As Feiras de Feira de Santana

Fartura & Ossos

“Fartura & Ossos” – O novo livro do poeta Silvério Duque

O músico, professor, crítico literário e poeta feirense Silvério Duque acaba de lançar seu novo livro: “Fartura & Ossos”, obra que o autor descreve como sua “lira dos quarent’anos”. O livro, que traz 25 sonetos compostos entre 31 de março de 2018 e 31 de março de 2019, é uma auto-homenagem aos 40 anos de vida do autor. Com desenho de capa do artista plástico Gabriel Ferreira, posfácio de Elpídio Dantas Fonseca e prefácio do próprio autor, com efeito, “Fartura e Ossos”, segundo Elpídio Fonseca, “remete a várias situações descritas em seus sonetos: a superabundância da vida vivida, da qual só

BRT de Feira cada vez mais longe

BRT cada vez mais longe

Com queda no número de passageiros, BRT fica mais longe de ser implantado em Feira Cerca de 10% da frota do transporte público de Feira de Santana deixou de circular, devido à queda no número de passageiros. Trabalhadores do setor também foram demitidos. Associação alertou a pouca demanda de passageiros para a implantação do BRT Em agosto de 2015, a Associação Feirense de Engenheiros (AFENG), apresentou parecer técnico sobre o resultado da análise do “Sistema BRT Feira de Santana” e alertou sobre o volume de passageiros no momento mais crítico do dia, cerca de 5 mil passageiros por hora/sentido. Mas

Banda Calafrio

“Hiato”, o novo single da banda feirense Calafrio

“Um estado de ceticismo quase que total, ausência de sentidos e porquês, um momento de niilismo. O pensamento vagueia pela morte mas em busca de vida”, descreve o guitarrista Pedro Patrocínio, se referindo à letra de “Hiato”, o segundo single de seu novo EP. “A existência dessa canção se dá num momento de reclusão, numa jornada solitária com um pouco de autodestruição e muito de autoconhecimento”, explica o músico. “Hiato” é uma das cinco faixas do EP homônimo que a banda irá lançar até o final deste ano. Em setembro, eles apresentaram ao público o single “Primitivos”, que também ganhou um videoclipe, disponível no

Ícaro Irvin

O novo Procurador do Município

Colbert indica o novo Procurador do Município Ícaro Ivvin, atual superintendente do Procon, foi indicado pelo prefeito Colbert Martins, para ocupar a Procuradoria Geral do Município, no lugar de Cleudson Almeida. O nome de Ícaro foi aprovado na última quarta-feira (23), em votação unânime, pela Câmara Municipal de Feira de Santana. E quem vai assumir o Procon? O prefeito informou que vai convidar Cleudson Almeida para assumir o Procon, quando retornar de Brasília. Vereadores criticam o presidente Jair Bolsonaro Em pronunciamento, na sessão ordinária da última quarta-feira (23), na Câmara Municipal de Feira de Santana, o edil Carlito do Peixe

A “meia década” perdida da Saúde em Feira

A “meia década” perdida da Saúde em Feira

Os repasses para a Saúde em Feira de Santana tiveram leve elevação em relação aos anos anteriores, nos primeiros nove meses de 2019. O problema é que a base anterior é modesta, decorrente da prolongada crise econômica que abalroou o País – e as contas públicas – a partir de meados de 2014. Desde janeiro, foram aportados R$ 144,5 milhões em transferências obrigatórias e voluntárias. Os dados são do Portal da Transparência e referem-se, em toda a análise, aos nove primeiros meses de cada ano. A correção ocorreu com base no Índice de Preço ao Consumidor Amplo, o IPCA. Ano

A fábrica de medalhas do Legislativo feirense

Que a Câmara Municipal se especializou na distribuição de comendas e medalhas não é de hoje. Boa parte da população, inclusive, sabe da prática. Antigamente a concessão era mais avara, havia algum critério, resquícios de pudor. Hoje se desavergonhou: pelo plenário desfilam ilustres desconhecidos saudados com discursos chochos, enfatiotados em paletós pouco habituais, gaguejando as virtudes da Feira de Santana. Exaltar as virtudes é manobra esperta: a maioria se resumiu a cuidar da própria vida e, contribuição efetiva à cidade, deram nenhuma. Mas é necessário fingir, manter o mistério, justificar a honraria.

