Rio Jacuípe

Alcina Dantas

Alcina Gomes Dantas: a primeira mulher radialista de Feira

É indiscutível a tradição do radiojornalismo em Feira de Santana, que há décadas leva entretenimento, informação e cultura aos feirenses através das diversas emissoras na cidade. Na história do rádio feirense, é fundamental destacar a importância de Alcina Gomes Dutra, a primeira mulher radialista de Feira de Santana. Nascida em Itaberaba, em 30 de setembro de 1895, Alcina aprendeu música e canto com o pai, Roberto Lídio Dantas. Tocava piano, violino e violão. Com sua veia artística, fundou o programa radiofônico “Brasil de Amanhã”, na Rádio Cultura, que objetivava descobrir talentos musicais adultos e infantis. A escritora Neuza de Brito

Feira Noise Festival 2018

A programação completa do Feira Noise Festival 2018

O Feira Noise Festival divulgou as atrações que se apresentarão em sua oitava edição. O evento acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, em Feira de Santana (BA). Mais de 30 bandas e artistas estão confirmados, entre eles importantes nomes da música brasileira contemporânea como Attoxxa, Boogarins, Drik Barbosa, Eddie, Letrux e Scalene. Da cena local, se destacam nomes como Iorigun, Roça Sound e Clube de Patifes. “O Feira Noise é um sonho que a gente realiza por etapas, ano a ano vamos trazendo atrações que tem uma história mais longa na

Quixabeira da Matinha em Portugal

Quixabeira da Matinha realizará apresentação em Lisboa

O grupo cultural Quixabeira da Matinha estará entre os dias 25 e 27 de outubro, em Oeiras, divisão administrativa de Lisboa, Portugal, realizando apresentações no evento “Semana Cultural da Bahia”, organizado pela Associação Luso Afro Cultural Brasileira Muxima. Dentre as atividades previstas estão o show temático “Quilombo, luta e resistência”, a ser apresentado com cerca de 2 horas de duração, com repertório próprio e homenageando outros artistas da cultura popular. Além disso, os integrantes também realizarão oficinas de samba de roda e de percussão a fim de popularizar ao público português a identidade musical do samba rural. A Quixabeira da

O golpista da Kalilândia

O golpista da Kalilândia

Era noite de 8 de maio de 1964 em Feira de Santana, sexta-feira. Num dia comum, àquela hora, quase meia-noite, Raimundo já teria vestido o pijama listrado e colocado cuidadosamente os chinelos no centro da lateral direita da cama – parte do rigoroso método que cumpria antes de dormir. Naquela sexta, o entusiasmo permitia-lhe descumprir o costume e sentir o fervor da vitória, um passo veemente de Feira rumo à civilização. A comemoração de Raimundo consistia em limpar cuidadosamente o Smith & Wesson herdado do avô. Um ato fora de hora, extraordinário, já que o fazia diariamente pela manhã, antes do

Coreto da Praça Froes da Motta

Coreto da Froes da Motta vai completar 100 anos

Depois de construir o casarão que hoje abriga a Fundação Cultural Egberto Costa, em 1902, o intendente Agostinho Froes da Motta determinou, em 1919, a construção do coreto na atual praça Froes da Motta. Até hoje a construção subsiste, contracenando com as palmeiras imperiais que vão, aos poucos, morrendo, e com os oitizeiros frondosos que abrigam incontáveis pardais que chilreiam de maneira incessante nos inícios de manhã e fins de tarde. Ano que vem – vale ressaltar – o coreto completa um século. A descrição do equipamento está em publicação do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, o

A música regional do nordeste em 5 discos dos anos 1970

Que os anos de 1970 foram, de modo geral, bastante conturbados, isso não é novidade para ninguém, todavia, poucas épocas nos deixaram um legado de diversidade musical tão grande. Seja com o fim do classic rock ou com o nascimento da discoteca, da incorporação de instrumentos eruditos ao rock’n’roll, à revitalização do samba carioca, ambos iniciados no final dos anos 60, a década de 70 também se responsabilizou por muitos outros “resgates”, entre eles, o da música nordestina.

Na segunda metade da década de 70, muitos artistas surgiram com a proposta de trazer de volta o que havia de mais “puro” e “enraizado” em nossa cultura, principalmente em nossa música. Para isso, valeram-se do pífaro, da rabeca, da viola de sete cordas, da zabumba, etc., mas também dos ritmos e das melodias da tradição ibérica, do cancioneiro popular português e da poesia medieval.

O resultado foram discos que tanto apelaram para o mais tradicional possível, a outros álbuns que misturavam o cancioneiro popular à música dos hippies, que valorizavam a sanfona e a viola, mas não dispensavam, à medida do possível e do conveniente, a guitarra elétrica e os ritmos da boites

10 QUINTETO ARMORIALDo Romance ao Galope Nordestino (1974)

Quinteto Armorial

Primeiro álbum do Quinteto Armorial, principal expoente do Movimento Armorial, lançado pelo selo independente Discos Marcus Pereira, em 1974. O Movimento Armorial foi arquitetado por Ariano Suassuna, em 1970, com o intuito de criar uma arte original e profundamente nordestina, mesclando influências ibéricas com tradições tipicamente nordestinas, que, segundo o próprio Suassuna, se “desdobraram, além das heranças culturais trazidas pelos negros e das aprendidas com os indígenas, criando uma obra, a um só tempo, popular e erudita”. Trazendo músicas de mestres como Guerra peixe e Capiba, o Quinteto Armorial ainda nos brinda com as vozes e o instrumental de nomes como Egildo Vieira e Antônio Nóbrega.

