Rio Jacuípe

IPTU em Feira de Santana

IPTU 2019 e Lixeira Improvisada no Tomba – Feira (A)notada

Nota Pública do PT de Feira “Milhares de mulheres, crianças, idosos, homens, necessitam todo mês de exames específicos e não conseguem, nos postos de saúde faltam equipamentos e até materiais de curativos”, diz parte da nota emitida pela Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores de Feira de Santana, sobre a denúncia do Ministério Público Estadual contra o ex-prefeito José Ronaldo, a Secretária Municipal de Saúde e o Procurador Municipal. Banco lixeira na Praça do Tomba Um cidadão encontrou uma lixeira improvisada por populares em um banco (quebrado) na Praça do Tomba. Segundo Rogério Leandro, autor da denúncia nas redes sociais,

José Ronaldo e Denise Mascarenhas

Justiça aceita denúncia contra Ex-Prefeito e Secretária de Saúde – Feira (A)notada

Governador Rui Costa em Feira O governador Rui Costa esteve na manhã desta sexta-feira, 11, em Feira de Santana para a assinatura da ordem de serviço para Construção do novo Hospital Geral Clériston Andrade – HGCA 2. Logo cedo concedeu entrevista coletiva à imprensa respondendo sobre diversos assuntos relacionados ao município. Embasa O governador garantiu um investimento em torno de 500 milhões de reais da Embasa no município para construção de uma nova estação de tratamento, uma nova adutora da barragem através de PPP (Parceria Público-Privada). Lagoa Grande O governador disse que a única coisa que falta para concluir a

Quixabeira da Matinha em Portugal

O novo CD ao vivo da Quixabeira da Matinha [2019]

Está no Youtube o novo CD da Quixabeira da Matinha, um trabalho promocional gravado na Associação cultural Coleirinho da Bahia no dia 25 de novembro, dia municipal do samba de roda: O disco da Quixabeira também está disponível para download no site “Sua Música”.

MP-BA denuncia superfaturamento na saúde de Feira

MP-BA denuncia superfaturamento na Saúde de Feira – Feira (A)notada

Operação Pityocampa: MP denuncia 11 pessoas por organização criminosa e lavagem de dinheiro O Ministério Público estadual denunciou onze pessoas por crimes de organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro cometida em um esquema fraudulento de licitações e superfaturamento de contratos celebrados pela Coofsaúde Cooperativa de Trabalho, com a Prefeitura de Feira de Santana. O esquema foi desarticulado pela “Operação Pityocampa”, realizada no último dia 18 de dezembro. A denúncia foi oferecida à Justiça no último dia 27. O MP também pediu a decretação de prisão preventiva dos denunciados, pedido acatado pela Justiça na mesma data. Superfaturamento Ainda conforme a

Um estranho no ninho

Um estranho no ninho…

Políticos na expectativa A demora para o anúncio do novo secretariado do Governador Rui Costa (PT) tem deixado muita gente apreensiva. Em Feira de Santana, a expectativa é sobre que espaço o deputado estadual – não reeleito – Carlos Geilson vai ocupar no Governo, já que o petista prometeu um “espaço do tamanho de Feira de Santana” ao seu mais novo aliado. Quem também aguarda uma definição é o deputado Angelo Almeida (PSB). Apesar da excelente votação, o socialista ficou na 2ª suplência e vive a expectativa do anúncio dos secretários para saber se continua ocupando uma cadeira na Assembleia

Poeta Patrice de Moraes lança obras em homenagem à Bahia

João Patrice de Moraes é professor, licenciado em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Nesta quinta (10), estará lançando, no Museu de Arte Contemporânea de Feira de Santana, o projeto lítero-musical “Minha Bahia”, trabalho surgido do amor que seu idealizador nutre pelo seu estado. Essa atmosfera artística é constatada através do livro de poemas chamado Minha Bahia e do CD homônimo, contendo cinco canções – compostas por Patrice e interpretadas pela cantora Uendsa.

O livro é dividido em três partes: na primeira, Patrice nos apresenta poemas que, em seu conteúdo, caracterizam, de uma ou de outra forma, o seu estado: a influência da raça negra na formação da Bahia (Somos você); sua culinária (Acarajé); a linguagem peculiar do baiano (Ó o auê aí, ó); “cantos” sagrados, referência do estado (Ela, sagrada); seus souvenirs (Do Bonfim, a fitinha); e até um poema concreto sob influência da virtuosa musicalidade latente na Bahia.

A segunda parte é formada por poemas dedicados a personalidades baianas (quase todas músicos, cantores e compositores por quem Patrice tem grande admiração, mas sobretudo por serem baianos que amam o seu estado e fazem questão de divulgar esse amor). Excetua-se apenas o poema dedicado ao cantor e compositor alagoano Djavan, único não-baiano presente nesta segunda parte.

A terceira e última parte é formada pelo poema que dá nome ao livro, Minha Bahia, onde são focados temas como a religiosidade do baiano, a superação de seus sofrimentos através da fé, a alegria diferenciada que o baiano possui, seu otimismo, sua musicalidade. Enfim, esta parte enfatiza, de Curaçá a Mucuri, de Jandaíra a Formosa do Rio Preto, a singularidade da Bahia.

Podemos destacar, ainda nessa terceira parte, não uma novidade, mas uma inovação nela presente: o poema é constituído por quinze partes. As quatorze primeiras possuem, cada uma, quatorze estrofes de quarto versos que são finalizados com um estrambote. Esses estrambotes unem-se para, inequivocadamente, formar o soneto que comporá a XV parte.

Com relação à atmosfera musical, temos o CD Minha Bahia, composto por cinco canções: Minha Bahia, Cinco Letras, Amarei Berimbau, Oxente e Bahia Que… Todas em ritmos de samba (afinal, o samba nasceu na Bahia), e interpretadas pela cantora, e finalista do Festival Vozes da Terra, Uendsa.

Abre o CD a canção Minha Bahia, onde Patrice expõe o orgulho que tem de ser baiano, além de citar “eventos” que caracterizam o estado, recitando, ao final, o soneto que compõe a XV parte do poema Minha Bahia. Cinco Letras nos mostra como surgiu o amor de Patrice pelo seu estado (a letra dessa canção, inclusive, compõe a nota introdutória que Patrice atesta no livro). Amarei Berimbau revela outro amor de Patrice: sua cidade natal ― Berimbau, oficialmente conhecida como Conceição do Jacuípe. A quarta canção chama-se Oxente, que leva a marca da descontração e da surpresa: um baiano que não come pimenta nem sai atrás do trio. Fecha o CD a canção Bahia Que…; um samba de roda do recôncavo que trata de certas particularidades que a Bahia possui, inspirada no berço desse ritmo, Santo Amaro da Purificação.

“Minha Bahia” é, portanto, um projeto carregado de uma verdade, de uma paixão, de um amor comum apenas àqueles que se entregam de corpo e alma ao espírito da arte, ao espírito da vida. E por que não dizer, ao espírito de si mesmo?

Recapitulando…

O quê: lançamento do livro e CD “Minha Bahia”.

Quando: 10 de novembro (quinta), às 19h.

Onde: Museu de Arte Contemporânea (MAC).


Sobre o (a) autor (a):