Rio Jacuípe

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Fervura Feira Noise

Fervura Feira Noise antecipa o maior Festival de Artes Integradas da Bahia

O Feira Noise – Festival de Artes Integradas, anunciou oficialmente as datas da sua oitava edição, que acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, aqui em Feira. Apesar da programação do festival ainda não ter sido divulgada, o Feira Coletivo Cultural, produtora que assina o evento, realiza no próximo dia 7 de setembro a primeira edição do Fervura Feira Noise 2018, com a apresentação de grandes atrações a partir das 21h, no Jhonnie Club (Rua São Domingos). A banda feirense Sofie Jell se junta ao cantor e compositor Balaio, de Vitória da

2 iniciativas de policiamento em Feira que estão dando certo

Em todo o mundo, a forma mais adequada para medir o grau de violência de um grupo social é através do índice de homicídios, já que esse dado aponta justamente para a quantidade de lesões ao bem jurídico mais precioso, a vida. Por isso, ao analisar qualquer política de segurança pública deve-se prioritariamente questionar sobre a quantidade de pessoas que são mortas, em decorrência de causas externas.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, em 2014, Feira de Santana teve 348 homicídios dolosos, o que coloca o município num patamar bem acima da média nacional (enquanto a média nacional é de 25 homicídios por 100 mil habitantes, Feira chega a mais que o dobro, com cerca de 58 homicídios por 100 mil habitantes – considerados os números de 2014).

A boa notícia é que, em 2015, reduções significativas na quantidade de homicídios dolosos estão ocorrendo, a ponto de Feira poder alcançar a maior redução em todo o estado entre os grandes municípios baianos no final do corrente ano.

Obviamente, não se pode atribuir à ação policial todo o bônus (ou ônus) pelo aumento ou redução de crimes em uma sociedade, pois as dinâmicas que tornam uma sociedade mais violenta são complexas e multifatoriais. Mas há um papel importantíssimo exercido pela polícia, que, mantidos os demais fatores constantes, pode, sim, garantir a redução da violência em uma comunidade.

Neste artigo aponto para duas iniciativas que merecem destaque em Feira de Santana, tanto pelos resultados alcançados até aqui quanto pela eficiente utilização dos meios disponíveis. Me refiro às Bases Comunitárias de Segurança da Rua Nova e do George Américo, estruturas da Polícia Militar da Bahia que atuam pautadas na filosofia de Policiamento Comunitário.

Base Comunitária do George Américo

Base Comunitária do George Américo

A Base Comunitária do George Américo foi inaugurada em 27 de setembro de 2012, num contexto de altíssima violência local. Em 2011, o bairro tinha contabilizado 13 homicídios e 16 tentativas de homicídio. Em 2012, ano de instalação da Base, foram 14 homicídios e 16 tentativas de homicídio. (Lembrando que tentativas de homicídio possuem gravidade semelhante aos homicídios, pois não ceifam vidas humanas por circunstâncias alheias à vontade do autor do crime).

Em 2013, os trabalhos da Base começaram a ter positivos desdobramentos estatísticos: foram 5 homicídios e 3 tentativas de homicídio. Em 2014, um único homicídio foi contabilizado, e cinco tentativas de homicídio. Em 2015, até aqui, 4 homicídios ocorreram, mas as tentativas reduziram-se a duas.

Segundo o Capitão PM Ermillo Campos Lima, comandante da BCS-George Américo, o início do trabalho na Base esteve focado principalmente na identificação e prisão de suspeitos que atuavam na área, principalmente vinculados ao tráfico de drogas. Além do controle operacional da região, iniciou-se o trabalho de aproximação da comunidade, identificando demandas para orientação das ações.

Projeto BCS nas Escolas

Projeto BCS nas Escolas: a Sd PM Daniela Maria em atividade com alunos de escolas públicas.

Um dos destaques no trabalho da Base Comunitária do George Américo é o projeto “BCS nas Escolas”, uma iniciativa socioeducativa que leva policiais militares às escolas públicas, a fim de provocar a reflexão nos alunos, pais e educadores sobre temas como relações familiares, violência escolar, trânsito, cidadania, prevenção ao uso de drogas etc.

Uma das necessidades por que passa a BCS George Américo é o término da sede permanente, que ainda não foi inaugurada, podendo trazer mais conforto e estrutura para os policiais militares e uso da própria comunidade. As obras estão em andamento.

Base Comunitária da Rua Nova

Base Comunitária da Rua Nova

A Base Comunitária da Rua Nova foi inaugurada em 22 de setembro de 2014. Naquele ano, até a inauguração da Base, de 01 de janeiro a 21 de setembro, foram registrados 11 homicídios.

Em 2015, no mesmo período (1 de janeiro a 21 de setembro) foram contabilizados 3 homicídios. Desses três homicídios, dois foram passionais – homicídios que, tecnicamente, dificilmente são evitados a partir de ações policiais. Comparando os anos de 2014 e 2015 até a publicação deste artigo, temos a ocorrência de 12 homicídios em 2014 e 4 homicídios em 2015 (sendo três deles passionais).

Cap PM Espírito Santo e Sd PM Paulo Tarso no  evento "Talentos da Comunidade"

Cap PM Espírito Santo e Sd PM Paulo Tarso no evento “Talentos da Comunidade”

 

A BCS Rua Nova, que é comandada pelo Capitão PM Victor Espírito Santo, tem se destacado pelos inúmeros trabalhos de aproximação e empoderamento da comunidade. Seguem alguns deles:

  • Concurso de beleza Garota BCS (onde participam apenas jovens da comunidade);
  • Palestras e reuniões comunitárias;
  • Projeto Base Digital (aulas de informática para jovens da comunidade);
  • Ações e parcerias com organizações como o SESC, CRAS e CUFA.

Confira ações da BCS Rua Nova no Facebook!


Sobre o (a) autor (a):