Rio Jacuípe

Improbidade Administrativa

Ex-Prefeito, Secretária e Procurador são acionados por Improbidade Administrativa

Ex-prefeito José Ronaldo é acionado pelo MP por improbidade administrativa O ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo de Carvalho; a secretária de Saúde, Denise Lima Mascarenhas; o ex-subprocurador do Município, Cleudson Santos Almeida; e o então presidente da comissão de licitação no Município, Antônio Rosa de Assis, foram acionados pelo Ministério Público estadual por dispensa indevida de licitação realizada no ano de 2013, quando José Ronaldo era prefeito. Suspensão dos direitos políticos De acordo com o MP, o ato de improbidade causou ao erário um dano de R$ 6.379.495,62. Na ação, o promotor de Justiça Tiago de Almeida Quadros

Roberto Tourinho

Roberto Tourinho na Oposição

Tourinho na Oposição Em entrevista ao programa Acorda Cidade, nesta terça-feira (05), o prefeito Colbert Martins, comentou que Roberto Tourinho se tornou um vereador de oposição, após cobrança para afastar envolvidos no caso da Coofsaúde e propor uma CPI. A quem responder? Em pronunciamento, na sessão ordinária da última quarta-feira (06), na Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador comentou sobre a entrevista do prefeito e disparou que estava em dúvida a quem deveria responder, se “ao prefeito que governa ou o do Pilão, que despacha na Pousada Acalanto e no Hotel Atmosfera”. “Se ao prefeito ou ao chefe”.

Fila no CADH de Feira

Fila longa para marcar consulta no CADH, em Feira – Feira (A)notada

Fila longa, demora no atendimento e lotação no CADH Uma longa fila foi observada na manhã da última terça-feira, 05, na Rua Boticário Moncorvo, Centro da cidade. Tratava-se de pacientes do Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (CADH), esperando a vez para marcar uma consulta com médicos especialistas. O interior da unidade estava completamente lotado e o sistema de marcação toda hora saía do ar, enquanto as pessoas com diabetes e hipertensão permaneciam na fila. Somente quatro vereadores assinaram pedido de CPI O pedido para a formação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que pretende averiguar denúncias de irregularidades na

PSOL pede CPI na Câmara

PSOL protocola pedido de CPI na Câmara – Feira (A)notada

PSOL protocola pedido de CPI na Câmara Na manhã da última sexta-feira, 1º de fevereiro, no retorno das atividades na Câmara Municipal, o PSOL de Feira de Santana protocolou na Casa o pedido de CPI das fraudes na saúde do município, envolvendo contratos com as falsas cooperativas. O pedido foi entregue por Jhonatas Monteiro, ex-candidato a prefeito pelo partido, em mãos ao presidente da Câmara, vereador José Carneiro, que se comprometeu em apreciar o pedido no Plenário já na próxima segunda-feira, dia 4. Aprovados em concurso também querem CPI das cooperativas Trabalhadores da área de saúde, aprovados no concurso de

Novidades na Câmara Municipal

Novidades na Câmara Municipal de Feira de Santana – Feira (A)notada

Câmara reabre trabalhos legislativos A Câmara Municipal de Feira de Santana retomou as atividades na manhã desta sexta-feira (01). Em rito ordinário, foi realizada a leitura da ata da sessão anterior devidamente aprovada pelos edis presentes. O prefeito de Feira de Santana Colbert Martins da Silva Filho fez o pronunciamento e desejou bom retorno aos trabalhos. Estiveram presentes ainda o Procurador Geral do Município, Cleudson Almeida, secretários municipais, autoridades, representantes da sociedade civil e imprensa. Neinha deixa de ser suplente e assume a vaga deixada por Tom A vereadora Neinha (PTB), que estava no mandato como suplente, assume a vaga deixada

Por que as motos de baixa cilindrada inundam o trânsito de Feira

Em São Paulo-SP, existe uma motocicleta para cada 15 habitantes. Em Salvador, são 22 habitantes para cada motocicleta. Em Aracaju, para cada motocicleta, há 10 habitantes. Em Feira de Santana, são apenas 6 habitantes por motocicletas.

A quantidade de motonetas, motos dirigidas pelo condutor em posição sentada, em Feira de Santana chama ainda mais a atenção. No ranking nacional, de acordo com dados do DENATRAN (2016), Feira fica atrás apenas de seis capitais na quantidade de motonetas. Estamos à frente de metrópoles como Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Fortaleza.

São mais de 18 mil motonetas contabilizadas no município. Para completar o cenário, ainda faltam o número dos ciclomotores, não divulgados pelo DENATRAN, que são motos que não passam de 50 cilindradas (as chamadas “ciquentinha”). Mas basta observar o trânsito da cidade para perceber o quanto esses veículos inundam as ruas de Feira de Santana.

Alternativa ao transporte público

Motos de baixa cilindrada em Feira de Santana

No momento em que taxistas, mototaxistas, motoristas Uber e ligeirinhos disputam os clientes que evitam utilizar o transporte público do município, as motos de baixa cilindrada se tornaram uma alternativa economicamente interessante e mais independente.

De acordo com o gerente de vendas de uma das maiores concessionárias de motocicleta da cidade, Murilo Cedraz Souza, a crescente na venda de motocicletas que variam de 50 a 125 cilindradas é forte por dois pontos significativos: preço e forma de pagamento. “Um ponto que chama a atenção e atrai o cliente é o valor do transporte e a forma de pagamento, que chega a ter parcelas de R$78,00 ao mês”.

“A não obrigatoriedade da carteira de habilitação para as cinquentinha também impulsionou a venda acelerada, sem falar no desgaste dos passageiros com a má qualidade do serviço prestado pelo transporte público na cidade”, diz ele Murilo.

Infelizmente não temos um transporte público com preço acessível.

Mônica Valente, vendedora feirense, contou a nossa reportagem que decidiu comprar seu veículo por dois motivos. O primeiro é a instabilidade do transporte público, e, o maior de todos, que foi pelos valores abusivos das passagens na cidade. “Pelo valor que gastava de vale transporte e o desconforto que tinha ao pegar o coletivo foi mais viável encarar um financiamento, pois além de pagar a prestação da moto, ainda abasteço com o dinheiro do vale transporte”, destacou.

Já o estudante de medicina veterinária Jorge Alan Pitanga também aponta o fator econômico. Ele diz que decidiu comprar sua motocicleta a partir do momento que fez as contas de quanto gastava de transporte, e quanto pagaria de gasolina e da parcela mensal do financiamento. “Infelizmente não temos um transporte público com preço acessível. E o mesmo não tem estrutura para circular na cidade, por isso resolvi comprar meu próprio veículo”.

Consequências no trânsito

Maurício Carvalho

O superintendente de trânsito de Feira de Santana, Mauricio Carvalho, afirma que a quantidade volumosa de motocicletas faz com que o trânsito em Feira de Santana tenha dificuldade de fluir. Outro problema, segundo ele, é que a maioria dos condutores não possuem noção de direção defensiva, o que acaba ocasionando um grande número de acidentes.

“Feira de Santana é uma cidade plana, portanto as motos de baixa cilindradas não tem dificuldade de andar na cidade, porém, a quantidade crescente faz com que o trânsito não desenvolva como deveria”, salienta.

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana, neste momento, está desenvolvendo o sistema de Bus Rapid Transport (BRT) no município, com a promessa de otimizar o transporte público na cidade.

 


Sobre o (a) autor (a):