As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

“Não é pressa, é saudade dela”

No auge da minha adolescência – nem faz muito tempo assim – eu tinha uma vontade: viajar por aí de caminhão. Pegar umas caronas com os caminhoneiros e partir sem um rumo certo. Apenas vivendo um momento de cada vez, em cada rodovia e estrada desse nosso tão grande país. Mas a vida adulta chega trazendo responsabilidades e os anseios por aventuras adormecem um pouco. Enquanto lembrava disso, percebi que a figura do caminhoneiro é um tanto fascinante…

Observe que todos os meus anseios da adolescência é algo rotineiro para eles. Os caras não param, vivem o momento seja lá onde for e têm sempre boas histórias para contar. Porém, a diferença é que não é só uma mera aventura. Eles vivem tudo isso pelo pão diário, pela responsabilidade, pelo compromisso com a família, depois de deixar alguns sonhos engavetados.

Feira possui um dos maiores entroncamentos rodoviários do Brasil, e isso faz com que o fluxo de veículos pesados seja intenso por aqui. Diante disso, me pego refletindo sobre quantos corações cheios de saudade e pesados de sonhos passam nas rodovias da nossa cidade exatamente enquanto escrevo esse texto. Talvez algum Roberto lá da Paraíba descanse em sua rede esta noite querendo dormir ao lado de sua amada e ver seus filhos irem para a escola pela manhã. Ou algum Seu João do Mato Grosso prepare seu café lembrando que quando era garoto queria ser dono de um restaurante.

Frase de caminhoneiro

Reprodução: Twitter (@busarahlima)

São sempre em detalhes como esses que acho Feira um lugar singular e que sempre renderá alguma coisa para uma mente imaginar algo. Eu poderia só ouvir os caminhões cortarem as rodovias daqui, poderia só desconfiar de todas as cargas que passam, reclamar que os caminhões atrapalham o trânsito do anel de contorno, mas eu quero pensar com minha mente inocente de adolescente adormecida e imaginar esses caras cheios de sonhos tão próximos de nós por algumas horas.

De fato, eles se tornam fascinantes não só pelas aventuras que almejei enquanto garotão. Agora ainda mais por enxergar suas vidas numa perspectiva de responsabilidade e me ver na mesma situação – mesmo que “parado” em Feira. A aventura quase infantil cede lugar à melancólica realidade do homem dividido entre seus sentimentos em formas de sonhos e sua razão transfigurada em deveres.

Se você ler esse texto e for caminhoneiro, saiba que admiro demais sua coragem de ser um “aventureiro”. Por mais que não compreenda as implicações do seu ofício, eu acho que consigo entendê-lo como gente crescida. O que desejo a você é que sua famosa faixa “não é pressa, é saudade dela” passe rápido pelos caminhos e você possa matar a saudade seja lá do quê e quem for. Mas enquanto não passa, seja bem acolhido em Feira.


Sobre o (a) autor (a):