As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Poeta Zecalu lança campanha para seu primeiro livro (participe!)

A internet vem possibilitando aos artistas um novo cenário de divulgação dos seus trabalhos, independente das grandes editoras, gravadoras e galerias de arte. Uma das principais ferramentas nesse sentido é o financiamento coletivo, ou crowdfunding, que permite o financiamento de projetos (como a publicação de um livro) pelos internautas que acompanham o trabalho do artista. Em vez de precisar gastar para imprimir os livros e só depois vender ao público, o artista pode vender os livros antes de serem impressos, garantindo o envio aos colaboradores assim que o valor total da impressão for arrecadado.

É o que está fazendo o poeta José Luiz Guimarães Elpídio, o Zecalu, nascido em Feira de Santana, criado em Uauá, Sertão de Canudos, e residente em Feira atualmente. Foi em Uauá que recebeu de seu tio “Tércio”, o apelido Zecalu e teve os primeiros contatos com a poesia e a música, que mais tarde seriam umas das influências em seu trabalho de escrita e composição.

Zecalu recitando no bar "Jeca Total"

Zecalu recitando no bar “Jeca Total”

Pelos idos de 1994, lembra de ter escrito o que considera seu primeiro poema, num coletivo a caminho do colégio. Desde então, envolvido em gincanas culturais realizadas nos colégios e estimulado pelo Professor Marcus Moraes (in memoriam), passou a escrever textos para recitais e enquetes teatrais para apresentações em gincanas escolares. Começou, também, junto com colegas de escola, a compor músicas.

Em 1997, em virtude da aprovação no curso de Direito da Universidade Estadual de Santa Cruz, mudou-se para Ilhéus, onde, envolvido com o movimento político estudantil, passou a escrever de forma mais intensa e contínua músicas e poemas com inclinação para a temática política, com uma carga de protesto e denúncia.

Na UESC, participou do único concurso literário em que se inscreveu até hoje, promovido pelo Diretório Acadêmico de Letras, ficando em segundo lugar com o poema:

no lixo
eu
você
e um controle remoto.

Foi a sua primeira experiência com a linguagem poética intitulada como “poema curto”. A partir de então, foi inclinando-se para esse tipo de escrita e associando-a ao jogo de palavras e trocadilhos, num verdadeiro exercício de buscar dizer muita coisa em poucos versos, com um certo ritmo, fazendo dela sua mais característica maneira de escrever, sem, no entanto, deixar de praticar outras formas de poesia, a exemplo daquelas baseadas no gênero da literatura do cordel e dos causos sertanejos.

O primeiro livro do poeta Zecalu

meio poema basta!” é a idealização de um projeto do poeta Zecalu de lançar o seu primeiro livro com poemas, em formato curto, associados a imagens, um dos estilos do seu trabalho com poesia, o qual ele difunde através das redes sociais.

Poema curto, na verdade, são aqueles que tanto podem ter uma identidade formal, a exemplo dos haicais, que obedecem o formato de três versos, como identidade formal nenhuma e assim serem intitulados por transmitirem uma mensagem de forma rápida, em poucos versos.

O que se pretende com “meio poema basta!” é mostrar que a poesia, mesmo em poucas palavras, pode nos dizer muita coisa e, quando associada a alguma imagem, ganhar uma dimensão ainda maior de efeito reflexivo, o que o poeta Zecalu entende que seja a principal função poética: fazer pensar, refletir de alguma forma.

Poeta Zecalu

 

Para conseguir realizar o sonho do seu primeiro livro no formato e conteúdo desejados, Zecalu está com uma campanha de financiamento coletivo, através da qual os colaboradores adquirem cotas, recebendo recompensas em contrapartida: o próprio livro e mais canecas, camisas e quadros estilizados com poemas.

Se quiser ver poemas de Zecalu acesse o Facebook (www.facebook.com/poetazecalu) ou o instagram: @zecalu. Para aderir à campanha, que estará no ar até 26 de dezembro, acesse a página www.catarse.me/meiopoemabasta.

Grande oportunidade para prestigiar um artista da terra e fortalecer a cultura da arte independente em Feira de Santana!

 


Sobre o (a) autor (a):