As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Conhecendo 8 monumentos de Feira de Santana

Preservados ou esquecidos, chamativos ou discretos, os monumentos de Feira de Santana dizem muito sobre a história, o povo, a cultura e outros diversos aspectos de uma cidade que por si só já é monumental. Espalhados pela mancha urbana, cada um carrega consigo um significado e certo apreço por parte da população

Enquanto feirenses, é válido que saibamos da importância e da preservação das criações artísticas que assumem um caráter identitário. Com isso mapeamos alguns dos monumentos mais icônicos da cidade de Feira de Santana, confira:

Monumento Todos os Caminhos

Monumento Todos os Caminhos

 

Encravado no canteiro central da Avenida Getúlio Vargas – uma das principais avenidas do município – o “Monumento Todos os Caminhos” é de autoria do arquiteto e artista plástico Juraci Dória. Foi construído em 1991, e se faz muito atual.

Sua concepção se deu com a tentativa de retratar, através das curvas metálicas, a ideia de que “todos os caminhos levam à Feira de Santana”.

Recentemente, o monumento foi inteiramente restaurado, dando uma aparência mais jovial para esta que talvez seja a obra mais característica da Feira globalizada.

Caixa D’Água do Tomba

Caixa D'Água do Tomba

Foto: Rafael Santos

Audaciosa, moderna e agora iluminada. A Caixa D’Água do Tomba é uma interessante estrutura de arquitetura arrojada em concreto armado localizada na Zona Sul da cidade.

Emblemática desde a sua construção, no início da década de 80, foi idealizada como parte do Sistema Integrado de Abastecimento de Água de Feira de Santana, para servir de reservatório para as águas vindas da Barragem Pedra do Cavalo.

Monumento ao Caminhoneiro

Monumento ao Caminhoneiro

“O Brasil passa por aqui. Dos tropeiros aos caminhoneiros que fizeram e fazem de Feira de Santana uma grande cidade”, isto está escrito em letras garrafais na placa inaugural da obra de arte abstrata do artista Gil Mário, instalada desde 2007 na Praça Jackson do Amauri, no Centro.

Forjada em metal e concreto, através de traços modernos em que se assemelham à silhueta de um caminhão, a obra tem a finalidade de homenagear a classe profissional que atravessa o país de Norte a Sul numa boleia, e que exerce grande influência no contexto econômico e cultural de Feira, os caminhoneiros.

Relógio Rotary

Relógio Rotary

Foto: Washington Nery

Quem costuma passar pela Avenida Getúlio Vargas e dar uma conferida no horário através do “Relógio Rotary” talvez não saiba da história daquele cartão-postal.

O relógio feito em fibra de vidro tem 16 metros e foi projetado pelo arquiteto feirense Amélio Amorim. Fruto da doação do Rotary Club ao município, foi inaugurado em 1997.

Monumento a Maria Quitéria

Monumento Maria Quitéria

Maria Quitéria de Jesus Medeiros, heroína da Guerra da Independência e primeira mulher a entrar em combate pelo Brasil, era feirense – apesar de alguns historiadores afirmarem que, por razões óbvias, a mesma era cidadã cachoeirana. Com isso, nada mais digno seria que uma homenagem vinda da sua terra, e foi assim que se idealizou o “Monumento a Maria Quitéria”.

Instalado no cruzamento das Avenidas Getúlio Vargas e Maria Quitéria, foi desenhado pelo arquiteto Luiz Humberto de Carvalho, doado pelo Rotary Club em 2001 e inaugurado em 2002.

Atualmente o monumento está sendo reconstruído por conta da sua remoção temporária para a construção da passagem de nível do projeto de mobilidade urbana do Bus Rapid Transit Feira (BRT FEIRA).

Monumento ao Tropeiro

Monumento ao Tropeiro

Foto: Washington Nery

De fronte ao Centro de Abastecimento fica a Praça do Tropeiro, point que durante a semana reúne pessoas vindas de toda a região e que abriga o “Monumento ao Tropeiro”. Escultura que homenageia o personagem do imaginário sertanejo – importantíssimo no desenvolvimento da cidade -, que em um passado onde não havia estradas, conduzia as tropas de cavalos e mulas, transportando mercadorias e insumos pelo interior do Brasil.

Monumento a Gorgina Erismann

Monumento a Georgina Erismann

Foto: SECOM/Feira

“Bem nascida entre verdes colinas”, “formosa e bendita” e “descuidosa de sua beleza” são alguns dos versos que Georgina de Mello Erismann utilizou para definir Feira de Santana na composição de seu Hino. Georgina nasceu em 1893 e durante sua vida acumulou incontáveis ocupações: foi professora, musicista, poetisa, pianista e declamadora.

Em 2008 foi homenageada através dos traços de Gil Mário na obra “Liberdade de uma poetisa”. O monumento que tem formas de asas alçando vôo fica na avenida João Durval, próximo ao Shopping Boulevard.

Monumento a Padre Ovídio

Padre Ovídio

O monumento em questão é o mais antigo da cidade, foi forjado em Paris e erguido aqui no ano de 1982. A estátua foi adquirida pelo primeiro intendente, o coronel português Joaquim de Melo Sampaio.

O homenageado, Padre Ovídio Alves de São Boaventura, sempre dedicou sua vida na caridade aos necessitados, principalmente as crianças órfãs. Fundou diversas instituições, reconstruiu a Matriz, planejou a construção de um aprendizado agrícola e libertou escravos.

Preservação

A Lei Municipal Nº 3355, de 21 de Fevereiro de 2013, traz em seu primeiro capítulo os seguintes dizeres:

Art. 1º – O patrimônio cultural é constituído pelos bens de natureza material e imaterial existentes no município, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade local, dentre os quais se incluem:

I – as formas de expressão;

II – os modos de criar, fazer e viver;

III – as criações cientificas, artísticas e tecnológicas;

IV – as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados as manifestações artístico-culturais;

V – os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e cientifico.

De acordo com a lei, os monumentos feirenses fazem parte do patrimônio cultural do município e para tanto precisam ser preservados.

Tags:

Sobre o (a) autor (a):