Rio Jacuípe

São José das Itapororocas (Maria Quitéria): passado e presente

Os mitos fundacionais de uma cidade/civilização são sempre cercados de muitos personagens, estórias, acontecimentos, perseguições, guerras e muitas reviravoltas. No caso dos mitos fundacionais das cidades brasileiras quase todos são contados levando como ponto de partida a chegada do colonizador, a expulsão dos povos indígenas nativos e a construção de igrejas, estradas, fortes e pequenas povoações. O mito fundacional comumente conhecido da cidade de Feira de Santana é aquele ligado à história da doação das terras para a construção da capela em devoção à Sant’Ana no Alto da Boa Vista, por Domingos Barbosa de Araújo e sua esposa Ana Brandão,

Pá Rua?

Pá Rua?

Outro dia, peguei Robson. Não exatamente “peguei”, no sentido em que vossas consagradas cabeças maliciosas estão pensando. Eu não botei minha língua na boca dele. Robson é ligeirinho. Eu usufrui de seus serviços clandestinos de transporte alternativo. É sempre uma viagem andar com Robson. Porque ele é o mais atípico dos ligeirinhos. É o mais lento, mas o mais organizado. Ele transforma um Fox em minivan e leva 70 pessoas — confortavelmente. Para honra e glória de Oxalá, eu fui na frente. Sozinho. Uma raridade, às 7 da manhã no Parque Lagoa Subaé. Meu bairro não é dos mais populosos,

Rua Marechal em mão única

Feira (A)notada: Marechal em mão única e novidade na Câmara

Lulinha entrega o cargo de Líder do Governo Após alguns colegas vereadores manifestarem a insatisfação com o líder do governo na Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador Luís Augusto (Lulinha), do DEM, entregou o cargo durante discurso na Sessão desta terça-feira (11). 10 anos do Museu Parque do Saber No próximo dia 15 de dezembro, o Museu Parque do Saber Dival da Silva Pitombo estará completando uma década de existência. E, para comemorar, foi realizada na terça-feira (11) uma homenagem especial a todos os envolvidos com o projeto inicial. O evento contou com as presenças do prefeito Colbert

Tourinho Candidato

Tourinho candidato, cubanização de assessores e toma lá da cá

Tourinho Candidato Surgiu mais um nome interessado no Paço Municipal em 2020. O vereador Roberto Tourinho, atualmente filiado ao PV, confirmou ao site Acorda Cidade que tem discutido o assunto.  Com sete mandatos, Tourinho é um dos políticos mais respeitados de Feira de Santana e filho de um ex-prefeito, o advogado José Falcão da Silva, que morreu durante o exercício do mandato. Ele se junta a nomes como Fernando Torres, Zé Neto, Zé Chico, Colbert Filho, Angelo Almeida, Carlos Geilson e Targino Machado que também se movimentam para disputar a prefeitura feirense. Toma lá dá cá Ao colocar o cargo

O Rural Feirense

O rural feirense, segundo o último Censo Agropecuário (parte 1)

Foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) os números referentes ao Censo Agropecuário realizado em 2017. Os dados são essenciais para que os governos das três esferas – Federal, Estadual e Municipal – elaborem suas políticas, mas são também muito importantes para acadêmicos, estudiosos do tema, para a imprensa especializada e até mesmo para o cidadão que deseja se manter informado sobre o seu município. Uma leva de informações sobre a Feira de Santana já está disponível e pode ser consultada. Os pesquisadores, em suas andanças pelo rural feirense apuraram, por exemplo, que existem exatos 9.191 estabelecimentos

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses:

“Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise do Abrigo Nordestino aos salões da Euterpe Feirense, foi uma dessas personalidades, que montado a cavalo desfilou pelas ruas da princesa ao lado de José Fróes da Motta e seguido por muitas jovens.”

Segue a fotografia que acompanha o relato de Adilson:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Luiz Gonzaga em Feira de Santana (1973)

Como citado, Luiz Gonzaga recebeu o título de cidadão feirense, no ano de 1984, uma concessão da Câmara de Vereadores de Feira de Santana. Segue a íntegra da resolução que deixou na história de Feira a presença do Gonzagão por aqui:

RESOLUÇÃO Nº 152/1984

DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE TÍTULO DE CIDADÃO FEIRENSE.

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e, eu na qualidade de seu Presidente, promulgo a seguinte Resolução na conformidade do Artigo 78, § 2º, ítem IX da Lei 3531 de 10 de novembro de 1976.

Art. 1º Fica concedido o Título de Cidadão da Cidade de Feira de Santana, ao Sr. LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO.

Art. 2º A Mesa Diretiva da Câmara Municipal de Feira de Santana, providenciará a impressão do Título, que será entregue em Sessão Solene convocada especialmente para esse fim.

Art. 3º As despesas decorrentes da execução desta Resolução correrão por conta de verba existente na Secretaria desta Casa.

Art. 4º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua promulgação, revogadas as disposições em contrário.

MESA DIRETIVA DA CÂMARA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA (BA) EM 14 DE MAIO DE 1984.

DIVAL FIGUEIREDO MACHADO
Presidente

JOSÉ FLANTILDES RIBEIRO DE OLIVEIRA
1º Secretário

JOSÉ BARTOLOMEU RIBEIRO ZECA MARQUES
2º Secretário

A seguir, foto de Luiz Gonzaga pouco antes de receber o título:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Na ocasião, Gonzagão fez um show no hoje extinto Clube de Campo Cajueiro. Na foto a seguir, ele aparece com o cantor e compositor feirense Beto Pitombo durante o show:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Mas a relação de Luiz Gonzaga com Feira de Santana se iniciou pelo menos 30 anos antes, quando, em 1954, com seu grande parceiro de composições, Zé Dantas, fez a canção “Feira do Gado”, onde Feira é citada diretamente em sua letra.

(Na verdade, bem antes de 1954 ele já entrava e saía em Feira. Em 18 de outubro de 1953, diz Adilson Simas, “o Rei do Baião volta a Feira para mais uma exibição. Com a presença de grande público o famoso sanfoneiro se apresenta no Edifício Euterpe, acompanhado por Zequinha e Catamilho”).

No ano em que recebeu o título de cidadão feirense ele regravou a música com Fagner, para a honra dos feirenses. Veja a versão:

 


Sobre o (a) autor (a):