“O Movimento Armorial foi arquitetado por Ariano Suassuna, em 1970, com o intuito de criar uma arte original e profundamente nordestina”.

20 ELOMAR…Das barrancas do Rio Gavião (1973)

Elomar

Uma das obras mais importantes do cantador de Vitória da Conquista, na Bahia, o grande Elomar Figueira de Mello. Há pouco, uma das canções desse disco, Incelença do amor retirante, voltou às chamadas “paradas de sucesso” com a novela Velho Chico, da Rede Globo. Algumas das canções mais conhecidas de seu cancioneiro se encontram nesse álbum, mas, principalmente, acompanhado apenas de sua “viola”, Elomar nos ostra que alguém grande como ele a si mesmo se basta… Ele e o que de melhor a música dessas caatingas tem a nos oferecer.  Na contracapa deste disco, o poeta Vinícius de Moraes escreveu: “Quando lhe manifestei desejo de passar uns dias em sua companhia e de sua família… para descobrir, em sua companhia e ao som do excelente violão que toca, essas estrelas recônditas que já não se consegue mais ver nos nossos céus poluídos, Elomar me disse: – ‘Pode vir quando quiser. Deixe só eu ajeitar a casa, que não está boa, e afastar um pouco dali minhas cascavéis e minhas tarântulas…’”

30 DIANA PEQUENOEterno como areia (1979)

Diana Pequeno

Uma verdadeira diva, hoje, infelizmente, quase esquecida, mas que embalou muitos corações repletos de sonhos, esperanças e cabeças cheias de Bob Dilan – é de Diana Pequeno a mais famosa versão brasileira para a canção Blowin’in the Wind, de nosso mais recente ganhador do Nobel de literatura (rsrs). Diana Pequeno pode se orgulhar de não ter padecido da famosa síndrome do segundo disco, pois neste registro cumpriu e superou as promessas e expectativas geradas por seu primeiro trabalho, lançado com sucesso no ano de 1978. De fato, o que se ouve ao longo do LP é a ancestral voz do sertanejo, das gentes do campo, com suas labutas, suas lutas, crenças e valores a nortearem sua existência. E há nomes como Elomar, na belíssima Campo Branco, passando por Carlos Pitta, em Travessei, Moreno, e visitando o folclore popular de Pernambuco, na canção Camaleão… Diana Pequeno é, para mim, uma das baianas mais arretadas de nossa música.

“Uma verdadeira diva, hoje, infelizmente, quase esquecida, mas que embalou muitos corações repletos de sonhos, esperanças e cabeças cheias de Bob Dilan”

40 ALCEU VALENÇA & GERALDO AZEVEDOQuadrafônico (1972)

Alceu Valença e Geraldo Azevedo

A música popular nordestina encontrou a psicodelia com este disco de 1972, fruto da união de Alceu Valença com Geraldo Azevedo, que, apesar do sucesso do disco, logo correram carreiras solo. Aqui a música nordestina encontrará a guitarra à la Hendrix, o rock se permitirá a um casamento perfeito com o baião e a ciranda. Destaco aqui a sexta canção do disco, chamada Planetário, composição com a qual Alceu se inscreveu em vários festivais no início da carreira. Bom, o arranjo me lembra muito o som do Pink Floyd do final dos anos 60, com o ritmo pulsante, quase giratório, confuso e cheio de sensações… agravação começa bem antes do “play”, quando Alceu ainda se prepara para cantá-la…. A canção, no entanto, tem a cara do Brasil e do Alceu, com algumas passagens tímidas de pífano e a letra surreal: “E essa lua é de gesso ou de isopor…?”

50 CARLOS PITTAÁguas do São Francisco: Lendas (1979)

Carlos Pita

E para terminar, nada como a “prata da casa”… O feirense Carlos Pitta, em seu primeiro álbum, lançado em 1979. As composições do disco centram-se no rico universo dos modos, costumes e paisagens do sertão transfigurado em lenda e poesia, inserindo-se na ancestral tradição dos cantadores que trabalham e retrabalham as cantigas e trovas medievais trazidas pelos portugueses e incorporadas à alma sertaneja, em resumo, nada como uma boa influência do Quinteto Armorial. Configurando-se como um cuidadoso trabalho conceitual, desenhado aos modos de um disco-cordel, o álbum contou com as participações de Roze, Dércio Marques, Bendegó e Oswaldinho do Acordeon e tem sua capa assinada por ouro grande artista feirense, o pintor e poeta Juraci Dórea. Destaco de cara a primeira canção do LP: O Reino das Águas Barrentas e os Desafios do Amor.


Sobre o (a) autor (a):