As Feiras de Feira de Santana

Centro de Abastecimento de Feira de Santana

O Centro de Abastecimento vai ser privatizado?

De acordo com o líder do governo na Câmara Municipal, vereador Marcos Lima (Patriota), vários empresários querem administrar o Centro de Abastecimento de Feira de Santana. A informação foi repassada durante a sessão desta terça-feira (13), na Casa da Cidadania, ao responder acusações do vereador Roberto Tourinho.   Abandonado Tourinho disse que a situação do Centro de Abastecimento é de abandono, e elencou os seguintes problemas: lixo, mau cheiro, escuridão, tráfico de drogas, prostituição, lama e até homicídios ocorrem no local. Cheiro de Privatização De acordo com Tourinho, o poder público municipal não faz absolutamente nada, diante de tantos problemas:

Cantoras negras feirenses

Cantoras negras são destaque na música de Feira de Santana

Um olhar cuidadoso sobre as expressões musicais em Feira de Santana torna obrigatório reconhecer o fundamental protagonismo das mulheres em nossa música. Para começar, Feira de Santana é uma das poucas cidades do Brasil que tem seu hino composto por uma mulher: Georgina Erismann, no início do século XX, fez o “Hino a Feira”, numa época em que a mulher sequer tinha direito a voto. Uma das mais tradicionais expressões culturais de Feira de Santana, reconhecida internacionalmente, é capitaneada por uma mulher: Dona Chica do Pandeiro é a matriarca da Quixabeira da Matinha, exercendo um papel de liderança que remonta

OzÉbrios

Grupo feirense OzÉbrios estreia no projeto “Samba da Tarde”

Feira de Santana ganha, a partir deste sábado (10) mais um espaço de apreciação do samba: o Container Mall, com o projeto “Samba da Tarde”. Promovido pela Cervejaria Sertões, a iniciativa apresentará o grupo de samba OzÉbrios, comandado pelo cantor e compositor Rafael Damasceno. O projeto visar ocupar as tardes de sábado do Container Mall com o mais puro ritmo do samba raiz. O grupo OzÉbrios receberá convidados celebrando a junção do melhor do samba, dos sabores (dos petiscos) e das cervejas (artesanais), como elementos de entretenimento e opção de lazer na cidade. Além da Cervejaria Sertões, e o Container

Amanda Magalhães - The Voice - Feira

Amanda Magalhães, a feirense que está no The Voice Brasil 2019

Feira de Santana está mais uma vez no The Voice Brasil. Após o sucesso da feirense Paula Sanffer, que participou do programa global em 2015, e hoje é vocalista da Timbalada, é a vez da cantora Amanda Magalhães, que foi selecionada para o time da cantora IZA. Além de cantora, Amanda Magalhães é atriz (atuou no filme feirense “Porque eu te amei“), e desde cedo se dedicou ao serviço na Igreja por meio das artes. Participante do elenco de uma companhia de teatro musical cristã, a jovem de 25 anos se descobriu como cantora através dos personagens que interpretou ao

A Nova Lei feirense sobre apreensão de veículos

A Câmara Municipal de Feira de Santana promulgou nesta terça-feira, 06, a Lei Nº 346/2019, de autoria do vereador  Marcos Antonio dos Santos Lima, que dispõe sobre a apreensão de veículos automotores de duas e quatro rodas nas sextas-feiras, sábados, domingos, feriados e no último dia útil que anteceder a feriados em Feira de Santana. Nestes dias, a diária do pátio terá início no primeiro dia útil subsequente. Retirada de itens pessoais A lei ainda dispõe que ao proprietário(a) do veículo automotor comprovado com documento de identificação oficial com foto será permitido retirar os itens pessoais a qualquer momento após

Lembranças da infância em Feira: jogar gude

Jogar gude, sem dúvidas, era uma das principais brincadeiras da infância da gurizada em Feira. Algumas bolinhas de gude e uma área de terra pra que a diversão fosse garantida. Não é mais tão comum nos dias de hoje, mas era muito fácil, ao passar pelas ruas, ver a molecada com o saquinho cheio daquelas bolinhas, no terreiro, por horas a fio brincando. Nesse texto, vamos trazer um pouco das lembranças dessa época.

