Rio Jacuípe

História e arquitetura da Prefeitura de Feira

Um dos prédios mais imponentes da Feira de Santana é aquele que abriga a Prefeitura Municipal. Fica num dos mais emblemáticos cruzamentos da cidade, entre as avenidas Getúlio Vargas e Senhor dos Passos. Naquele trecho muito da vida política e cultural da cidade ganha expressão: feiras – de livros, de saúde -, apresentações musicais, atividades de lazer e, sobretudo, manifestações políticas acontecem defronte à prefeitura, no estacionamento encoberto pelas sombras generosas das árvores. O prédio começou a ser erguido há quase 100 anos: no dia 11 de setembro de 1920 o Conselho – a versão da época da Câmara Municipal

Baile Surrealista 2018

Baile Surrealista em Feira – Edição Especial

Feira de Santana receberá mais uma edição do Baile Surrealista, uma releitura de um baile que aconteceu na Europa na década de 1970, envolvendo artistas e membros de sociedades secretas. O evento pretende discutir as relações entre Arte e Esoterismo através da Música, Artes Plásticas, Dança e Oficinas. Nesta edição, ocorrerá o relançamento do livro “Sob o véu de Sírius”, que reúne autores de várias cidades baianas numa série de poemas inspirados na Heptarquia e no simbolismo mágico do número 7. Além disso, o Baile fará um tributo ao poeta e bruxo britânico Kenneth Grant, um dos nomes mais influentes do ocultismo contemporâneo.

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Conhecendo 8 monumentos de Feira de Santana

Preservados ou esquecidos, chamativos ou discretos, os monumentos de Feira de Santana dizem muito sobre a história, o povo, a cultura e outros diversos aspectos de uma cidade que por si só já é monumental. Espalhados pela mancha urbana, cada um carrega consigo um significado e certo apreço por parte da população

Enquanto feirenses, é válido que saibamos da importância e da preservação das criações artísticas que assumem um caráter identitário. Com isso mapeamos alguns dos monumentos mais icônicos da cidade de Feira de Santana, confira:

Monumento Todos os Caminhos

Monumento Todos os Caminhos

 

Encravado no canteiro central da Avenida Getúlio Vargas – uma das principais avenidas do município – o “Monumento Todos os Caminhos” é de autoria do arquiteto e artista plástico Juraci Dória. Foi construído em 1991, e se faz muito atual.

Sua concepção se deu com a tentativa de retratar, através das curvas metálicas, a ideia de que “todos os caminhos levam à Feira de Santana”.

Recentemente, o monumento foi inteiramente restaurado, dando uma aparência mais jovial para esta que talvez seja a obra mais característica da Feira globalizada.

Caixa D’Água do Tomba

Caixa D'Água do Tomba

Foto: Rafael Santos

Audaciosa, moderna e agora iluminada. A Caixa D’Água do Tomba é uma interessante estrutura de arquitetura arrojada em concreto armado localizada na Zona Sul da cidade.

Emblemática desde a sua construção, no início da década de 80, foi idealizada como parte do Sistema Integrado de Abastecimento de Água de Feira de Santana, para servir de reservatório para as águas vindas da Barragem Pedra do Cavalo.

Monumento ao Caminhoneiro

Monumento ao Caminhoneiro

“O Brasil passa por aqui. Dos tropeiros aos caminhoneiros que fizeram e fazem de Feira de Santana uma grande cidade”, isto está escrito em letras garrafais na placa inaugural da obra de arte abstrata do artista Gil Mário, instalada desde 2007 na Praça Jackson do Amauri, no Centro.

Forjada em metal e concreto, através de traços modernos em que se assemelham à silhueta de um caminhão, a obra tem a finalidade de homenagear a classe profissional que atravessa o país de Norte a Sul numa boleia, e que exerce grande influência no contexto econômico e cultural de Feira, os caminhoneiros.

Relógio Rotary

Relógio Rotary

Foto: Washington Nery

Quem costuma passar pela Avenida Getúlio Vargas e dar uma conferida no horário através do “Relógio Rotary” talvez não saiba da história daquele cartão-postal.

O relógio feito em fibra de vidro tem 16 metros e foi projetado pelo arquiteto feirense Amélio Amorim. Fruto da doação do Rotary Club ao município, foi inaugurado em 1997.

Monumento a Maria Quitéria

Monumento Maria Quitéria

Maria Quitéria de Jesus Medeiros, heroína da Guerra da Independência e primeira mulher a entrar em combate pelo Brasil, era feirense – apesar de alguns historiadores afirmarem que, por razões óbvias, a mesma era cidadã cachoeirana. Com isso, nada mais digno seria que uma homenagem vinda da sua terra, e foi assim que se idealizou o “Monumento a Maria Quitéria”.

Instalado no cruzamento das Avenidas Getúlio Vargas e Maria Quitéria, foi desenhado pelo arquiteto Luiz Humberto de Carvalho, doado pelo Rotary Club em 2001 e inaugurado em 2002.

Atualmente o monumento está sendo reconstruído por conta da sua remoção temporária para a construção da passagem de nível do projeto de mobilidade urbana do Bus Rapid Transit Feira (BRT FEIRA).

Monumento ao Tropeiro

Monumento ao Tropeiro

Foto: Washington Nery

De fronte ao Centro de Abastecimento fica a Praça do Tropeiro, point que durante a semana reúne pessoas vindas de toda a região e que abriga o “Monumento ao Tropeiro”. Escultura que homenageia o personagem do imaginário sertanejo – importantíssimo no desenvolvimento da cidade -, que em um passado onde não havia estradas, conduzia as tropas de cavalos e mulas, transportando mercadorias e insumos pelo interior do Brasil.

Monumento a Gorgina Erismann

Monumento a Georgina Erismann

Foto: SECOM/Feira

“Bem nascida entre verdes colinas”, “formosa e bendita” e “descuidosa de sua beleza” são alguns dos versos que Georgina de Mello Erismann utilizou para definir Feira de Santana na composição de seu Hino. Georgina nasceu em 1893 e durante sua vida acumulou incontáveis ocupações: foi professora, musicista, poetisa, pianista e declamadora.

Em 2008 foi homenageada através dos traços de Gil Mário na obra “Liberdade de uma poetisa”. O monumento que tem formas de asas alçando vôo fica na avenida João Durval, próximo ao Shopping Boulevard.

Monumento a Padre Ovídio

Padre Ovídio

O monumento em questão é o mais antigo da cidade, foi forjado em Paris e erguido aqui no ano de 1982. A estátua foi adquirida pelo primeiro intendente, o coronel português Joaquim de Melo Sampaio.

O homenageado, Padre Ovídio Alves de São Boaventura, sempre dedicou sua vida na caridade aos necessitados, principalmente as crianças órfãs. Fundou diversas instituições, reconstruiu a Matriz, planejou a construção de um aprendizado agrícola e libertou escravos.

Preservação

A Lei Municipal Nº 3355, de 21 de Fevereiro de 2013, traz em seu primeiro capítulo os seguintes dizeres:

Art. 1º – O patrimônio cultural é constituído pelos bens de natureza material e imaterial existentes no município, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade local, dentre os quais se incluem:

I – as formas de expressão;

II – os modos de criar, fazer e viver;

III – as criações cientificas, artísticas e tecnológicas;

IV – as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados as manifestações artístico-culturais;

V – os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e cientifico.

De acordo com a lei, os monumentos feirenses fazem parte do patrimônio cultural do município e para tanto precisam ser preservados.

Tags:

Sobre o (a) autor (a):