As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

O Jogo do Bicho em Feira: folclore, cultura e moralidade

– Seu Zé, me dê esse livro aí! Sonhei com umas coisas essa noite e quero ver o que foi – dizia Barriga apontando para o Grande Livro dos Sonhos, já desgastado e sujo de tantas consultas feitas diariamente.

Após olhar apertando os olhos (reclamava da necessidade de óculos que não tinha conseguido comprar com o salário do mês), afirmou definitivamente:

– É pavão! Venha marcar, Seu Zé. Cinco reais de pavão hoje! E traga uma cerveja! – e batia no balcão convicto da correta interpretação do sonho que teve.

Quem conviveu ou convive no ambiente de muitas bodegas em Feira de Santana já teve contato com cenas assim, onde o jogo do bicho torna-se objeto de especulações místicas, ambições econômicas, cálculos folclóricos ou simplesmente desculpa para tomar uma cerveja e socializar, nem que seja com Seu Zé e outros donos de botecos na cidade. “Vi Tonho semana passada. Hoje deu a placa do fusca 86 que ele tinha. Aquele que virou em indo pra Cabuçú na Copa de 94. Era pra ter jogado!”, lamenta o apostador do bicho, ávido por combinações que comprovem seu potencial de enriquecimento.

O Livro dos Sonhos

O fato é que, no Brasil, o jogo do bicho pode ser tomado como significativa referência das nossas contradições culturais. A loteria foi criada em 1892 pelo Barão João Batista Viana Drummond, fundador do Jardim Zoológico do Rio de Janeiro. A intenção por trás da ideia era nobre: o barão queria atrair mais gente para o zôo, compensando o corte de verbas do governo, que mantinha o lugar. Para alimentar toda a fauna, Drummond mandou imprimir o desenho de 25 bichos nos ingressos. Pontualmente às 5 da tarde, sorteava um deles. Quem tivesse a figura vencedora ganhava 20 vezes o valor da entrada.

O problema é que, dois anos depois, a quantidade de apostas por visitante do zoológico não ficou limitada a uma figurinha, fazendo com que se caracterizasse como jogo de azar, sendo proibido pela Prefeitura carioca um ano depois. Como sabemos, a proibição não teve sucesso, e o jogo do bicho se expandiu nacionalmente, popularizando os bicheiros, que, em vários casos, se uniram com grupos ligados ao tráfico de drogas e de armas, especulação imobiliária, prostituição, jogos eletrônicos, transporte clandestino e por aí vai.

Em sua tese de doutorado na UFPE, a pesquisadora Ana Maria Carvalho dos Santos Oliveira mostra um interessante relato de um colunista do Jornal Folha do Norte em 1951 (em 1944 a Lei de Contravenções Penais já existia, e proibia os jogos de azar), demonstrando preocupação com a proliferação do jogo do bicho na Festa de Santana:

“É uma vergonha o que está acontecendo nesta cidade. A urbe foi transformada em verdadeiro Monte Carlos. A Praça da Matriz dá a impressão de um cassino ao ar livre. E a lei federal que proíbe o jogo ainda está em vigor![…] O que está causando admiração é ter a comissão da Festa consentido na instalação de barracas para a exploração do jogo. A Igreja condena e combate a tavolagem”.

 

Em outro trabalho acadêmico, do pesquisador Carlos Alberto Alves Lima, mostra-se a crítica do semanário “O Coruja” (1956) sobre a presença do jogo do bicho em Feira:

“O jogo essa calamidade pública, esse câncer social, tem em Feira de Santana um campo profícuo. E enquanto o tempo passa, se alastra, mais livre se torna (…). De nada serve a polícia que não policia por ver desrespeitada a lei, por quem deveria fazê-la ser cumprida. E o jogo continua nas barbearias, nos pontos de ônibus, nos bares e principalmente nas bancas do Mercado Municipal, que se transformam em bancas receptoras, afrontando a prefeitura, por se tratar de um de nossos patrimônios (…)”

Jogo do Bicho em Feira

Num ponto de sua pesquisa, Carlos Alberto exibe a preocupação da Folha do Norte (1959) com os vínculos de poder estabelecidos pelo jogo do bicho:

“O jogo do bicho, cancro social, instituiu na Feira, em monopólio partidário, vive sob escancarada proteção da polícia. Da polícia e da desmoralizada situação política infelizmente dominante nesta desgraçada terra. Andamos certamente a clamar no deserto. Mas ninguém se iluda. A Feira é um município que se arruína e desagrega um município em decadência. Decadência territorial, decadência econômica, decadência política e principalmente decadência moral (…)”.

 

Feira de Santana, brotada do encontro de múltiplos viajantes e comerciantes de todas as partes do Brasil, parece ter especial vocação para os traços da cultura tupiniquim que foram caracterizados por Roberto da Matta, melhor do que ninguém, no clássico “Carnaval, malandros e heróis”.

Ele pontua que “É como se tivéssemos duas bases através das quais pensássemos o nosso sistema. No caso das leis gerais e da repressão, seguimos sempre o código burocrático ou a vertente impessoal e universalizante, igualitária, do sistema. Mas no caso das situações concretas, daquelas que a “vida” nos apresenta, seguimos sempre o código das relações e da moralidade pessoal, tomando a vertente do “jeitinho”, da “malandragem” e da solidariedade como eixo de ação. Na primeira escolha, nossa unidade é o indivíduo; na segunda, a pessoa. A pessoa merece solidariedade e um tratamento diferencial. O indivíduo, ao contrário, é o sujeito da lei, foco abstrato para quem as regras e a repressão foram feitos”.

Nesse sentido, o jogo do bicho é um elemento problematizador dessa disposição cultural do brasileiro e, em especial, do feirense.

***

– Porra, Seu Zé! Joguei ontem Pavão e deu hoje. Era pra ter repetido o jogo! Sonho vale três dias! Me dê esse livro aí de novo…


Sobre o (a) autor (a):