As Feiras de Feira de Santana

3 Peças de Teatro em setembro

3 peças teatrais imperdíveis que estarão em Feira em setembro

A cena teatral em Feira de Santana é intensa e fértil, com a produção de muitos espetáculos de repercussão e visibilidade nacional, além da recepção de peças de outras partes do país que encontram na cidade acolhimento para suas apresentações. Só para tomar um exemplo, em Feira ocorre um dos maiores festivais de teatro infantil do Brasil – o FENATIFS, que já está organizando sua 12ª edição para 2019. Nesse mês de setembro de 2019, o feirense terá a oportunidade de preencher sua programação com três espetáculos de muita qualidade, abordando a vida de figuras de relevância histórica: a pintora

Augusto Aras e Feira de Santana

A relação do Procurador de Bolsonaro com Feira de Santana

Quem acompanha o noticiário político nacional tem visto o debate em torno da indicação de Antônio Augusto Brandão de Aras para o cargo de Procurador Geral da República, feita pelo presidente Jair Bolsonaro. O que poucos feirenses sabem, entretanto, é que Augusto Aras tem íntima relação com Feira de Santana. Augusto é filho do ex-vereador Roque Aras, que exerceu o mandato na Câmara Municipal feirense entre 1971 e 1975 pelo MDB – partido que fazia oposição ao Regime Militar à época. Roque Aras foi também Deputado Estadual (1975-1979) e Deputado Federal (1979-1983). De acordo com o jornalista Dimas Oliveira, Augusto

Podcast para quem merece

O irreverente “Podcast para quem merece”

É crescente a quantidade de pessoas que consome conteúdo em áudio, no Brasil e no exterior. Dos áudiolivros aos podcasts, muitos usuários aproveitam os momentos de ócio em filas, no transporte ou mesmo nas tarefas domésticas para ouvir notícias, debates, aulas etc. A Rede Globo, por exemplo, percebeu a tendência, e lançou recentemente vários podcasts para sua audiência. Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde o usuário quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio,

Escola Municipal Maria Andiara Silva Souza

A (falta de) estrutura de uma escola em Jaguara

A diretora da APLB/Feira, professora Marlede Oliveira, visitou na última quarta-feira (4), a Escola Municipal Maria Andiara Silva Souza que fica localizada no Povoado da Barra no Distrito de Jaguara. Na escola foi constatado que: A Escola funciona com apenas duas salas de aula e uma professora para lecionar Infantil, 1° ano, 2° ano, 3° ano, 4º ano e o 5° ano; A professora não tem Reserva de 1/3 da Carga Horária; A Escola não tem Internet nem Coordenador Pedagógico. Metas do IDEB Desde 2011, Feira não atinge as metas do Ideb para os anos iniciais do Ensino Fundamental. O

“não é pressa, é saudade dela”

“Não é pressa, é saudade dela”

No auge da minha adolescência – nem faz muito tempo assim – eu tinha uma vontade: viajar por aí de caminhão. Pegar umas caronas com os caminhoneiros e partir sem um rumo certo. Apenas vivendo um momento de cada vez, em cada rodovia e estrada desse nosso tão grande país. Mas a vida adulta chega trazendo responsabilidades e os anseios por aventuras adormecem um pouco. Enquanto lembrava disso, percebi que a figura do caminhoneiro é um tanto fascinante… Observe que todos os meus anseios da adolescência é algo rotineiro para eles. Os caras não param, vivem o momento seja lá

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses:

“Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise do Abrigo Nordestino aos salões da Euterpe Feirense, foi uma dessas personalidades, que montado a cavalo desfilou pelas ruas da princesa ao lado de José Fróes da Motta e seguido por muitas jovens.”

Segue a fotografia que acompanha o relato de Adilson:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Luiz Gonzaga em Feira de Santana (1973)

Como citado, Luiz Gonzaga recebeu o título de cidadão feirense, no ano de 1984, uma concessão da Câmara de Vereadores de Feira de Santana. Segue a íntegra da resolução que deixou na história de Feira a presença do Gonzagão por aqui:

RESOLUÇÃO Nº 152/1984

DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE TÍTULO DE CIDADÃO FEIRENSE.

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e, eu na qualidade de seu Presidente, promulgo a seguinte Resolução na conformidade do Artigo 78, § 2º, ítem IX da Lei 3531 de 10 de novembro de 1976.

Art. 1º Fica concedido o Título de Cidadão da Cidade de Feira de Santana, ao Sr. LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO.

Art. 2º A Mesa Diretiva da Câmara Municipal de Feira de Santana, providenciará a impressão do Título, que será entregue em Sessão Solene convocada especialmente para esse fim.

Art. 3º As despesas decorrentes da execução desta Resolução correrão por conta de verba existente na Secretaria desta Casa.

Art. 4º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua promulgação, revogadas as disposições em contrário.

MESA DIRETIVA DA CÂMARA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA (BA) EM 14 DE MAIO DE 1984.

DIVAL FIGUEIREDO MACHADO
Presidente

JOSÉ FLANTILDES RIBEIRO DE OLIVEIRA
1º Secretário

JOSÉ BARTOLOMEU RIBEIRO ZECA MARQUES
2º Secretário

A seguir, foto de Luiz Gonzaga pouco antes de receber o título:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Na ocasião, Gonzagão fez um show no hoje extinto Clube de Campo Cajueiro. Na foto a seguir, ele aparece com o cantor e compositor feirense Beto Pitombo durante o show:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Mas a relação de Luiz Gonzaga com Feira de Santana se iniciou pelo menos 30 anos antes, quando, em 1954, com seu grande parceiro de composições, Zé Dantas, fez a canção “Feira do Gado”, onde Feira é citada diretamente em sua letra.

(Na verdade, bem antes de 1954 ele já entrava e saía em Feira. Em 18 de outubro de 1953, diz Adilson Simas, “o Rei do Baião volta a Feira para mais uma exibição. Com a presença de grande público o famoso sanfoneiro se apresenta no Edifício Euterpe, acompanhado por Zequinha e Catamilho”).

No ano em que recebeu o título de cidadão feirense ele regravou a música com Fagner, para a honra dos feirenses. Veja a versão:

 


Sobre o (a) autor (a):