Muita gente se diverte pelos bastidores com essa fábrica de homenagens. Debocham, farejam intenções ocultas no agrado. Aqui ou ali, jocosamente, há quem se refira a um vereador ou outro como “Zé das Medalhas”. “Zé das Medalhas” foi uma personagem de uma novela de muito sucesso na década de 1980. Tomaram o apelido emprestado, porque traduz com rara felicidade o sentido da pilhéria.

“Alguns devem desdenhar. Outros, atarefados, passam apressados por aqui, embolsam a medalha, fazem uns elogios protocolares garimpados por algum assessor e vão embora.”

Às vezes, uma figura graúda – que sequer lembra da Feira de Santana – é alçada à condição de comendador ou de cidadão feirense. Sabe Deus se todo mundo vem receber o agrado. Alguns devem desdenhar. Outros, atarefados, passam apressados por aqui, embolsam a medalha, fazem uns elogios protocolares garimpados por algum assessor e vão embora.

Talvez por falta do que fazer, a Câmara Municipal resolveu investir nessas honrarias nos últimos dias. Foram brindadas duas personagens graduadas da República: Jair Bolsonaro, o “mito” – aquele que chamou os governadores nordestinos de ‘paraíbas’ – e Damares Alves, ministra, a que se notabilizou pelo episódio da goiabeira, logo no início do governo.

“Mito” visitando Feira

O “mito” já pisou o solo feirense? Se não, tem um bom pretexto para visitar a cidade, que fica na porção meridional da imensa ‘paraíba’ que, para os letrados, corresponde ao Nordeste. Virá receber a medalha. Aqui, no prédio imponente do Legislativo, poderá contar piadas deploráveis de baiano – uma variação geográfica do ‘paraíba’ –, porque todos gargalharão escandalosamente, encantados com seu senso de humor.

“Vai que, num surto de generosidade, o “mito” resolve conhecer as belezas da ‘paraíba’ feirense?”

Quem sabe se não aparece um pintor conservador – fervoroso patriota – para reproduzir a cena para a eternidade? Poderiam optar até por um daqueles painéis imensos que, no passado, viam-se com frequência. Traço sisudo, com todo mundo com expressão digna, à altura das reverências ao “mito”. Imagens do gênero – coisa do século retrasado – ainda se veem em museus espalhados pelo mundo.

Vai que, num surto de generosidade, o “mito” resolve conhecer as belezas da ‘paraíba’ feirense? Percorreria viadutos e trincheiras – seria necessário bloquear o trânsito para evitar engarrafamentos –, entraria em êxtase ao saber que restam poucas árvores no perímetro urbano e se resguardaria em gabinetes refrigerados cujo acesso não é franqueado à patuleia.

Concurso para Vereador

A prolífica produção dos “Zés das Medalhas”, porém, bloqueia o debate necessário sobre os problemas da cidade. A cada legislatura, a situação torna-se pior. Mais recentemente, elevou-se a tendência de conceder honrarias, celebrar efemérides e esmerar-se em rapapés. Isso costuma render muito discurso inútil. Descontando as honrosas – e raras – exceções de praxe, não há parlamentar para conduzir um debate mais qualificado.

Servidor público – espécie que caminha para a extinção no país das “boquinhas” – ingressa no Estado mediante concurso público. Habilidades e competências são cobradas para o exercício da função. Alguns processos seletivos são extremamente disputados. Esculhambam, mas boa parte dos servidores brasileiros são muito qualificados.

Por que não se adota critério semelhante para o Legislativo e o Executivo? Uma prova simples que ateste conhecimentos. Depois, o candidato disputa o voto do cidadão, da mesma forma que é hoje. É óbvio que a fórmula não é perfeita, mas o filtro ajudaria a expurgar muitas incapacidades que sem veem por aí, abundantes.


Sobre o (a) autor (a):