As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Na pata do cavalo há sete abismos – Clarissa Macedo

Clarissa Macedo faz parte de uma geração de artistas feirenses que escolheu a rua para proclamar sua arte: “A Academia me alimenta, mas a rua me seduz”, disse ela ao Feirenses quando tratamos do seu livro “Na pata do cavalo há sete abismos“, que será lançado no próximo dia 20 de setembro (domingo).


Sete abismos
Clarissa Macedo

A alma relincha
na estrebaria.

Macho de cavalo
que galopa trovas
do pensamento,
engole as águas
de pasto e de feno.

Há terror nos ventos
do cavalo magoado,
que perdido rompe,
alado, as trincheiras
e cai como anjo
de tormento.

Há éguas rondando
pratos de esquecimento.

Há rodas e correias
na carruagem violenta.

Naquela crina
de ferraduras negras
um cavalo
de patas ralas:

Os sete abismos da vida.


Clarissa escolheu lançar a obra no Beco da Energia, lugar que tem sido palco de intervenções inéditas na cidade, reunindo várias formas de expressão artísticas: “Eu buscava um lugar que pudesse aliar um público bem diverso. Não queria bar, nem museu. Queria comunidade, galera, gente de todos os lados. Na primeira visita que fiz ao beco, a ideia me pareceu fantástica. E dia 20 se concretizará um espaço multi, com exposições, música, comida, gente de tudo que é lado e, claro, a poesia”.

“Mas meus cavalos trotam soltos pelas ondas de meus pensamentos e de minha caneta.”

Ela nasceu em Salvador, mas mora em Feira de Santana, onde se licenciou em Letras Vernáculas e fez mestrado em Literatura e Diversidade Cultural pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). “Na pata do cavalo há sete abismos” é vencedor do Prêmio Nacional Academia de Letras da Bahia de Literatura (2013).

Clarissa Macedo no Beco da Energia. Foto: Facebook/Clarissa

Clarissa Macedo no Beco da Energia, onde lançará seu livro. Foto: Facebook/Clarissa

 

Mas, por que o cavalo? Clarissa explica, mostrando que a obra apresentou-se de galope: “Eu já vinha preparando de forma inconsciente este trabalho há algum tempo. O livro só se formata em definitivo, entretanto, quando, na última hora, decido inscrever-me na premiação (Prêmio Nacional da Academia de Letras da Bahia) que, mais tarde, permitiria sua publicação. Sou fascinada por algumas figurações. Uma destas é o cavalo. Animal icônico, que representa força, doçura e sensualidade, o cavalo revestiu-se em minha poesia de um simbolismo que precisaria de muito tempo para explicar. Quando, em maio do ano passado “começo” a compor o livro, tenho apenas 14 poemas que desejaria que estivessem na compilação pretendida. Num rompante de algumas horas, escrevo 36. Aproveito 34. Em dois dias, escrevo mais dois. Chego ao número de 50 poemas e ao conjunto almejado para “Na pata do cavalo há sete abismos” – título que me surgiu também de súbito (a criação é este instante de epifania torta).


O gesto da criação
Clarissa Macedo

Na trama das melodias que calam
dos versos que fogem no bando
crava-se a flecha de um sintoma.

Ao romper signos, penetrar espantos,
longe de escrever as núpcias,
engasgo num rio de dúvidas
e pereço… só a palavra é cúmplice
do que enlouqueço.


A autora revela com carinho o que “seus cavalos” representam: “O significado do livro, não só pela premiação que tem me trazido tanto, mas pelo nível de maturidade e acabamento que consegui, marca um paradigma estético-teórico em meu trabalho recente, que só agora começo a delinear. Estou escrevendo outros textos. Mas meus cavalos trotam soltos pelas ondas de meus pensamentos e de minha caneta. Há muito ainda para eu conquistar; muito para crescer e amadurecer. Mas este livro me deixa feliz, e contempla uma face interessante de meu trajeto em poema”.

Recapitulando…

O quê: Lançamento do livro “Na pata do cavalo há sete abismos”, de Clarissa Macedo.

Quando: 20 de setembro, a partir das 08h.

Onde: Beco da Energia (centro).


Os poemas inseridos no texto integram o livro, que você pode adquirir no site da editora 7letras.


Sobre o (a) autor (a):