As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses:

“Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise do Abrigo Nordestino aos salões da Euterpe Feirense, foi uma dessas personalidades, que montado a cavalo desfilou pelas ruas da princesa ao lado de José Fróes da Motta e seguido por muitas jovens.”

Segue a fotografia que acompanha o relato de Adilson:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Luiz Gonzaga em Feira de Santana (1973)

Como citado, Luiz Gonzaga recebeu o título de cidadão feirense, no ano de 1984, uma concessão da Câmara de Vereadores de Feira de Santana. Segue a íntegra da resolução que deixou na história de Feira a presença do Gonzagão por aqui:

RESOLUÇÃO Nº 152/1984

DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE TÍTULO DE CIDADÃO FEIRENSE.

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e, eu na qualidade de seu Presidente, promulgo a seguinte Resolução na conformidade do Artigo 78, § 2º, ítem IX da Lei 3531 de 10 de novembro de 1976.

Art. 1º Fica concedido o Título de Cidadão da Cidade de Feira de Santana, ao Sr. LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO.

Art. 2º A Mesa Diretiva da Câmara Municipal de Feira de Santana, providenciará a impressão do Título, que será entregue em Sessão Solene convocada especialmente para esse fim.

Art. 3º As despesas decorrentes da execução desta Resolução correrão por conta de verba existente na Secretaria desta Casa.

Art. 4º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua promulgação, revogadas as disposições em contrário.

MESA DIRETIVA DA CÂMARA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA (BA) EM 14 DE MAIO DE 1984.

DIVAL FIGUEIREDO MACHADO
Presidente

JOSÉ FLANTILDES RIBEIRO DE OLIVEIRA
1º Secretário

JOSÉ BARTOLOMEU RIBEIRO ZECA MARQUES
2º Secretário

A seguir, foto de Luiz Gonzaga pouco antes de receber o título:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Na ocasião, Gonzagão fez um show no hoje extinto Clube de Campo Cajueiro. Na foto a seguir, ele aparece com o cantor e compositor feirense Beto Pitombo durante o show:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Mas a relação de Luiz Gonzaga com Feira de Santana se iniciou pelo menos 30 anos antes, quando, em 1954, com seu grande parceiro de composições, Zé Dantas, fez a canção “Feira do Gado”, onde Feira é citada diretamente em sua letra.

(Na verdade, bem antes de 1954 ele já entrava e saía em Feira. Em 18 de outubro de 1953, diz Adilson Simas, “o Rei do Baião volta a Feira para mais uma exibição. Com a presença de grande público o famoso sanfoneiro se apresenta no Edifício Euterpe, acompanhado por Zequinha e Catamilho”).

No ano em que recebeu o título de cidadão feirense ele regravou a música com Fagner, para a honra dos feirenses. Veja a versão:

 


Sobre o (a) autor (a):