As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Uma dose de Lívia contra o câncer

Lívia Oliveira é dessas raras pessoas que nos fazem repensar a nossa própria vida. Imagine-se recebendo um diagnóstico de câncer hoje. Imagine-se ainda lutando contra ele daqui a 5 anos. Aposto que você não imaginou que depois desse tempo você estaria sorrindo, com sede de vida e ainda dando vigor à vida das pessoas ao seu redor. Se isso lhe parece impossível, você precisa de uma dose de Lívia. Se você conhece uma pessoa que tem tentado vencer o placar contra o câncer, ofereça-lhe uma dose de Lívia.

Com uma árvore genealógica marcada por casos de câncer, ela recebeu o diagnóstico do “carcinoma ductal invasivo” no final de 2010, aos 31 anos de idade. Desde então, vence batalhas diárias contra a doença. Mesmo após um ano inteiro de tratamento, de uma mastectomia radical e da recente descoberta de uma metástase óssea, Lívia carrega uma força contagiosa e uma enorme vontade de viver e ajudar as pessoas a se prevenirem. Ou a encararem a doença de uma nova forma.

Por conta disso, surgiu a ideia de um ensaio fotográfico. O resultado foi postado em sua rede social e a surpreendeu pela enorme quantidade de curtidas e compartilhamentos. A ponto de, recentemente, ter sido convidada por jornais, rádios e eventos locais. “Eu sentia que eu tinha de falar para as pessoas. Tinha que mostrar que comigo, com 31 anos de idade, fazendo acompanhamento, aconteceu. Então… pode acontecer com qualquer pessoa”. E, por meio do ensaio, pôde mostrar uma realidade próxima, sem omissões, sem maquiagem, numa espécie de “a vida como ela é”. E como disse Lívia, “ela é possível”.

Livia Oliveira

Como se deu a descoberta do câncer?

“Parece que a gente vive num mundo que você está fora do câncer de mama. O câncer de mama existe, mas bem longe de você. E quando você recebe o diagnóstico, você diz ‘poxa, ele é real, ele pode acontecer mesmo com qualquer pessoa’”.

Um ano antes do diagnóstico, em 2009, ela havia descoberto um nódulo na mama direita. Buscou um mastologista e descobriu que, na verdade, havia nódulo nas duas mamas. Fez a cirurgia, com resultado negativo para neoplasia. Um ano depois, em 2010, ainda acompanhada pelo mastologista, fez o autoexame e sentiu um novo nódulo. E veio o diagnóstico, seguido da mastectomia radical e do ano inteiro de 2011 em tratamentos de quimioterapia, radioterapia e fisioterapia.

O preconceito existe. Como lidar com ele?

Confessei a Lívia o quão eu achava delicada a entrevista e a insuficiência das minhas perguntas frente à história de vida dela. E pedi que ela falasse sobre o que eu não conhecia, sobre o que as pessoas precisam saber. “Eu não tenho dificuldade em falar do câncer de mama e contar como foi. A gente passa por várias etapas, vários processos.” E continuou: “Desde quando eu descobri, a minha família queria esconder. E eu vejo isso como um preconceito. As pessoas têm preconceito. Hoje menos. O Outubro Rosa é um evento que é muito forte. As pessoas falam muito e já se discute muito. Mas em 2012, na época em que eu tive, ainda se tinha muito preconceito. (…) Eu via amigas de minha avó que cuspiam no chão pra falar o nome ‘câncer’. Ou então não falavam, falavam ‘a doença’”. Ao tirar foto na época em que estava careca, chegou a ouvir ‘Não tira não que é feio’. “E eu achava aquilo [tirar foto] tão natural! (…) Então, a gente vai levando na brincadeira, tentando tirar humor, né? Mesmo enjoando, porque eu enjoei muito, a quimioterapia ainda é um tratamento muito difícil…então… não é fácil, mas é muito possível. O que faz a diferença é como você encara. E você não tem que dar respostas pra ninguém. A resposta você precisa pra você. Não é para o outro.”

