Rio Jacuípe

Baile Surrealista

Baile Surrealista tem sétima edição em Feira

O Teatro Arena do Centro de Cultura Amélio Amorim recebe neste sábado, 23, a sétima edição do Baile Surrealista. O Roça Sound e a banda Iorigun estão entre as atrações confirmadas na programação, que começa às 15h. O Baile Surrealista é uma releitura de uma festa francesa que reunia artistas e membros de sociedades secretas na década de 70 e pretende discutir as relações entre arte e esoterismo através da música, dança, artes visuais, tatuagem e oficinas. Nessa edição haverá o lançamento da primeira edição da Revista Subterrânea, um mapa musical da cena alternativa de feira de Santana entre os

Pablo Roberto

Pablo na Oposição?

Pablo na Oposição? O Secretário Municipal de Prevenção à Violência, Pablo Roberto, criticou a Prefeitura Municipal através de suas redes sociais – pela não contratação de algumas bandas locais para a Micareta. “Entendo as questões burocráticas, mas defendo sempre o diálogo. O corte de artistas da terra, que sempre divulgam a nossa festa e a nossa cidade por onde passam, deixa a nossa Micareta com menos identidade e menos brilho”, declarou o secretário. Saudades da Câmara No dia 14 de março, Pablo Roberto publicou em suas redes sociais uma foto dele na Tribuna da Câmara Municipal com a seguinte legenda:

São José

Apesar da expectativa, não choveu no dia de São José

O dia amanheceu com o céu muito limpo na Feira de Santana. Sem nuvens, a luminosidade estava esplendorosa. É que a luz já vai perdendo aquele tom metálico característico do verão e assumindo as cores suavemente alaranjadas do outono. Mais tarde, lá pela metade da manhã, começaram a surgir fiapos de nuvens, muito alvos, na orla que céu. Depois foram avançando aos poucos, encorpando-se, até, às vezes, encobrir o sol por alguns instantes. O cenário passaria despercebido se não fosse pela data: 19 de março é dia de São José, padroeiro da agricultura familiar e das boas colheitas no semiárido

Roça Sound

“Bota o Teu”, o novo Single do Roça Sound

O grupo feirense Roça Sound lançou na última sexta-feira (15) seu novo single, “Bota o teu”. A música traz a sonoridade do funk, com letra de NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e produção do DJ Lerry. Este é mais um single do novo álbum “Tabaréu Moderno”, com previsão de lançamento ainda este ano. Em 2018, o grupo já havia divulgado a faixa “Envolve e não se envolve”, gravada com a Orquestra Reggae de Cachoeira. O lançamento conta ainda com a identidade desenvolvida pelo premiado artista visual Gilmar Machado, conhecido como o “Cartunista das Cavernas”. Até o lançamento do álbum, o Roça

Duquesa

O Clipe “Futurista”, da Rapper Feirense Duquesa

A Rapper Feirense Duquesa acaba de lançar seu novo videoclipe, “Futurista”, produzido pela também feirense Live Filmes. A letra do Rap é da própria Duquesa, que toca de maneira incisiva em questões como machismo e racismo, mostrando os desafios enfrentados por mulheres jovens e negras para se afirmarem na sociedade contemporânea. Antes de assistir ao clipe, vale ler a poesia: Futurista Letra: Duquesa Catastrófica aparição Vejo tudo na minha mão Lutando contra minha ambição Vaidade que cega canção Muito bendita quando incomodo racista, sempre irritando machista Maldita por ser tão bem vista Gero ódio mas comemoro a conquista. Brigo comigo

Lembranças da infância em Feira: jogar gude

Jogar gude, sem dúvidas, era uma das principais brincadeiras da infância da gurizada em Feira. Algumas bolinhas de gude e uma área de terra pra que a diversão fosse garantida. Não é mais tão comum nos dias de hoje, mas era muito fácil, ao passar pelas ruas, ver a molecada com o saquinho cheio daquelas bolinhas, no terreiro, por horas a fio brincando. Nesse texto, vamos trazer um pouco das lembranças dessa época.

