As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

O que diz o Plano de Cultura aprovado em Feira de Santana

Os últimos meses foram agitados para os que acompanham os desdobramentos políticos do setor cultural em Feira de Santana: ativistas, artistas e militantes da área de cultura fizeram extensa peregrinação à Câmara de Vereadores buscando a aprovação do Plano Municipal de Cultura, um documento produzido a várias mãos, traçando diagnósticos e a condução geral da política municipal de cultura.

O Plano é uma cobrança antiga do segmento, que busca mais transparência, organização e legitimidade nas ações culturais no município. Participaram da discussão para a definição do conteúdo do Plano a Prefeitura Municipal de Feira de Santana, através da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer e o Conselho Municipal de Cultura, integrado por representantes da sociedade e do Poder Público. Além disso, boa parte da militância em prol da aprovação do Plano foi organizada pelo Fórum Permanente de Cultura de Feira de Santana, um coletivo mais amplo que acompanhou de perto a tramitação do projeto.

Neste artigo vamos compreender alguns dos tópicos trazidos pelo Plano de Cultura, que tem vigência até o ano de 2025. No final do texto, você poderá baixar o Plano Municipal de Cultura na íntegra:

Pontos de mudança na Política Cultural

O Plano de Cultura define alguns pontos para qualificar a Política Cultural de Feira. São eles:

  • Implementar um modelo de gestão moderna, transparente e democrática;
  • Viabilizar uma política cultural ampliada e integrada, inclusive com demais órgãos municipais para ações transversais;
  • Dar visibilidade, estimular e valorizar a produção cultural local;
  • Estimular, através da cultura, o exercício da cidadania e da autoestima dos feirenses, especialmente dando aos jovens uma perspectiva de futuro com dignidade.

As diretrizes do Plano de Cultura

As diretrizes definidas no Plano, são:

  1. Reconhecer a cultura como elemento fundamental para o desenvolvimento social e econômico.
  2. Respeitar a diversidade de pensamento e das manifestações culturais.
  3. Mapear e disponibilizar através de banco de dados toda a produção artístico cultural e seus respectivos agentes na cidade.
  4. Democratizar o acesso aos bens culturais produzidos dentro e fora do município dando enfoque à diversidade cultural.
  5. Fomentar políticas públicas transversais de cultura relacionadas a partir das dimensões: simbólica, cidadã e econômica.
  6. Formar e qualificar educadores, gestores e agentes culturais;
  7. Fomentar a cultura local em seus diversos segmentos através da criação de editais públicos e de festivais.
  8. Valorizar, promover e difundir a diversidade cultural enquanto traço identitario do município.
  9. Realizar reforma administrativa nos órgãos municipais de gestão cultural.
  10. Garantir a memória das tradições locais com a inserção dos saberes e fazeres locais nos programas de formação do município.

As prioridades do Plano de Cultura

As seguintes prioridades ficam estabelecidas:

  1. Incentivo a formação e a capacitação dos agentes atuantes na área de cultura;
  2. Valorização da interculturalidade, da pluralidade e da diversidade de pensamento;
  3. Valorização dos agentes culturais;
  4. Valorização das identidades, Patrimônio Material, Imaterial e Natural e memórias do município;
  5. Consolidação dos espaços culturais enquanto centros para fomento, difusão e circulação das manifestações e produtos culturais;
  6. Consolidação e implementação do Sistema Municipal de Cultura como instrumento de gestão, informação, fomento e promoção de políticas públicas de cultura;
  7. Cooperação entre os entes federados e entre os agentes públicos e privados para ampliação dos investimentos e desenvolvimento da cultura local;
  8. Criação de políticas públicas para o incentivo e desenvolvimento das cadeias produtivas da cultura;
  9. Construção da identificação entre os cidadãos feirenses e a cidade a partir da ressignificação de referenciais históricos;
  10. Registro, arquivamento e divulgação de ações relacionadas a cultura em Feira de Santana.

Algumas metas para o setor cultural nos próximos anos

O Plano define metas a serem alcanças no campo da Cultura feirense. Veja algumas delas:

  • 100% de gestores, educadores, artistas, agentes culturais, funcionários da SECEL e FUNTITEC e demais interessados formados nas diversas modalidades da cultura, 100% de estudantes da rede pública municipal inseridos em programas e em atividades culturais.
  • Aumentar em 100% a captação de recursos via convênios e/ou editais para suprimento do Fundo de Cultura, envolver no mínimo 50 empresas com potencial patrocinador da cultura local.
  • 100% dos espaços culturais existentes modernizados e dinamizados, aumento em 50% a contratação de técnicos e equipe administrativa, 15 equipamentos públicos para uso cultural adequados até 2025, 01 espaço cultural de grande porte construído até 2022.
  • 100% dos(as) mestres de cultura popular inseridos em programas de formação local, 100% de manifestações culturais tradicionais, de cultura popular e de orientação sexual valorizadas, 100% das leis existentes para proteção da cultura popular aplicadas.
  • 100% das ações culturais amplamente divulgadas e disponíveis a comunidade por meio de rádio, TV, internet e impressos, além da confecção de 5000 agendas culturais distribuídas anualmente.
  • Reorganização administrativa da área da cultura implantada até 2016, institucionalizar o Sistema Municipal de Fomento, Financiamento e Incentivo até 2016, 08 ações realizadas anualmente por meio de acordos de cooperação mútua com outros setores da administração municipal e regional, aumentar 10% do quadro de funcionários técnicos através de concursos públicos.
  • 50% de grupos e formalizados, 10 fóruns setoriais presenciais realizados até 2025.
  • 06 Pontos de Cultura implantados no município até 2020, 100% das escolas municipais com a disciplina de Arte no currículo regular com ênfase na cultura local, linguagens artísticas e patrimônio cultural.
  • Até 2017 ter todos os marcos legais regulamentados e aumentar progressivamente o percentual reservado para a cultura, atingindo até o final da vigência do Plano um mínimo de 3% do orçamento municipal.
  • Aumento no mínimo de 50% nas atividades de difusão cultural em intercâmbio intermunicipal, estadual, nacional e internacional até a vigência do Plano Municipal de Cultura.
  • 04 mostras artística-culturais a cada semestre, em 05 bairros e em 02 distritos, 100% das escolas municipais localizadas em bairros periféricos e distritos utilizados como pontos de inclusão digital e equipamentos culturais.
  • Sistema Municipal de Informações e Indicadores Culturais criado e implantado até 2020 e alimentando o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais, com permanente atualização.
  • Alocar 20% dos recursos oriundos do FCBA para apoiar as áreas de Artes Cênicas e fomentar a criação/manutenção de companhias nas modalidades de teatro, dança, circo, filarmônica e fanfarra.
  • 03 reuniões públicas do PPA participativo para a cultura realizadas nos anos de 2016, 2020, 2024, Conferências Municipais de Cultura realizadas em 2015, 2017, 2019, 2021 e 2023.
  • 100% dos Patrimônios Materiais tombados e preservados, 10 ações de pesquisa a valorização da memória implantadas até 2017 e mantidas durante toda a vigência do Plano.
  • Aumentar em 20% a média de livros lidos em Feira de Santana, 12 publicações anuais e 10 ações destinadas ao fomento do livro e a leitura realizadas até a vigência do plano, 50% de novos autores divulgados e reconhecidos.

Clique aqui e baixe o Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana na íntegra, em PDF, ou veja a seguir:

 

 


Sobre o (a) autor (a):