Lívia é pedagoga e se manteve afastada do trabalho somente em 2011, durante o primeiro tratamento. Em 2012, ao fazer parte de uma seleção de trabalho, escondeu a sua doença, por receio do preconceito que ela já sabia que acometia muitas pessoas. Além de não ter a mama esquerda, é canhota e temeu que a enxergassem como inapta para o trabalho. Foi selecionada, mas precisou contar aos demais gestores e funcionários sobre a sua luta, não apenas porque se sentia incompleta ao esconder uma parte da sua história, mas também porque recebeu um novo diagnóstico e teria de retomar a quimio e a radioterapia. Diferente do que havia pensado inicialmente, teve um imenso apoio dos colegas de trabalho. “As pessoas me surpreendiam. (…) E esse retorno das pessoas me dava muita segurança e força pra continuar.”

Livia Oliveira

“Eu deixei de ser Lívia e passei a ser ‘a doente’”

“Eu sentia um rótulo, eu perdi a identidade, deixei de ser Lívia e passei a ser ‘a doente’”. Não podia viajar porque eu era doente, não podia casar porque eu era doente… E isso tudo aconteceu depois do diagnóstico”. Lívia contou que conheceu o seu marido nas sessões de fisioterapia que precisou fazer após a retirada da mama. Ele era o seu fisioterapeuta. E casaram há pouco, neste ano de 2015. E dissipou, então, a dor de um dia ter escutado um “pra quê casar se você está doente?”.

As terapias alternativas e o Espiritismo

“As terapias alternativas nos ajudam a compreender um pouquinho [sobre o porquê do câncer]. Eu não busco apenas uma explicação científica, mas espiritual também. Então, o reiki foi fundamental pra mim, me ajudou muito”. Lívia contou que teve berço católico, sentia medo da morte e não encontrava respostas para algumas perguntas. Seus questionamentos começaram a ganhar direção quando começou a frequentar o Centro Espírita. Hoje, além dos tratamentos quimioterápicos e do reiki, também faz terapia com uma psicóloga e é assistenciada por um centro espírita da cidade.

Medo da Morte

“Durante esses diagnósticos, a gente passa por muitas fases. Eu tive muitas fases de medo da morte. As meninas que tratavam o câncer de mama comigo na clínica que eu faço tratamento elas faleceram. E eram tão jovens quanto eu. E eu tive de trabalhar essas questões, de ir pra sala, de não vê-las. Encarar a morte pra mim e a notícia da morte delas era muito difícil, mas eu vinha trabalhando, sinalizando na terapia com a psicóloga e no reiki. Então, hoje, eu já lido melhor. Já entendo que, como é uma coisa natural, vai acontecer com todo mundo. Com umas pessoas mais cedo, outras mais tarde. E comigo também. Mas não é isso que vai me fazer desistir de lutar.”

“Eu quero ajudar as outras pessoas”

“Eu já ouvi tantos relatos de mulheres que recebem o diagnóstico e não fazem nada. Ou descobrem que estão com um nódulo e não conseguem fazer uma mamografia. Imagine a quantidade de pessoas que agem da mesma forma!”. E veio a reflexão: “O que é que eu estou fazendo pra que isso seja evitado ou pra que [essas mulheres] encarem o diagnóstico de uma outra forma? Não é fácil. Mas a gente tem de encarar a vida – e os problemas, de uma forma geral – com muita fé. Você tem que acreditar muito nos profissionais que estão com você. O apoio da família é importante. (…) Foi todo um processo que eu passei até chegar a este, de despreendimento. A minha cicatriz não me incomoda. Eu tive, sim, muita vontade de fazer a reconstrução da mama. Mas nunca pude, porque toda vez tinha a questão da proteção, de ainda estar em tratamento, do médico não aconselhar… Eu sou muito vaidosa, mas a vaidade tem o seu lugar. Eu não posso colocar a vaidade acima da minha própria vida. A minha vaidade, hoje, tem o lugar dela, o meu ego tem o lugar dele, eu tenho de pensar mais nas outras pessoas, eu tenho que viver minha vida hoje dentro das limitações, de muitas idas ao médico… Mas a vida é maravilhosa, eu quero viver, eu agradeço por cada dia que eu estou aqui. O tempo que eu ficar aqui eu quero ajudar as outras pessoas.”

 

Fotografia: Milene Farias

Assistente: Cléa Farias


Sobre o (a) autor (a):