Tipos de gude

Vidro: Feitas de vidro maciço e geralmente de cor verde-azulada eram mais populares e baratas. Eram bem fáceis de encontrar em qualquer armarinho. Outro tipo menos comum e um pouco mais caro era a gude carambola, feita de vidro transparente com faixas coloridas no seu interior, que se assemelhava com a fruta carambola. Tinha um efeito muito bonito ao girar, mas custava dez vezes mais que a bolinha comum.

Metal: Essas eram extraídas de sucatas de peças industriais ou de carros, os rolamentos, e eram de ferro maciço. Por não serem vendidas, eram muito disputadas e se destacavam pelo peso.

Maneiras de jogo

A brinquedo: Consistia em jogar somente pra diversão, sem apostar as bolas de gude. Apesar de menos emocionante, era mais seguro.

A vera: Aqui a coisa ficava séria. Jogava-se apostando as próprias bolas de gude nas partidas, era muito comum começar a jogar com os bolsos cheios e voltar pra casa sem elas.

Modalidades de jogo

Buraco: Eram feitos três ou mais buracos no chão e os jogadores tinham que fazer um percurso de ida e volta acertando a gude nos buracos, e no caminho, batendo nas gudes do adversário, pra tentar afastar-las do objetivo.

Triângulo ou pão: É desenhado um triângulo no chão onde os participantes colocam, cada um, uma quantidade de bolinhas combinada. O objetivo é arremessar uma bolinha pra forçar a retirada das gudes dentro do desenho. Acertar na gude do adversário o retira da partida. Cabe aqui bastante estratégia em decidir em quem focar, se no adversário ou nas gudes do triângulo. O vencedor levava todas as bolinhas de dentro do triângulo.

O mata: Cada um usa somente uma gude e o jogo consiste em acertar a do adversário. Quem conseguir acertar todos os adversários e não ser atingido, vence a partida. Havia uma variação, chamada de 7, 14 e 21, que é o mesmo “mata”, porém, deve-se acertar três vezes na gude dos outros.

Como todo jogo ou esporte praticado, ao longo dos anos vai-se criando uma linguagem peculiar, termos e gírias usados corriqueiramente em cada região do país, nas partidas e só são conhecidos por quem pratica. Seguem alguns dos termos mais usados em nossa região.

Vocabulário

Altinha e baixinha: Termos usados para definir se a jogada seria feita de pé ou agachado.

Descaída: Termo usado pras jogadas em que o participante deixava seu corpo cair, simulando uma queda, quando jogando de pé, pra se aproximar da gude alheia, facilitando o acerto ao alvo.

Suculavão: Usado pra designar o arremesso exagerado, pra longe, da gude principal do jogador pra dificultar o acerto pelo adversário.

Casar: Era o ato de apostar certa quantidade de gudes, por pessoa. Exemplo: Cada um “casa” duas – cada participante aposta duas gudes na partida.

Chave e palmo: Unidades de medida feitas com a mão para aproximar a gude dos objetivos. A chave é feita do polegar ao indicador, esticados e o palmo, do dedo mindinho ao polegar. Usados quando se joga abaixado.

Top: Apelido dado àquela gude preferida, que se encaixava mais aos dedos e possuía forma mais uniforme, fazendo menos curva nas jogadas. Havia um ritual de dar umas batidinhas na gude top em uma outra, antes de cada jogada, pra trazer sorte.

Matar: Acertar a gude do oponente, forçando a sua saída da partida.

Ainda deve haver, nos dias de hoje, algumas crianças que ainda jogam gude, mas quem já passou dos vinte anos de idade, com certeza deve ter alguma lembrança especial relacionada à sua infância ao relembrar essa maravilhosa brincadeira.


Sobre o (a) autor (a):