As Feiras de Feira de Santana

Centro de Abastecimento de Feira de Santana

O Centro de Abastecimento vai ser privatizado?

De acordo com o líder do governo na Câmara Municipal, vereador Marcos Lima (Patriota), vários empresários querem administrar o Centro de Abastecimento de Feira de Santana. A informação foi repassada durante a sessão desta terça-feira (13), na Casa da Cidadania, ao responder acusações do vereador Roberto Tourinho.   Abandonado Tourinho disse que a situação do Centro de Abastecimento é de abandono, e elencou os seguintes problemas: lixo, mau cheiro, escuridão, tráfico de drogas, prostituição, lama e até homicídios ocorrem no local. Cheiro de Privatização De acordo com Tourinho, o poder público municipal não faz absolutamente nada, diante de tantos problemas:

Cantoras negras feirenses

Cantoras negras são destaque na música de Feira de Santana

Um olhar cuidadoso sobre as expressões musicais em Feira de Santana torna obrigatório reconhecer o fundamental protagonismo das mulheres em nossa música. Para começar, Feira de Santana é uma das poucas cidades do Brasil que tem seu hino composto por uma mulher: Georgina Erismann, no início do século XX, fez o “Hino a Feira”, numa época em que a mulher sequer tinha direito a voto. Uma das mais tradicionais expressões culturais de Feira de Santana, reconhecida internacionalmente, é capitaneada por uma mulher: Dona Chica do Pandeiro é a matriarca da Quixabeira da Matinha, exercendo um papel de liderança que remonta

OzÉbrios

Grupo feirense OzÉbrios estreia no projeto “Samba da Tarde”

Feira de Santana ganha, a partir deste sábado (10) mais um espaço de apreciação do samba: o Container Mall, com o projeto “Samba da Tarde”. Promovido pela Cervejaria Sertões, a iniciativa apresentará o grupo de samba OzÉbrios, comandado pelo cantor e compositor Rafael Damasceno. O projeto visar ocupar as tardes de sábado do Container Mall com o mais puro ritmo do samba raiz. O grupo OzÉbrios receberá convidados celebrando a junção do melhor do samba, dos sabores (dos petiscos) e das cervejas (artesanais), como elementos de entretenimento e opção de lazer na cidade. Além da Cervejaria Sertões, e o Container

Amanda Magalhães - The Voice - Feira

Amanda Magalhães, a feirense que está no The Voice Brasil 2019

Feira de Santana está mais uma vez no The Voice Brasil. Após o sucesso da feirense Paula Sanffer, que participou do programa global em 2015, e hoje é vocalista da Timbalada, é a vez da cantora Amanda Magalhães, que foi selecionada para o time da cantora IZA. Além de cantora, Amanda Magalhães é atriz (atuou no filme feirense “Porque eu te amei“), e desde cedo se dedicou ao serviço na Igreja por meio das artes. Participante do elenco de uma companhia de teatro musical cristã, a jovem de 25 anos se descobriu como cantora através dos personagens que interpretou ao

A Nova Lei feirense sobre apreensão de veículos

A Câmara Municipal de Feira de Santana promulgou nesta terça-feira, 06, a Lei Nº 346/2019, de autoria do vereador  Marcos Antonio dos Santos Lima, que dispõe sobre a apreensão de veículos automotores de duas e quatro rodas nas sextas-feiras, sábados, domingos, feriados e no último dia útil que anteceder a feriados em Feira de Santana. Nestes dias, a diária do pátio terá início no primeiro dia útil subsequente. Retirada de itens pessoais A lei ainda dispõe que ao proprietário(a) do veículo automotor comprovado com documento de identificação oficial com foto será permitido retirar os itens pessoais a qualquer momento após

Povo da Feira #8: Juci, da loja “Pequena Notável”

Ao passar pela Rua Senador Quintino, já nas proximidades da CERB, ninguém desconfia que uma loja simples ali instalada, quase um armarinho, é a consolidação de um sonho de vida. Com 39 anos de idade, Jucileide Bispo criou a “Pequena Notável”, espaço onde vende artigos para presentes, decoração, cosméticos e confecções. Após duas décadas trabalhando em empresas na área de saúde, ela realizou a vontade antiga de ter seu próprio negócio.

“Comecei a trabalhar com 17 anos. Nos lugares onde trabalhei sempre levava alguma coisa pra vender. Confecções, cosmético. Trabalhava com atendimento e vendia as coisas para os colegas”, diz ela como se o trabalho formal em clínicas e laboratórios fosse apenas um jeito de encontrar novos clientes para os seus produtos.

A disposição vem da infância: “Trabalhar com atendimento e com vendas – é o que eu gosto de fazer. Minha mãe sempre trabalhou com vendas, e meu pai sempre trabalhou com o público. Minha mãe sempre vendeu confecções. Meu pai trabalhava com plano de saúde, plano dentário, e sempre me levava. Ele me dizia que eu tinha que conhecer o mundo”.

Juci, da Pequena Notável

Juci teve a primeira filha aos 16 anos. Há 22 anos é casada, mas com o pai de dois outros filhos (um de 14 e uma de 12 anos). Como sustentar uma união de tanto tempo? Ela responde: “paciência, persistência, fé e muito amor. Se não tiver o amor, não supera. Porque, é luta!”.

No início, a filha e o marido passaram por alguns conflitos, a ponto da menina ter ido morar com os avós. Mas hoje, com 23 anos, a jovem está casada e se relaciona bem com o esposo de Juci.

Além dos 20 anos de trabalho formal, Jucileide cursou Segurança do Trabalho durante quatro semestres. Embora diga não entender muito por que gostou do curso, que pretende retomar, ela diz: “Eu sou muito pelo trabalhador, por aquele que faz a empresa crescer. Eu sou muito por eles. Eu trabalhei com patrões ótimos. Mas tem patrão que não valoriza em nada. Tem certos patrões que é só a cabeça deles, e quem precisa, tem que se render. Então, cansa!”.

Ela lembra que ser empregada é difícil, principalmente para quem não tem “aquela estrelinha”: “Tem patrão que tem carisma maior por um funcionário. Por mais que você desempenhe aquele sempre é que vai brilhar mais. Então procurei fazer o que mais gosto”.

Juci, Pequena Notável

Ela chegou a dirigir transporte escolar para complementar a renda de casa, mas acabou abandonando essa atividade para focar na Pequena Notável (o nome foi escolhido pela filha mais nova). Com 2 anos em atividade, Juci se diz realizada. Além de produtos diversos, ela vende camisetas pintadas e artigos de artesanato produzidos por ela própria.

“Gosto de estar procurando novidades. Tudo que é diferente eu gosto de trazer. Procuro coisas de qualidade e diferente que venha atrair os clientes”. Além do trabalho, a espiritualidade preenche seus dias: “Eu sou cristã, então o que me alegra é fazer a obra do Senhor. Essa coisa de sair e viajar, pra mim não flui”.

Essa é Jucileide, uma mulher feliz. Ali, no lugar onde se encontra. Uma pequena notável!


Sobre o (a) autor (a):