As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Feirense Paula Sanffer é cantora da Mukindala, nova banda de Carlinhos Brown

Após a marcante participação no programa The Voice Brasil, a cantora feirense Paula Sanffer embarcou em um novo projeto de Carlinhos Brown, técnico de Paula no programa global. Ela agora integra a banda Mukindala, um grupo percussivo afro-brasileiro formado Paula, Rafa Chagas e Gato Preto. Veja o perfil de cada um dos integrantes:

Paula Sanffer

Paula Sanffer

Finalista da última edição do The Voice Brasil no time de Carlinhos Brown, a baiana de Feira de Santana, Ana Paula dos Santos Ferreira, 37, começou a cantar quando tinha sete anos. Vinda de uma família evangélica e cheia de artistas, Paula Sanffer, como é conhecida, começou sua carreira na igreja onde a mãe congregava. Autodidata, Paula toca teclado, bateria e violão – este último com mais afinco, dada às inúmeras apresentações que a artista realizou em bares e em festas particulares com o instrumento durante a sua carreira solo. Na bagagem, também a experiência como backing vocal do cantor Tayrone e a gravação de dois álbuns gospel. Mas é em 2016, justamente no momento em que Paula Sanffer comemora os seus 30 de relação com a música, que ela recebe o convite do seu técnico no reality show global para estar à frente de um novo projeto: a Mukindala.

Rafa Chagas

Rafa Chagas

O baiano Rafael Pereira Chagas da Silva, mais conhecido como Rafa Chagas, tem 21 anos, mas uma experiência de palco que explica a sua notável performance mesmo ainda tão jovem. Morador do Acupe de Brotas, em Salvador, o cantor começou sua trajetória artística ainda na infância com a banda Yeba Beats, dirigida pelo tio Magary Lord. Aos 16 anos, já liderava a sua segunda formação musical, o grupo Lactosamba, que marcou presença em grandes eventos da capital baiana como o Sarau du Brown e ensaios da Timbadala. Além de cantor, Rafa Chagas é compositor e tem diversos hits nas vozes de artistas como Bruno Cardoso (Sorriso Maroto), Léo Santana, Xandy (Harmonia do Samba) e Márcio Victor (Psirico). Agora à frente da Mukindala, ele ganha mais um espaço para escoar as suas criações e também para mostrar mais um de seus talentos, a dança, já que lidera as coreografias do grupo. Da black music ao semba, do merengue ao parambandam, Rafa Chagas improvisa passos que envolvem banda e público em uma perfeita interação.

Gato Preto

Gato Preto

Ele é rápido, talentoso e criativo. Não à toa recebeu o apelido de Gato Preto aos nove anos de idade, dada a sua habilidade com a Capoeira. Na música não é diferente. Aos 39 anos, Val Ferreira é o integrante mais velho da Banda Mukindala e leva para o grupo a experiência de quem tocou com Timbalada, Peu Meurray, Mikael Mutti e com o mestre Carlinhos Brown. Morador do Candeal Pequeno de Brotas, eleito um dos sete territórios criativos de Salvador, o percussionista Gato Preto completa a linha de frente da Mukindala apresentando o som de uma criação sua: a guitarra percussiva ou guitarra de tambor. Com um designer semelhante ao de uma guitarra, mas com teclado no lugar das cordas tradicionais, a guitarra percussiva foi criada por Gato Preto para adicionar frequências baixas ao ritmo merengue. Com o instrumento, o músico reproduz o som da guitarra, do tambor, do baixo e do surdo virado. Uma mistura que consegue chegar à sonoridade característica e única do parambandam.

 

Repertório e conceito

De acordo com matéria recentemente publicado no Jornal Correio, a Mukindala traz no repertório composições de Carlinhos Brown feitas para a banda, como Tremula, Axé Nunca Cai, Ameaça – versão dele para composição de Luiz Kallaf – e Ponto de Atravessar, esta última uma parceria com Michael Sullivan, música de trabalho da Mukindala.

“Há 30 anos a Axé Music levou a música da Bahia para o mundo, o mundo se apoderou dela e hoje ela não pode ser vista como regional. Queremos mostrar que, onde nasceu a Axé Music, tem muito mais. A Mukindala veio pra provar isso”, realça Brown.

Quem foi à Concha Acústica no início de novembro assistir ao Pérolas Mistas pôde ver a Mukindala em primeira mão. O grupo se apresentou logo após o encerramento do espetáculo sob as vistas do padrinho Brown, que ficou em um canto do palco assistindo perto a desenvoltura de sua nova criação.

Abaixo, o teaser de “Ponto de Atravessar”, o disco que está sendo preparado pela Mukindala:

[Teaser] Ponto de Atravessar – Mukindala

O dia amanheceu tão lindo! Hoje acaba de chegar nas rádios a música Ponto de Atravessar, o primeiro single da Mukindala!

Publicado por Mukindala em Sexta, 9 de dezembro de 2016

 

A Mukindala está no Facebook!


Sobre o (a) autor (a):