Rio Jacuípe

IPTU em Feira de Santana

IPTU 2019 e Lixeira Improvisada no Tomba – Feira (A)notada

Nota Pública do PT de Feira “Milhares de mulheres, crianças, idosos, homens, necessitam todo mês de exames específicos e não conseguem, nos postos de saúde faltam equipamentos e até materiais de curativos”, diz parte da nota emitida pela Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores de Feira de Santana, sobre a denúncia do Ministério Público Estadual contra o ex-prefeito José Ronaldo, a Secretária Municipal de Saúde e o Procurador Municipal. Banco lixeira na Praça do Tomba Um cidadão encontrou uma lixeira improvisada por populares em um banco (quebrado) na Praça do Tomba. Segundo Rogério Leandro, autor da denúncia nas redes sociais,

José Ronaldo e Denise Mascarenhas

Justiça aceita denúncia contra Ex-Prefeito e Secretária de Saúde – Feira (A)notada

Governador Rui Costa em Feira O governador Rui Costa esteve na manhã desta sexta-feira, 11, em Feira de Santana para a assinatura da ordem de serviço para Construção do novo Hospital Geral Clériston Andrade – HGCA 2. Logo cedo concedeu entrevista coletiva à imprensa respondendo sobre diversos assuntos relacionados ao município. Embasa O governador garantiu um investimento em torno de 500 milhões de reais da Embasa no município para construção de uma nova estação de tratamento, uma nova adutora da barragem através de PPP (Parceria Público-Privada). Lagoa Grande O governador disse que a única coisa que falta para concluir a

Quixabeira da Matinha em Portugal

O novo CD ao vivo da Quixabeira da Matinha [2019]

Está no Youtube o novo CD da Quixabeira da Matinha, um trabalho promocional gravado na Associação cultural Coleirinho da Bahia no dia 25 de novembro, dia municipal do samba de roda: O disco da Quixabeira também está disponível para download no site “Sua Música”.

MP-BA denuncia superfaturamento na saúde de Feira

MP-BA denuncia superfaturamento na Saúde de Feira – Feira (A)notada

Operação Pityocampa: MP denuncia 11 pessoas por organização criminosa e lavagem de dinheiro O Ministério Público estadual denunciou onze pessoas por crimes de organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro cometida em um esquema fraudulento de licitações e superfaturamento de contratos celebrados pela Coofsaúde Cooperativa de Trabalho, com a Prefeitura de Feira de Santana. O esquema foi desarticulado pela “Operação Pityocampa”, realizada no último dia 18 de dezembro. A denúncia foi oferecida à Justiça no último dia 27. O MP também pediu a decretação de prisão preventiva dos denunciados, pedido acatado pela Justiça na mesma data. Superfaturamento Ainda conforme a

Um estranho no ninho

Um estranho no ninho…

Políticos na expectativa A demora para o anúncio do novo secretariado do Governador Rui Costa (PT) tem deixado muita gente apreensiva. Em Feira de Santana, a expectativa é sobre que espaço o deputado estadual – não reeleito – Carlos Geilson vai ocupar no Governo, já que o petista prometeu um “espaço do tamanho de Feira de Santana” ao seu mais novo aliado. Quem também aguarda uma definição é o deputado Angelo Almeida (PSB). Apesar da excelente votação, o socialista ficou na 2ª suplência e vive a expectativa do anúncio dos secretários para saber se continua ocupando uma cadeira na Assembleia

A grande adesão da população feirense aos planos de saúde privados

É recorrente a reclamação dos brasileiros acerca da qualidade dos serviços públicos prestados ao cidadão, principalmente em áreas que são imprescindíveis para manter um patamar mínimo de sobrevivência, como a saúde, educação e segurança pública. Em muitos casos, além de pagar pelos impostos que obrigam o Estado a dar o devido retorno com a assistência necessária, muita gente decide destinar parte da sua renda para pagar por serviços privados, tentando evitar os transtornos que podem custar muito (até a vida), caso a única alternativa seja o serviço público.

É o caso de 117.338 beneficiários de planos de saúde particulares em Feira de Santana, que decidiram bancar do próprio bolso pelo menos parte dos serviços de saúde que teriam direito a usufruir, caso não houvessem precariedades na assistência dada pelo poder público. Esse número indica que, de cada seis feirenses, um é beneficiário de plano de saúde.

Os dados são da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que aponta um crescimento vertiginoso na busca por planos de saúde privados no município entre o ano 2000 (ano mais antigo que a Agência fornece os dados) e 2016:

Beneficiários de plano de saúde em Feira de Santana

Isso significa que, entre 2000 e 2016, Feira teve um crescimento de 162% na quantidade de beneficiários de plano de saúde. No mesmo período, de acordo com o IBGE, a população feirense cresceu 29%.

