As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Conhecendo 8 monumentos de Feira de Santana

Preservados ou esquecidos, chamativos ou discretos, os monumentos de Feira de Santana dizem muito sobre a história, o povo, a cultura e outros diversos aspectos de uma cidade que por si só já é monumental. Espalhados pela mancha urbana, cada um carrega consigo um significado e certo apreço por parte da população

Enquanto feirenses, é válido que saibamos da importância e da preservação das criações artísticas que assumem um caráter identitário. Com isso mapeamos alguns dos monumentos mais icônicos da cidade de Feira de Santana, confira:

Monumento Todos os Caminhos

Monumento Todos os Caminhos

 

Encravado no canteiro central da Avenida Getúlio Vargas – uma das principais avenidas do município – o “Monumento Todos os Caminhos” é de autoria do arquiteto e artista plástico Juraci Dória. Foi construído em 1991, e se faz muito atual.

Sua concepção se deu com a tentativa de retratar, através das curvas metálicas, a ideia de que “todos os caminhos levam à Feira de Santana”.

Recentemente, o monumento foi inteiramente restaurado, dando uma aparência mais jovial para esta que talvez seja a obra mais característica da Feira globalizada.

Caixa D’Água do Tomba

Caixa D'Água do Tomba

Foto: Rafael Santos

Audaciosa, moderna e agora iluminada. A Caixa D’Água do Tomba é uma interessante estrutura de arquitetura arrojada em concreto armado localizada na Zona Sul da cidade.

Emblemática desde a sua construção, no início da década de 80, foi idealizada como parte do Sistema Integrado de Abastecimento de Água de Feira de Santana, para servir de reservatório para as águas vindas da Barragem Pedra do Cavalo.

Monumento ao Caminhoneiro

Monumento ao Caminhoneiro

“O Brasil passa por aqui. Dos tropeiros aos caminhoneiros que fizeram e fazem de Feira de Santana uma grande cidade”, isto está escrito em letras garrafais na placa inaugural da obra de arte abstrata do artista Gil Mário, instalada desde 2007 na Praça Jackson do Amauri, no Centro.

Forjada em metal e concreto, através de traços modernos em que se assemelham à silhueta de um caminhão, a obra tem a finalidade de homenagear a classe profissional que atravessa o país de Norte a Sul numa boleia, e que exerce grande influência no contexto econômico e cultural de Feira, os caminhoneiros.

Relógio Rotary

Relógio Rotary

Foto: Washington Nery

Quem costuma passar pela Avenida Getúlio Vargas e dar uma conferida no horário através do “Relógio Rotary” talvez não saiba da história daquele cartão-postal.

O relógio feito em fibra de vidro tem 16 metros e foi projetado pelo arquiteto feirense Amélio Amorim. Fruto da doação do Rotary Club ao município, foi inaugurado em 1997.

Monumento a Maria Quitéria

Monumento Maria Quitéria

Maria Quitéria de Jesus Medeiros, heroína da Guerra da Independência e primeira mulher a entrar em combate pelo Brasil, era feirense – apesar de alguns historiadores afirmarem que, por razões óbvias, a mesma era cidadã cachoeirana. Com isso, nada mais digno seria que uma homenagem vinda da sua terra, e foi assim que se idealizou o “Monumento a Maria Quitéria”.

Instalado no cruzamento das Avenidas Getúlio Vargas e Maria Quitéria, foi desenhado pelo arquiteto Luiz Humberto de Carvalho, doado pelo Rotary Club em 2001 e inaugurado em 2002.

Atualmente o monumento está sendo reconstruído por conta da sua remoção temporária para a construção da passagem de nível do projeto de mobilidade urbana do Bus Rapid Transit Feira (BRT FEIRA).

Monumento ao Tropeiro

Monumento ao Tropeiro

Foto: Washington Nery

De fronte ao Centro de Abastecimento fica a Praça do Tropeiro, point que durante a semana reúne pessoas vindas de toda a região e que abriga o “Monumento ao Tropeiro”. Escultura que homenageia o personagem do imaginário sertanejo – importantíssimo no desenvolvimento da cidade -, que em um passado onde não havia estradas, conduzia as tropas de cavalos e mulas, transportando mercadorias e insumos pelo interior do Brasil.

Monumento a Gorgina Erismann

Monumento a Georgina Erismann

Foto: SECOM/Feira

“Bem nascida entre verdes colinas”, “formosa e bendita” e “descuidosa de sua beleza” são alguns dos versos que Georgina de Mello Erismann utilizou para definir Feira de Santana na composição de seu Hino. Georgina nasceu em 1893 e durante sua vida acumulou incontáveis ocupações: foi professora, musicista, poetisa, pianista e declamadora.

Em 2008 foi homenageada através dos traços de Gil Mário na obra “Liberdade de uma poetisa”. O monumento que tem formas de asas alçando vôo fica na avenida João Durval, próximo ao Shopping Boulevard.

Monumento a Padre Ovídio

Padre Ovídio

O monumento em questão é o mais antigo da cidade, foi forjado em Paris e erguido aqui no ano de 1982. A estátua foi adquirida pelo primeiro intendente, o coronel português Joaquim de Melo Sampaio.

O homenageado, Padre Ovídio Alves de São Boaventura, sempre dedicou sua vida na caridade aos necessitados, principalmente as crianças órfãs. Fundou diversas instituições, reconstruiu a Matriz, planejou a construção de um aprendizado agrícola e libertou escravos.

Preservação

A Lei Municipal Nº 3355, de 21 de Fevereiro de 2013, traz em seu primeiro capítulo os seguintes dizeres:

Art. 1º – O patrimônio cultural é constituído pelos bens de natureza material e imaterial existentes no município, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade local, dentre os quais se incluem:

I – as formas de expressão;

II – os modos de criar, fazer e viver;

III – as criações cientificas, artísticas e tecnológicas;

IV – as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados as manifestações artístico-culturais;

V – os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e cientifico.

De acordo com a lei, os monumentos feirenses fazem parte do patrimônio cultural do município e para tanto precisam ser preservados.

Tags:

Sobre o (a) autor (a):