Tipos de gude

Vidro: Feitas de vidro maciço e geralmente de cor verde-azulada eram mais populares e baratas. Eram bem fáceis de encontrar em qualquer armarinho. Outro tipo menos comum e um pouco mais caro era a gude carambola, feita de vidro transparente com faixas coloridas no seu interior, que se assemelhava com a fruta carambola. Tinha um efeito muito bonito ao girar, mas custava dez vezes mais que a bolinha comum.

Metal: Essas eram extraídas de sucatas de peças industriais ou de carros, os rolamentos, e eram de ferro maciço. Por não serem vendidas, eram muito disputadas e se destacavam pelo peso.

Maneiras de jogo

A brinquedo: Consistia em jogar somente pra diversão, sem apostar as bolas de gude. Apesar de menos emocionante, era mais seguro.

A vera: Aqui a coisa ficava séria. Jogava-se apostando as próprias bolas de gude nas partidas, era muito comum começar a jogar com os bolsos cheios e voltar pra casa sem elas.

Modalidades de jogo

Buraco: Eram feitos três ou mais buracos no chão e os jogadores tinham que fazer um percurso de ida e volta acertando a gude nos buracos, e no caminho, batendo nas gudes do adversário, pra tentar afastar-las do objetivo.

Triângulo ou pão: É desenhado um triângulo no chão onde os participantes colocam, cada um, uma quantidade de bolinhas combinada. O objetivo é arremessar uma bolinha pra forçar a retirada das gudes dentro do desenho. Acertar na gude do adversário o retira da partida. Cabe aqui bastante estratégia em decidir em quem focar, se no adversário ou nas gudes do triângulo. O vencedor levava todas as bolinhas de dentro do triângulo.

O mata: Cada um usa somente uma gude e o jogo consiste em acertar a do adversário. Quem conseguir acertar todos os adversários e não ser atingido, vence a partida. Havia uma variação, chamada de 7, 14 e 21, que é o mesmo “mata”, porém, deve-se acertar três vezes na gude dos outros.

Como todo jogo ou esporte praticado, ao longo dos anos vai-se criando uma linguagem peculiar, termos e gírias usados corriqueiramente em cada região do país, nas partidas e só são conhecidos por quem pratica. Seguem alguns dos termos mais usados em nossa região.

Vocabulário

Altinha e baixinha: Termos usados para definir se a jogada seria feita de pé ou agachado.

Descaída: Termo usado pras jogadas em que o participante deixava seu corpo cair, simulando uma queda, quando jogando de pé, pra se aproximar da gude alheia, facilitando o acerto ao alvo.

Suculavão: Usado pra designar o arremesso exagerado, pra longe, da gude principal do jogador pra dificultar o acerto pelo adversário.

Casar: Era o ato de apostar certa quantidade de gudes, por pessoa. Exemplo: Cada um “casa” duas – cada participante aposta duas gudes na partida.

Chave e palmo: Unidades de medida feitas com a mão para aproximar a gude dos objetivos. A chave é feita do polegar ao indicador, esticados e o palmo, do dedo mindinho ao polegar. Usados quando se joga abaixado.

Top: Apelido dado àquela gude preferida, que se encaixava mais aos dedos e possuía forma mais uniforme, fazendo menos curva nas jogadas. Havia um ritual de dar umas batidinhas na gude top em uma outra, antes de cada jogada, pra trazer sorte.

Matar: Acertar a gude do oponente, forçando a sua saída da partida.

Ainda deve haver, nos dias de hoje, algumas crianças que ainda jogam gude, mas quem já passou dos vinte anos de idade, com certeza deve ter alguma lembrança especial relacionada à sua infância ao relembrar essa maravilhosa brincadeira.


Sobre o (a) autor (a):