Rio Jacuípe

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Fervura Feira Noise

Fervura Feira Noise antecipa o maior Festival de Artes Integradas da Bahia

O Feira Noise – Festival de Artes Integradas, anunciou oficialmente as datas da sua oitava edição, que acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, aqui em Feira. Apesar da programação do festival ainda não ter sido divulgada, o Feira Coletivo Cultural, produtora que assina o evento, realiza no próximo dia 7 de setembro a primeira edição do Fervura Feira Noise 2018, com a apresentação de grandes atrações a partir das 21h, no Jhonnie Club (Rua São Domingos). A banda feirense Sofie Jell se junta ao cantor e compositor Balaio, de Vitória da

Lembranças da infância em Feira: computador, Internet discada e mIRC

Nos dias de hoje, estar conectado à internet é quase uma obrigação. Seja nos smartphones ou nos computadores, estamos sempre antenados e usamos a rede pra se comunicar e informar diariamente. Usamos e abusamos das facilidades que a internet nos proporciona. Mas, quem nasceu em meados dos anos 80, ou um pouco antes, pôde perceber que nem sempre foi assim. Pode parecer muito tempo, mas não é. Impressionante é a velocidade vertiginosa em que a internet se popularizou e se consolidou, mas, vamos relembrar de quando não era tão fácil assim.

Para conectar-se à internet eram usados pulsos telefônicos, e, pra economizar na conta de telefone, era necessário esperar até meia noite, nos dias de semana; sábados a partir das 14h, e aos domingos o dia todo. Nesses horários pagava-se o custo de uma ligação local, que era um único pulso. Quem passou por isso sabe o que é ficar contando os minutos pra dar 00h. Sem contar que, ao conectar, o telefone ficava impossibilitado de receber ligações, o que causava transtornos em casa.

Os sistemas operacionais eram o Windows 95 ou 98. Nada das interfaces bem coloridas que existem hoje. O mouse era de bolinha, o monitor de tubo de imagem, o modem era dial-up e a mídia removível era o disquete, que armazenava impressionantes 1,44MB. Drive de Cd ROM era artigo de luxo e equipava os computadores mais avançados.

“Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.”

A velocidade de conexão da internet era de 56 kbps. Baixar arquivos era demorado e, dependendo do tamanho, poderia levar muito tempo. Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.

Não havia Youtube nem Orkut. Muito menos Facebook. O meio de comunicação amplamente usado era o mIRC, que era o principal cliente de IRC. O usuário baixava o programa, definia um nickname (apelido) e se conectava ao servidor. Não havia imagens e a interface era composta de caracteres escritos.

Windows 95

Se o mIRC era o local de encontro, os canais eram como casas e reuniam as pessoas por interesses ou por localidade. Os usuários dos canais podiam ser classificados em três tipos, operadores, voices e usuários comuns:

Operadores: Também conhecidos como OPs, eram uma espécie de moderadores dos canais e se posicionavam na parte superior da lista de usuários. Possuiam o nome em vermelho e os seus Nicks iniciavam com uma “@”. Tinham autonomia para dar punições e expulsar usuários que não se comportavam de acordo com as regras dos canais.

Voices: Se posicionavam logo abaixo dos operadores e tinham o Nick na cor azul. Recebiam um “+” antes de seu apelido e eram considerados vips. Apesar de não ter muita autonomia era um prestígio e representava popularidade ser um voice. Geralmente tinham amizades com os operadores.

Usuário comum: Seu Nick era na cor preta e não tinha prefixos. Eram o restante das pessoas que frequentavam o ambiente virtual.

Havia ainda o privado, que era conhecido como PVT. Com um clique duplo em cima do Nick do usuário abria-se uma janela particular, e a conversa transcorria de forma particular. Muito bom pra paquerar, tratar de assuntos pessoais ou trocar arquivos. Era usado também por quem simplesmente não conseguia acompanhar a enxurrada de informações que eram compartilhadas nos canais.

Os nomes dos canais eram iniciados por “#”. Alguns dos canais mais famosos de Feira eram os canais: #feira, #rockcia, #blz, #cabucu. Possuíam centenas de usuários ativos que atingiam picos nos fins de semana. Até hoje, é bem fácil lembrar o Nick de alguns operadores do canal #feira, tamanha era a popularidade.

“Confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar”.

A troca de fotos era algo bem difícil. A fotografia digital ainda era muito cara e não acessível no Brasil, e poucas pessoas tinham scanner em casa, pra digitalizar fotos suas e mandar pra outras pessoas. Para ver as pessoas eram feitas reuniões chamadas IRContros. A senha para participar dos IRContros eram camisetas. Os operadores confeccionavam e vendiam camisetas com o nome do canal e o apelido do usuário, escrito nas costas. Era marcado um horário, geralmente em lugares bem movimentados, para que os usuários se encontrassem. Nesse momento se descobria quem era a pessoa que estava por trás do apelido.

Às vezes levavam meses ou até anos para conhecer pessoalmente aquela pessoa que passava horas a fio conversando pelo mIRC. Alguns tinham vergonha, outros medo, alguns até preferiam se manter no anonimato, entretanto, quem se habilitava, acabava fazendo muitas amizades. Rolava bastante paquera e, nos dias de hoje, não é difícil encontrar famílias formadas por pessoas que se conheceram nessa época e acabaram se relacionando.

Apesar da enxurrada de informações que vivemos nos dias de hoje, a facilidade de acesso à internet e o uso extensivo da imagem, confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar. Sinto saudades também do charme de bater papo e se relacionar, contido no mIRC. Fiz boas amizades nessa época, e algumas duram até os dias de hoje.


Sobre o (a) autor (a):