As Feiras de Feira de Santana

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Colbert proíbe atividades extraescolares

Colbert proíbe atividade extraescolar nas escolas de Feira

O Prefeito Colbert Martins, desde o final de outubro de 2018, resolveu cancelar todas as atividades externas com os alunos da rede municipal de ensino. A medida foi tomada em virtude da morte do estudante que se afogou durante um passeio escolar, em um sítio localizado no bairro Conceição. O passeio fazia parte de uma atividade em comemoração ao Dia das Crianças. Datas importantes Com a medida os estudantes ficaram de fora do Natal Encantado 2018 e do desfile do dia 2 de julho no distrito de Maria Quitéria. E neste segundo semestre não vão participar (se a proibição permanecer), de

Feira na próxima década

A Feira que se deseja para a próxima década (III)

Não é de hoje que a mudança do Terminal Rodoviário da Feira de Santana é tema nas conversas de muitos feirenses. Desde o início do século, nas campanhas eleitorais, candidatos a prefeito anunciam a intenção de transferir o equipamento. Até hoje nenhum passo foi dado. Mas tudo indica que, ano que vem, mais uma vez, nas eleições municipais, a questão vai ser abordada, sobretudo nos debates em emissoras de rádio e tevê, cujo clima é adequado aos anúncios bombásticos. Há um charme transformador, futurista, visionário, ao se tratar do tema. Os candidatos a prefeito em 2020 já devem estar de

João Gilberto

Bar feirense faz homenagem a João Gilberto

No último dia 6 de julho, morreu um dos ícones da Música Popular Brasileira, o baiano e juazeirense João Gilberto. Considerado o “pai da Bossa Nova”, João foi um dos mais reconhecidos artistas brasileiros em todo o mundo. Em 2017, a revista Rolling Stones resumiu bem a inventividade de João Gilberto: “Antes de João Gilberto, o violão era o complemento para o voz. Na música do mestre da bossa, voz e violão se tornam uma única entidade. Aparentemente simples, na verdade a técnica de João exibe uma precisão matemática.”   Em uma das raras entrevistas que concedeu, na década de

Moda na Sales Barbosa: encontrando tendências do Inverno 2016

Começo este meu primeiro post citando um poema de um acadêmico, advogado, jornalista, abolicionista e poeta romântico:

“Na sala das refeições

Junto ao pápá; cuidadosas

Lindas yáyás cor das rosas

Fazem crochet; dão lições…”

Eu vos apresento esse feirense multifacetado com nome de Francisco de Sales Barbosa, nascido em 1862. E foi por causa deste “meigo filósofo”, como era chamado pelo seu amigo Visconde de Taunay, que a antiga “rua do meio” passou a ser chamada de Sales Barbosa, mais conhecida como Calçadão da Sales (para quem ainda não se situou, é aquela rua que tem de “um tudo” e liga a praça Fróes da Motta ao centro comercial da cidade, na altura do Mercado de Arte Popular).

O calçadão, de uma ponta a outra, é uma verdadeira miscelânea. E, muitas vezes, o divertido é se perder para encontrar o que se quer. De camelôs a shopping popular, passando por armarinhos, lanchonetes, farmácias e por aí vai… Mas o seu forte mesmo é a moda. Ah, a moda… Peças industrializadas e handmade, marcas conhecidas, estilistas anônimos, infinitos estilos e possibilidades.

Nas minhas andanças pelo universo da moda, participei do seminário Senac SP Moda Informação/Inverno 2016. Em meio a tantas informações, palestras, vídeos, estilos, cores, materiais, tecidos e estampas, me deparei com a interessante exposição da coleção que seria a tendência deste inverno, este que sentimos agora. Instantaneamente, liguei essas produções à minha querida e diversificada Sales, me senti como no emaranhado do crochet das lindas yáyás.

Então resolvi lançar-me o desafio: fazer produções de moda na Sales Barbosa, tendo como referências algumas tendências nacionais e internacionais vistas naquele importante evento de moda, a fim de inspirar vocês, queridas leitoras, a fazerem os seus próprios looks.

Basta colocar em prática a criatividade e arrasar nas produções.

Boa sorte!

Sessentinha

Uma tendência de muita alfaiataria com inspiração na modelagem dos anos 60. Casacos, gola alta, detalhes em pele sintética colorida, materiais iridescentes e metalizados são o forte dessa tendência.

Cartela de cores: Violeta, azul, ultramar, bordô, mel, vermelho, blush e tons adocicados.

Sessentinha

Obs.: A estampa da saia chama-se poá. E quando as bolinhas são pequenas, petit poá (ou, em francês, petit-pois).

Decor Mix

Inspirada na ornamentação, tem como referência os anos 70 e o mundo folk. Muitas peças ricas em detalhes e de aspecto artesanal. Estamparias e cores são inspiradas os elementos da natureza que dá equilíbrio aos casacos de pele mais estruturados e em alguns casos casacos mais pesados.

Cartela de cores: Preto, verde garrafa, abóbora, caramelo, beterraba, cereja e cacau.

Decor Mix

Zona de Conforto

Não existe nome mais apropriado para esta tendência. Tecidos, formas e texturas aconchegantes como um abraço. Peças confortáveis, casamento perfeito de sobreposições são os agasalhos oversized, muitas vezes em tricô com saias e calças. Tudo muito prático e minimalista, o luxo dessa tendência está na simplicidade.

Cartela de cores: Nude, leite, rosê, cogumelo, marinho, violeta e verde militar.

Zona de Conforto

 

Modelo: Ruth Cerqueira Maia

Fotos: Ena Lélis

Maquiagem: Jane Bispo


Sobre o (a) autor (a):