Comparando com o Brasil e com a Bahia, o crescimento em Feira de Santana é significativamente maior:

Comparativo de beneficiários de Plano de Saúde

O que dizem os gestores

Denise Mascarenhas e José Carlos Pitangueira

A Secretária Municipal de Saúde e o Diretor do Hospital Clériston Andrade – Foto: Gilson Gonçalves

Apresentamos esses números a alguns gestores e analistas de saúde pública em Feira de Santana, para obtermos algum esclarecimento sobre o que eles apontam. O Diretor do Hospital Clériston Andrade (gerido pelo Governo do Estado), José Carlos Pitangueira, contesta os dados: “Esses dados fornecidos pela ANS não conferem com o crescimento no número de pacientes que recebemos todos os dias, muito pelo contrário, temos uma demanda muito grande, e não necessariamente de pessoas de renda baixa, mas também atendemos empresários e pessoas de posses que procuram unidades públicas de saúde”.

Segundo ele, a grande procura pelo Clériston se deve “à falta de suporte necessário das operadoras de planos de saúde na cidade, principalmente pela quantidade de hospitais particulares oferecidos a essa quantidade de demandatários de planos”.

Já a Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, aponta que muitas vezes as pessoas contratam um plano de saúde particular somente pelo fato de pagar uma quantia irrisória para consultas, mas na maioria das vezes procuram as unidades do município, principalmente quando as questões são relacionadas a exames e procedimentos: “os dados fornecidos vão de encontro à demanda que temos todos os dias em nossas policlínicas e postos de saúde. Se existe um crescimento tamanho na quantidade de pessoas aderindo aos planos de saúde na cidade, consequentemente, o número de pessoas procurando as unidades de saúde iria diminuir, e isso não acontece. O motivo desse crescimento deve estar relacionado às marcações de consultas por valores irrisórios, e as pessoas que procuraram o SUS não querem esperar, e acham mais fácil fazer uma consulta pagando 20 reais e realizar os exames e procedimentos necessários desta forma. Então esse crescimento não é relevante em nossa cidade”, destaca.

Os números da Agência Nacional de Saúde Completar agregam todos os tipos de planos de saúde de assistência médica, exceto planos dentários, que atuam em Feira, independentemente da sede da prestadora. Visitamos um plano de saúde feirense, que apontou o nicho infantil como a principal procura na cidade: “A situação econômica que se encontra nosso país fez com que as demandas de conveniados diminuísse, contudo, ainda assim, as pessoas que procuram planos para crianças é sempre crescente. As pessoas reclamam quanto à demora nas marcações das consultas e do quadro de profissionais nas urgências e emergências”, diz a diretora do plano, que não quis ser identificada.

Por que aderir a um plano de saúde?

Professora Silvone Santa Bárbara

A Diretora do Departamento de Saúde da UEFS. Foto: Gilson Gonçalves

A pedagoga feirense Ramona Souza conta que procurou fazer um plano de saúde para sua filha de dois anos pela demora nas marcações de consultas: “Gosto de fazer o acompanhamento mensal de minha filha no tempo certo, e sei que isso não seria possível pela rede pública. Então aderi a um plano para não necessitar passar por essa questões. Existem fatores negativos, mas para o meu objetivo é valido, e atende o meu interesse”.

A empresária Valeria Azevedo disse ao Feirenses que a saúde é uma necessidade básica, e ela sempre priorizou o atendimento selecionado e especializado, coisa que não se encontra com facilidade no SUS. “Sei que muitas vezes encontrar algum tipo de especialista demora um pouco, mas, no geral, encontro mais rápido do que se fosse num posto de saúde. Acho válido o trabalho do SUS, porém, eu sempre tive e usei com frequência meu plano de saúde e hoje não me vejo usando um sistema pelo qual é notória a falta de sensibilidade em alguns casos”.

Com Doutorado em Enfermagem e especializações em Saúde Pública e Administração Hospitalar, a Diretora do Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Silvone Santa Bárbara da Silva, aponta que os planos de saúde populares tiveram, de fato, um aumento significativo na quantidade de beneficiários nos últimos anos, mas lembra que o SUS ainda é indispensável: “O Ministro (da Saúde) Carlos Barros, em uma recente entrevista, defendeu os planos populares, mas as colocações dele vão de encontro com o trabalho desenvolvido pelos planos de saúde, que muitas vezes não oferecem ao paciente o cuidado necessário”.

Segundo ela, no cenário onde boa parte da população busca os planos de saúde, é necessário ressaltar a importância da Saúde Pública: “A crise econômica de nosso país também não permite que os cidadãos utilizem um plano mais completo. Posso afirmar que esse crescimento considerável em Feira de Santana pode se dar no leque de planos populares que existem, mas mesmo assim não diminuiu o fato de que 95% de cirurgias cardíacas realizadas hoje em nossa cidade são através do SUS”.

“É porque quando pensamos em saúde, pensamos muito na consulta, mas o SUS é algo mais amplo. Ele precisa ser melhorado, aperfeiçoado, mas também temos que dar a mão à palmatória e afirmar que é um sistema que busca e consegue fazer o melhor em muitos casos.”, diz ela, e alerta: “não são os planos de saúde que irão melhorar a atenção à saúde da população”.


Sobre o (a) autor (a):