que são os bandos, me inclino a dizer que se aproximam muito mais de uma movimentação lúdica que serviu menos para resgatar a tradição em nome de Nossa Senhora Santana e mais para impulsionar a organização coletiva dos bairros que formam este grande Bando. Serviu mesmo e muito mais para a reocupação do espaço público como um lugar de manifestação política legítimo a ser disputado pelas pessoas que trabalham neste mesmo lugar durante toda a semana (e muitos ainda continuam com suas barracas e carrinhos de cerveja e churrasquinho), pelos estudantes, pelas mulheres, crianças e mais velhos.

Os bandos vieram para realizar a travessia carnavalizante que mistura a expressão das cores, das musicalidades, das danças, das diferentes expressões religiosas e das sexualidades, e da diversidade cultural que esta Feira tem e muitos insistem em dizer que não.

E só pra finalizar e responder à pergunta inicial: o Bando Anunciador já começou!

 

[Foto de capa: Nei Rios]


Sobre o (a) autor (a):