Rio Jacuípe

Alcina Dantas

Alcina Gomes Dantas: a primeira mulher radialista de Feira

É indiscutível a tradição do radiojornalismo em Feira de Santana, que há décadas leva entretenimento, informação e cultura aos feirenses através das diversas emissoras na cidade. Na história do rádio feirense, é fundamental destacar a importância de Alcina Gomes Dutra, a primeira mulher radialista de Feira de Santana. Nascida em Itaberaba, em 30 de setembro de 1895, Alcina aprendeu música e canto com o pai, Roberto Lídio Dantas. Tocava piano, violino e violão. Com sua veia artística, fundou o programa radiofônico “Brasil de Amanhã”, na Rádio Cultura, que objetivava descobrir talentos musicais adultos e infantis. A escritora Neuza de Brito

Feira Noise Festival 2018

A programação completa do Feira Noise Festival 2018

O Feira Noise Festival divulgou as atrações que se apresentarão em sua oitava edição. O evento acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, em Feira de Santana (BA). Mais de 30 bandas e artistas estão confirmados, entre eles importantes nomes da música brasileira contemporânea como Attoxxa, Boogarins, Drik Barbosa, Eddie, Letrux e Scalene. Da cena local, se destacam nomes como Iorigun, Roça Sound e Clube de Patifes. “O Feira Noise é um sonho que a gente realiza por etapas, ano a ano vamos trazendo atrações que tem uma história mais longa na

Quixabeira da Matinha em Portugal

Quixabeira da Matinha realizará apresentação em Lisboa

O grupo cultural Quixabeira da Matinha estará entre os dias 25 e 27 de outubro, em Oeiras, divisão administrativa de Lisboa, Portugal, realizando apresentações no evento “Semana Cultural da Bahia”, organizado pela Associação Luso Afro Cultural Brasileira Muxima. Dentre as atividades previstas estão o show temático “Quilombo, luta e resistência”, a ser apresentado com cerca de 2 horas de duração, com repertório próprio e homenageando outros artistas da cultura popular. Além disso, os integrantes também realizarão oficinas de samba de roda e de percussão a fim de popularizar ao público português a identidade musical do samba rural. A Quixabeira da

O golpista da Kalilândia

O golpista da Kalilândia

Era noite de 8 de maio de 1964 em Feira de Santana, sexta-feira. Num dia comum, àquela hora, quase meia-noite, Raimundo já teria vestido o pijama listrado e colocado cuidadosamente os chinelos no centro da lateral direita da cama – parte do rigoroso método que cumpria antes de dormir. Naquela sexta, o entusiasmo permitia-lhe descumprir o costume e sentir o fervor da vitória, um passo veemente de Feira rumo à civilização. A comemoração de Raimundo consistia em limpar cuidadosamente o Smith & Wesson herdado do avô. Um ato fora de hora, extraordinário, já que o fazia diariamente pela manhã, antes do

Coreto da Praça Froes da Motta

Coreto da Froes da Motta vai completar 100 anos

Depois de construir o casarão que hoje abriga a Fundação Cultural Egberto Costa, em 1902, o intendente Agostinho Froes da Motta determinou, em 1919, a construção do coreto na atual praça Froes da Motta. Até hoje a construção subsiste, contracenando com as palmeiras imperiais que vão, aos poucos, morrendo, e com os oitizeiros frondosos que abrigam incontáveis pardais que chilreiam de maneira incessante nos inícios de manhã e fins de tarde. Ano que vem – vale ressaltar – o coreto completa um século. A descrição do equipamento está em publicação do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, o

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses:

“Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise do Abrigo Nordestino aos salões da Euterpe Feirense, foi uma dessas personalidades, que montado a cavalo desfilou pelas ruas da princesa ao lado de José Fróes da Motta e seguido por muitas jovens.”

Segue a fotografia que acompanha o relato de Adilson:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Luiz Gonzaga em Feira de Santana (1973)

Como citado, Luiz Gonzaga recebeu o título de cidadão feirense, no ano de 1984, uma concessão da Câmara de Vereadores de Feira de Santana. Segue a íntegra da resolução que deixou na história de Feira a presença do Gonzagão por aqui:

RESOLUÇÃO Nº 152/1984

DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE TÍTULO DE CIDADÃO FEIRENSE.

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e, eu na qualidade de seu Presidente, promulgo a seguinte Resolução na conformidade do Artigo 78, § 2º, ítem IX da Lei 3531 de 10 de novembro de 1976.

Art. 1º Fica concedido o Título de Cidadão da Cidade de Feira de Santana, ao Sr. LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO.

Art. 2º A Mesa Diretiva da Câmara Municipal de Feira de Santana, providenciará a impressão do Título, que será entregue em Sessão Solene convocada especialmente para esse fim.

Art. 3º As despesas decorrentes da execução desta Resolução correrão por conta de verba existente na Secretaria desta Casa.

Art. 4º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua promulgação, revogadas as disposições em contrário.

MESA DIRETIVA DA CÂMARA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA (BA) EM 14 DE MAIO DE 1984.

DIVAL FIGUEIREDO MACHADO
Presidente

JOSÉ FLANTILDES RIBEIRO DE OLIVEIRA
1º Secretário

JOSÉ BARTOLOMEU RIBEIRO ZECA MARQUES
2º Secretário

A seguir, foto de Luiz Gonzaga pouco antes de receber o título:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Na ocasião, Gonzagão fez um show no hoje extinto Clube de Campo Cajueiro. Na foto a seguir, ele aparece com o cantor e compositor feirense Beto Pitombo durante o show:

Luiz Gonzaga em Feira de Santana

Mas a relação de Luiz Gonzaga com Feira de Santana se iniciou pelo menos 30 anos antes, quando, em 1954, com seu grande parceiro de composições, Zé Dantas, fez a canção “Feira do Gado”, onde Feira é citada diretamente em sua letra.

(Na verdade, bem antes de 1954 ele já entrava e saía em Feira. Em 18 de outubro de 1953, diz Adilson Simas, “o Rei do Baião volta a Feira para mais uma exibição. Com a presença de grande público o famoso sanfoneiro se apresenta no Edifício Euterpe, acompanhado por Zequinha e Catamilho”).

No ano em que recebeu o título de cidadão feirense ele regravou a música com Fagner, para a honra dos feirenses. Veja a versão:

 


Sobre o (a) autor (a):