As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Fartura & Ossos

“Fartura & Ossos” – O novo livro do poeta Silvério Duque

O músico, professor, crítico literário e poeta feirense Silvério Duque acaba de lançar seu novo livro: “Fartura & Ossos”, obra que o autor descreve como sua “lira dos quarent’anos”. O livro, que traz 25 sonetos compostos entre 31 de março de 2018 e 31 de março de 2019, é uma auto-homenagem aos 40 anos de vida do autor. Com desenho de capa do artista plástico Gabriel Ferreira, posfácio de Elpídio Dantas Fonseca e prefácio do próprio autor, com efeito, “Fartura e Ossos”, segundo Elpídio Fonseca, “remete a várias situações descritas em seus sonetos: a superabundância da vida vivida, da qual só

BRT de Feira cada vez mais longe

BRT cada vez mais longe

Com queda no número de passageiros, BRT fica mais longe de ser implantado em Feira Cerca de 10% da frota do transporte público de Feira de Santana deixou de circular, devido à queda no número de passageiros. Trabalhadores do setor também foram demitidos. Associação alertou a pouca demanda de passageiros para a implantação do BRT Em agosto de 2015, a Associação Feirense de Engenheiros (AFENG), apresentou parecer técnico sobre o resultado da análise do “Sistema BRT Feira de Santana” e alertou sobre o volume de passageiros no momento mais crítico do dia, cerca de 5 mil passageiros por hora/sentido. Mas

Banda Calafrio

“Hiato”, o novo single da banda feirense Calafrio

“Um estado de ceticismo quase que total, ausência de sentidos e porquês, um momento de niilismo. O pensamento vagueia pela morte mas em busca de vida”, descreve o guitarrista Pedro Patrocínio, se referindo à letra de “Hiato”, o segundo single de seu novo EP. “A existência dessa canção se dá num momento de reclusão, numa jornada solitária com um pouco de autodestruição e muito de autoconhecimento”, explica o músico. “Hiato” é uma das cinco faixas do EP homônimo que a banda irá lançar até o final deste ano. Em setembro, eles apresentaram ao público o single “Primitivos”, que também ganhou um videoclipe, disponível no

Lembranças da infância em Feira: computador, Internet discada e mIRC

Nos dias de hoje, estar conectado à internet é quase uma obrigação. Seja nos smartphones ou nos computadores, estamos sempre antenados e usamos a rede pra se comunicar e informar diariamente. Usamos e abusamos das facilidades que a internet nos proporciona. Mas, quem nasceu em meados dos anos 80, ou um pouco antes, pôde perceber que nem sempre foi assim. Pode parecer muito tempo, mas não é. Impressionante é a velocidade vertiginosa em que a internet se popularizou e se consolidou, mas, vamos relembrar de quando não era tão fácil assim.

Para conectar-se à internet eram usados pulsos telefônicos, e, pra economizar na conta de telefone, era necessário esperar até meia noite, nos dias de semana; sábados a partir das 14h, e aos domingos o dia todo. Nesses horários pagava-se o custo de uma ligação local, que era um único pulso. Quem passou por isso sabe o que é ficar contando os minutos pra dar 00h. Sem contar que, ao conectar, o telefone ficava impossibilitado de receber ligações, o que causava transtornos em casa.

Os sistemas operacionais eram o Windows 95 ou 98. Nada das interfaces bem coloridas que existem hoje. O mouse era de bolinha, o monitor de tubo de imagem, o modem era dial-up e a mídia removível era o disquete, que armazenava impressionantes 1,44MB. Drive de Cd ROM era artigo de luxo e equipava os computadores mais avançados.

“Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.”

A velocidade de conexão da internet era de 56 kbps. Baixar arquivos era demorado e, dependendo do tamanho, poderia levar muito tempo. Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.

Não havia Youtube nem Orkut. Muito menos Facebook. O meio de comunicação amplamente usado era o mIRC, que era o principal cliente de IRC. O usuário baixava o programa, definia um nickname (apelido) e se conectava ao servidor. Não havia imagens e a interface era composta de caracteres escritos.

Windows 95

Se o mIRC era o local de encontro, os canais eram como casas e reuniam as pessoas por interesses ou por localidade. Os usuários dos canais podiam ser classificados em três tipos, operadores, voices e usuários comuns:

Operadores: Também conhecidos como OPs, eram uma espécie de moderadores dos canais e se posicionavam na parte superior da lista de usuários. Possuiam o nome em vermelho e os seus Nicks iniciavam com uma “@”. Tinham autonomia para dar punições e expulsar usuários que não se comportavam de acordo com as regras dos canais.

Voices: Se posicionavam logo abaixo dos operadores e tinham o Nick na cor azul. Recebiam um “+” antes de seu apelido e eram considerados vips. Apesar de não ter muita autonomia era um prestígio e representava popularidade ser um voice. Geralmente tinham amizades com os operadores.

Usuário comum: Seu Nick era na cor preta e não tinha prefixos. Eram o restante das pessoas que frequentavam o ambiente virtual.

Havia ainda o privado, que era conhecido como PVT. Com um clique duplo em cima do Nick do usuário abria-se uma janela particular, e a conversa transcorria de forma particular. Muito bom pra paquerar, tratar de assuntos pessoais ou trocar arquivos. Era usado também por quem simplesmente não conseguia acompanhar a enxurrada de informações que eram compartilhadas nos canais.

Os nomes dos canais eram iniciados por “#”. Alguns dos canais mais famosos de Feira eram os canais: #feira, #rockcia, #blz, #cabucu. Possuíam centenas de usuários ativos que atingiam picos nos fins de semana. Até hoje, é bem fácil lembrar o Nick de alguns operadores do canal #feira, tamanha era a popularidade.

“Confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar”.

A troca de fotos era algo bem difícil. A fotografia digital ainda era muito cara e não acessível no Brasil, e poucas pessoas tinham scanner em casa, pra digitalizar fotos suas e mandar pra outras pessoas. Para ver as pessoas eram feitas reuniões chamadas IRContros. A senha para participar dos IRContros eram camisetas. Os operadores confeccionavam e vendiam camisetas com o nome do canal e o apelido do usuário, escrito nas costas. Era marcado um horário, geralmente em lugares bem movimentados, para que os usuários se encontrassem. Nesse momento se descobria quem era a pessoa que estava por trás do apelido.

Às vezes levavam meses ou até anos para conhecer pessoalmente aquela pessoa que passava horas a fio conversando pelo mIRC. Alguns tinham vergonha, outros medo, alguns até preferiam se manter no anonimato, entretanto, quem se habilitava, acabava fazendo muitas amizades. Rolava bastante paquera e, nos dias de hoje, não é difícil encontrar famílias formadas por pessoas que se conheceram nessa época e acabaram se relacionando.

Apesar da enxurrada de informações que vivemos nos dias de hoje, a facilidade de acesso à internet e o uso extensivo da imagem, confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar. Sinto saudades também do charme de bater papo e se relacionar, contido no mIRC. Fiz boas amizades nessa época, e algumas duram até os dias de hoje.


Sobre o (a) autor (a):