Rio Jacuípe

Zé Neto

Zé Neto é pré-candidato a Prefeito de Feira

PT lança pré-candidatura a prefeito de Feira Na tarde do último sábado (13), a executiva, o diretório, a militância, filiados e simpatizantes do Partido dos Trabalhadores (PT) se reuniram em Feira e decidiram por unanimidade lançar a pré-candidatura de Zé Neto para prefeito de Feira de Santana. Prefeito Colbert Martins completa um ano de governo Na quarta-feira (10), Colbert completou um ano no cargo de prefeito, e o líder do governo na Câmara de Vereadores, Marcos Lima, soltou essa: “O povo ainda sente saudade de José Ronaldo”. Ex-prefeito Tarcísio Pimenta é condenado por improbidade administrativa A pedido do Ministério Público

Artistas feirenses levam projeto para a África

O projeto “Circulação da Música Afro-Baiana 2019” levará o produtor cultural Uyatã Rayra e os músicos Bel da Bonita e Ravel Conceição do grupo musical Africania para África do Sul e Moçambique. A circulação internacional teve início na sexta-feira (5), extendendo-se até o dia 22 de abril. Oriundos de Feira de Santana, os integrantes do projeto pretendem estabelecer um intercâmbio entre a cultura musical da Bahia e dos países visitados. Serão ministradas oficinas rítmicas de Samba de Roda do Sertão e de Forró Pé-de-Serra, além de uma palestra sobre as influências do samba nos ritmos de forró. O cronograma conta

Crescimento do Bolsa Família em Feira

Há margem para ampliação do Bolsa Família em Feira

Em março, o número de beneficiários do Programa Bolsa Família (PBF) em Feira de Santana estava aquém do estimado pelo Ministério da Cidadania, o recauchutado Ministério do Desenvolvimento Social de tempos atrás. Segundo o órgão, 31.662 famílias foram contempladas com o benefício no mês passado, o que corresponde a 66,94% da estimativa de famílias pobres no município. Isso significa que, potencialmente, um terço das famílias com perfil para o programa não recebe o benefício. O Ministério da Cidadania constata que o “município está abaixo da meta do programa”. E recomenda a realização de “busca ativa para localizar famílias que estão

Mudança Secretaria da Educação

Mudança à vista na Secretaria de Educação

Vereadores da base governista criticam o Secretário Edson Borges Pablo Roberto, José Carneiro e João Bililiu criticaram publicamente o Secretário de Cultura, Esporte e Lazer, Edson Borges, porque alguns artistas da terra ficaram de fora da Micareta deste ano. É isso que chamamos de fogo amigo! Por falar em festa, comemoraram aniversário… A Guarda Civil Municipal de Feira de Santana, que completou na segunda-feira (25), 126 anos de existência. E um buraco na Rua Visconde do Mauá, no Bairro Caseb, em Feira de Santana, ganhou até um buquê de flores dos moradores para comemorar seu 1º aniversário. E quem não

Nilda Carvalho Cunha

A feirense que foi presa e torturada na Ditadura

O período da Ditadura Militar no Brasil, iniciado a partir do golpe que depôs o Presidente João Goulart em 1964, ficou marcado por práticas autoritárias como a censura, a tortura e o desaparecimento de opositores do Regime. Entre os abusos cometidos pelo Estado naquela época, está a prisão e tortura de Nilda Carvalho Cunha, a feirense que tinha apenas 17 anos quando foi presa e torturada, por suspeita de associação à militante de esquerda Iara Iavelberg. Pouco tempo depois de sua prisão, carregando as sequelas da tortura, Nilda morreu. A seguir, o relato completo da história de Nilda Carvalho, retirado

Povo da Feira #2: Dêga, do Ponto do Azeite, no Tomba

A Praça do Tomba pode ser comparada ao centro comercial de qualquer pequena cidade do interior baiano, com supermercados, açougues, lojas de móveis, materiais de construção, camelôs e a tradicional feirinha, que se expande aos domingos em uma das principais feira-livres de Feira de Santana. Um dos maiores pontos de venda de produtos é administrado por Valdinez Oliveira, uma senhora reservada e de poucas palavras.

Valdinez trabalha todos os dias na feirinha do Tomba, mas ninguém por lá a conhece pelo nome. “Só eu e Jesus que conhece meu nome. Eu não gosto”, diz ela em uma das poucas revelações sobre suas preferências pessoais. Valdinez é conhecida como “Dêga”, e assim gosta de ser chamada. Dêga nasceu em Ipirá, e desde pequena viajava com o pai “pra cima e pra baixo” vendendo mercadorias. “Trazíamos mercadoria de lá pra cá e daqui pra lá”.

Dêga, da Feira do Tomba

Aos 49 anos, Dêga tem uma vida dedicada ao comércio. Na infância e adolescência, com o pai. Depois, trabalhou no Centro de Abastecimento, até se firmar no Tomba nos últimos 30 anos. A vinda para Feira se deu após conhecer o pai de suas três filhas, uma de 24, uma de 27 e uma de 28 anos. Mas o casamento acabou, e hoje Dêga mora sozinha. “No começo é difícil, mas depois acostuma”, diz ela sobre a dificuldade de morar só.

O trabalho é o que preenche a maior parte do tempo da rotina dela: “Gosto de trabalhar, criei minhas filhas aqui, trabalhando. Conheço muita gente aqui”. Além disso, Dêga frequenta a Igreja Assembleia de Deus, frequentanda quase sempre três vezes na semana.

Dêga, Feira do Tomba

Dêga mora no Parque Tamandari, e busca suas mercadorias no Centro de Abastecimento. Vende melancia, pimenta, azeite de dendê, frutas, verduras, hortaliças e vários outros itens que oferece a quem passa perto de sua banca. O convite aos clientes é expresso com a naturalidade do feirante profissional, embora, na conversa olho a olho, fique claro um tanto de solidão e sisudez da mulher forjada pelo comércio.


Sobre o (a) autor (a):