Rio Jacuípe

Baile Surrealista

Baile Surrealista tem sétima edição em Feira

O Teatro Arena do Centro de Cultura Amélio Amorim recebe neste sábado, 23, a sétima edição do Baile Surrealista. O Roça Sound e a banda Iorigun estão entre as atrações confirmadas na programação, que começa às 15h. O Baile Surrealista é uma releitura de uma festa francesa que reunia artistas e membros de sociedades secretas na década de 70 e pretende discutir as relações entre arte e esoterismo através da música, dança, artes visuais, tatuagem e oficinas. Nessa edição haverá o lançamento da primeira edição da Revista Subterrânea, um mapa musical da cena alternativa de feira de Santana entre os

Pablo Roberto

Pablo na Oposição?

Pablo na Oposição? O Secretário Municipal de Prevenção à Violência, Pablo Roberto, criticou a Prefeitura Municipal através de suas redes sociais – pela não contratação de algumas bandas locais para a Micareta. “Entendo as questões burocráticas, mas defendo sempre o diálogo. O corte de artistas da terra, que sempre divulgam a nossa festa e a nossa cidade por onde passam, deixa a nossa Micareta com menos identidade e menos brilho”, declarou o secretário. Saudades da Câmara No dia 14 de março, Pablo Roberto publicou em suas redes sociais uma foto dele na Tribuna da Câmara Municipal com a seguinte legenda:

São José

Apesar da expectativa, não choveu no dia de São José

O dia amanheceu com o céu muito limpo na Feira de Santana. Sem nuvens, a luminosidade estava esplendorosa. É que a luz já vai perdendo aquele tom metálico característico do verão e assumindo as cores suavemente alaranjadas do outono. Mais tarde, lá pela metade da manhã, começaram a surgir fiapos de nuvens, muito alvos, na orla que céu. Depois foram avançando aos poucos, encorpando-se, até, às vezes, encobrir o sol por alguns instantes. O cenário passaria despercebido se não fosse pela data: 19 de março é dia de São José, padroeiro da agricultura familiar e das boas colheitas no semiárido

Roça Sound

“Bota o Teu”, o novo Single do Roça Sound

O grupo feirense Roça Sound lançou na última sexta-feira (15) seu novo single, “Bota o teu”. A música traz a sonoridade do funk, com letra de NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e produção do DJ Lerry. Este é mais um single do novo álbum “Tabaréu Moderno”, com previsão de lançamento ainda este ano. Em 2018, o grupo já havia divulgado a faixa “Envolve e não se envolve”, gravada com a Orquestra Reggae de Cachoeira. O lançamento conta ainda com a identidade desenvolvida pelo premiado artista visual Gilmar Machado, conhecido como o “Cartunista das Cavernas”. Até o lançamento do álbum, o Roça

Duquesa

O Clipe “Futurista”, da Rapper Feirense Duquesa

A Rapper Feirense Duquesa acaba de lançar seu novo videoclipe, “Futurista”, produzido pela também feirense Live Filmes. A letra do Rap é da própria Duquesa, que toca de maneira incisiva em questões como machismo e racismo, mostrando os desafios enfrentados por mulheres jovens e negras para se afirmarem na sociedade contemporânea. Antes de assistir ao clipe, vale ler a poesia: Futurista Letra: Duquesa Catastrófica aparição Vejo tudo na minha mão Lutando contra minha ambição Vaidade que cega canção Muito bendita quando incomodo racista, sempre irritando machista Maldita por ser tão bem vista Gero ódio mas comemoro a conquista. Brigo comigo

Que horas começa o Bando?

O final da tarde de sábado na Feira carrega consigo os passos daqueles que transitam pela rua Conselheiro Franco, os sapatos vendidos nas calçadas da Avenida Senhor dos Passos, o samba de roda da capoeira de angola na Getúlio Vargas, as vozes das feirantes que pulsam na Marechal Deodoro e o cheiro de ervas da antiga casa que fica no Beco do Mocó exalando boa Energia para o beco da frente. As pombas continuam girando na Matriz!

Disseram que o Bando Anunciador da Festa de Nossa Senhora Santana, a padroeira da cidade, acontece neste domingo de julho, às sete da manhã. Tenho minhas dúvidas! Ou melhor, tenho uma notícia um tanto desastrosa para contar: Não vai acontecer. O Bando não acontece no domingo. Não é notícia pra ficar triste, minha gente! Tinha mesmo de ser assim. Manifestação deste jeito acaba não acontecendo… não acontecendo somente no horário oficial em que é anunciado. É coisa de antes!

A organização de cada bando que vem dos bairros de Feira é coisa que leva tempo. De Bando em Bando, tem pelo menos tantos meses pra que se pense a fantasia ou a identidade de cada bando. De Bando em Bando, tem que haver tempo para a escolha de uma rainha que também represente o bairro. De Bando em Bando, tem que ter tempo para o ensaio dos tambores, das fanfarras e para a composição de música. Dos Olhos D’água, da Chácara São Cosme, do Horto, do Pilão, das Baraúnas, de tantos outros e da Rua Nova, a lavagem vem! Vem bebendo cerveja desde o baba do sábado; vem do terreiro do Jardim Acácia com a música dos orixás; vem de virote de uma rave e também vem da Marcha para Jesus; vem de café tomado desde às cinco horas da manhã e em procissão festiva até a concentração no Centro Universitário de Cultura e Arte.

“As coisas nunca voltam, nem são resgatadas. É sempre outra coisa.”

A organização de cada bando que vem dos bairros de Feira é coisa que leva tempo e vem crescendo desde 2007 pra cá, quando a festa “voltou”. Coloco entre aspas, porque as coisas nunca voltam, nem são resgatadas. É sempre outra coisa. Sobre esta nova coisa – hoje – que são os bandos, me inclino a dizer que se aproximam muito mais de uma movimentação lúdica que serviu menos para resgatar a tradição em nome de Nossa Senhora Santana e mais para impulsionar a organização coletiva dos bairros que formam este grande Bando. Serviu mesmo e muito mais para a reocupação do espaço público como um lugar de manifestação política legítimo a ser disputado pelas pessoas que trabalham neste mesmo lugar durante toda a semana (e muitos ainda continuam com suas barracas e carrinhos de cerveja e churrasquinho), pelos estudantes, pelas mulheres, crianças e mais velhos.

Os bandos vieram para realizar a travessia carnavalizante que mistura a expressão das cores, das musicalidades, das danças, das diferentes expressões religiosas e das sexualidades, e da diversidade cultural que esta Feira tem e muitos insistem em dizer que não.

E só pra finalizar e responder à pergunta inicial: o Bando Anunciador já começou!

 

[Foto de capa: Nei Rios]


Sobre o (a) autor (a):