As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

O “pagotrance”, e muito mais, do feirense Lerry

Feira de Santana é uma cidade de encontros e passagens, e dela não é conveniente exigir muitas fixações. Aqui somos o Forró, o Samba, o Axé, o Jazz, Techno… uma diversidade de cores, ritmos, nichos e manifestações. Essa abertura traz o risco do bizarro (e ele se manifesta aqui e ali), mas é um espaço único para a explosão do criativo com múltiplos referenciais. É assim que podemos compreender iniciativas feirenses brilhantes como Uyatã Rayra e a Ira de Rá, a Africania, o Clube de Patifes e o Roça Sound (entre outras).

Todos são da Feira que vai e vem, com ruídos de pechincha, aboios de vaqueiro e ranger de dentes de carros possantes. Uma miscelânea de sentidos que não é possível cristalizar em um único conceito. Ao tempo em que esses artistas são filhos desse universo, ajudam-nos a compreendê-lo melhor, em suas mutações e adaptações.

Entra nessa constelação o novo disco do multi-instrumentista e produtor musical feirense Lerry, que será lançado no próximo dia 24 de fevereiro (sexta-feira), em pleno Carnaval.

Influenciado pelos mais diversos tipos de música, tais como Reggae, Pagodão, Trap, Metal, Jazz, entre outros, Lerry especializou-se no gênero eletrônico Psytrance, quando em 2014 passou a assinar pela gravadora Olotropo Records, uma referência do estilo no Brasil.

Lerry

Lerry diz que, por sua natureza inquieta, sente necessidade de expressar sua musicalidade de uma forma livre, sem se prender a rótulos ou a um único estilo, por isso adotou o nome de Lerry (no lugar do nome de batismo, Pedro Lucas), buscando unir elementos das distintas influências, vivências musicais e experiências acumuladas ao longo de sua vida, além de fazer parceria com diversos artistas.

Lerry conseguiu enxergar o potencial da união de estilos musicais com grande inserção na Bahia, sobretudo entre os jovens – o popular “Pagodão”, com o Psytrance ou Transe Psicodélico. O resultado dessa pesquisa atenta foi o nascimento do que ele chama de “Pagotrance”.

O disco TaBatenu

TaBatenu - Lerry

O primeiro disco de Lerry é surpreendente. Uma manifestação do espírito da nova geração da música baiana, que vai conquistando o Brasil através de iniciativas como o Baiana System, do também feirense, Russo Passapusso.

TaBatenu busca tecer uma conexão e estabelecer uma importante permuta multicultural entre a riqueza musical presente nas manifestações populares do nosso estado, com destaque para os ritmos percussivos, em diálogo com gêneros musicais do Brasil e do Mundo, a exemplo do Hip Hop, Trap e Rock.

Formado por 6 faixas, conta com a participação de artistas baianos de diferentes gêneros musicais, utilizando recursos da música eletrônica, que tem lugar privilegiado no processo de composição, causando um elo sonoro entre o ancestral e o tecnológico.

Neste EP Lerry destaca a difusão do “Pagotrance”, perspectiva que busca romper com uma visão preconceituosa, observada em algumas concepções musicais e ainda estimula os jovens a conhecerem suas raízes culturais, sem perder de vista o que está sendo produzido atualmente no mundo.

Aqui no Feirenses, gostamos muito do que ouvimos antecipadamente. Na próxima sexta, 24, publicaremos aqui no site os links para o TaBatenu. Até lá!

Tags:

Sobre o (a) autor (a):