As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

A poesia feirense na Festa Literária de Cachoeira

A Festa Literária de Cachoeira (Flica) já é um dos principais eventos literários do país, reunindo grandes nomes da literatura brasileira e internacional. Em 2015, a Festa terá sua 5ª edição, e já adquiriu uma exposição midiática bem ampla, a começar pelo lançamento do evento, ocorrido estrategicamente em Salvador.

Neste ano a Flica homenageia Antonio Torres, “o imortal brasileiro, orgulhosamente baiano, cosmopolita por vocação de berço e senso estético adquirido em longa e admirável trajetória”. Torres, que é membro da Academia Brasileira de Letras, estará na mesa de abertura do evento, junto com o jornalista Igor Gielow e o Secretário de Cultura da Bahia, Jorge Portugal.

Além da homenagem a Antonio Torres, a programação musical e a “Fliquinha” (atividades destinadas a crianças), teremos na Flica 3 poetas feirenses participando de mesas de debate, dando notoriedade à poesia feirense e às suas obras. Veja abaixo quem são os representantes de Feira de Santana na Flica 2015:

Silvério Duque

Silvério Duque

Mesa na Flica: Entre críticos, parvos e professores.

Quem é: Nascido em Feira de Santana (1978). Licenciado em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Além de poeta, é músico (clarinetista) e professor de Literatura Brasileira. Foi coordenador da Escola de Música da Sociedade Filarmônica Euterpe Feirense. Como crítico literário, escreve para vários jornais e revistas da Bahia e do Brasil. É autor dos livros de poesia “O crânio dos Peixes” (Ed MAC, 2002 ), “Baladas e outros aportes de viagem” (Edições Pirapuama, 2006 ), “A pele de Esaú” (Via Litterarum, 2010), “Ciranda de Sombras” (É Realizações, 2011) e “Do Coração dos malditos” (Mondrongo, 2013).

Roberval Pereyr

Roberval Pereyr

Mesa na Flica: Versos, diversos.

Quem é: Poeta, ficcionista, desenhista, compositor, ensaísta e editor. Nasceu na zona rural do município de Antônio Cardoso-BA. (antigo Umburanas), mas sempre esteve ligado a Feira de Santana/BA, onde passou a residir a partir de 1964. Professor da Universidade Estadual de Feira de Santana. Co-fundador da revista Hera – fundada em 1972 e saindo de circulação em 2005 –, que dirigiu, quase sempre em parceria, em quase todos os seus números. Fundador e diretor das editoras alternativas Tulle e Estrada.

Pereyr é ganhador de vários prêmios literários. Com o livro Mirantes, ganhou o prêmio de poesia da Academia de Letras da Bahia (2011), o Segundo Prêmio Brasília de Literatura (2014) e foi indicado ao Prêmio Portugal Telecom (2013). Tem poemas em antologias nacionais e estrangeiras. Entre seus livros, encontram-se: As roupas do nu, Ocidentais, O súbito cenário, Concerto de ilhas, Saguão de mitos, A unidade primordial da lírica moderna, Amálgama – Nas praias do avesso e Poesia anteriorAcordes, Mirantes e 110 poemas.

Clarissa Macedo

Clarissa Macedo

Mesa na Flica: Versos, diversos.

Quem é: Clarissa Macedo é natural de Salvador (BA) e reside em Feira de Santana/BA. Licenciada em Letras Vernáculas, mestre em Literatura e Diversidade Cultural e doutoranda em Literatura e Cultura, além de escritora, atua como revisora, professora, pesquisadora e produtora cultural. É autora de O trem vermelho que partiu das cinzas (2014) e de Na pata do cavalo há sete abismos, vencedor do Prêmio Nacional da Academia de Letras da Bahia/2014, já traduzido para o espanhol (Peru e Espanha) e com edição em processo também para a língua inglesa.

A Flica

A Flica ocorre de 14 a 18 de outubro de 2015, em Cachoeira-BA. Visite o site da festa e confira a programação geral do evento.


Sobre o (a) autor (a):