As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Lembranças da infância em Feira: computador, Internet discada e mIRC

Nos dias de hoje, estar conectado à internet é quase uma obrigação. Seja nos smartphones ou nos computadores, estamos sempre antenados e usamos a rede pra se comunicar e informar diariamente. Usamos e abusamos das facilidades que a internet nos proporciona. Mas, quem nasceu em meados dos anos 80, ou um pouco antes, pôde perceber que nem sempre foi assim. Pode parecer muito tempo, mas não é. Impressionante é a velocidade vertiginosa em que a internet se popularizou e se consolidou, mas, vamos relembrar de quando não era tão fácil assim.

Para conectar-se à internet eram usados pulsos telefônicos, e, pra economizar na conta de telefone, era necessário esperar até meia noite, nos dias de semana; sábados a partir das 14h, e aos domingos o dia todo. Nesses horários pagava-se o custo de uma ligação local, que era um único pulso. Quem passou por isso sabe o que é ficar contando os minutos pra dar 00h. Sem contar que, ao conectar, o telefone ficava impossibilitado de receber ligações, o que causava transtornos em casa.

Os sistemas operacionais eram o Windows 95 ou 98. Nada das interfaces bem coloridas que existem hoje. O mouse era de bolinha, o monitor de tubo de imagem, o modem era dial-up e a mídia removível era o disquete, que armazenava impressionantes 1,44MB. Drive de Cd ROM era artigo de luxo e equipava os computadores mais avançados.

“Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.”

A velocidade de conexão da internet era de 56 kbps. Baixar arquivos era demorado e, dependendo do tamanho, poderia levar muito tempo. Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.

Não havia Youtube nem Orkut. Muito menos Facebook. O meio de comunicação amplamente usado era o mIRC, que era o principal cliente de IRC. O usuário baixava o programa, definia um nickname (apelido) e se conectava ao servidor. Não havia imagens e a interface era composta de caracteres escritos.

Windows 95

Se o mIRC era o local de encontro, os canais eram como casas e reuniam as pessoas por interesses ou por localidade. Os usuários dos canais podiam ser classificados em três tipos, operadores, voices e usuários comuns:

Operadores: Também conhecidos como OPs, eram uma espécie de moderadores dos canais e se posicionavam na parte superior da lista de usuários. Possuiam o nome em vermelho e os seus Nicks iniciavam com uma “@”. Tinham autonomia para dar punições e expulsar usuários que não se comportavam de acordo com as regras dos canais.

Voices: Se posicionavam logo abaixo dos operadores e tinham o Nick na cor azul. Recebiam um “+” antes de seu apelido e eram considerados vips. Apesar de não ter muita autonomia era um prestígio e representava popularidade ser um voice. Geralmente tinham amizades com os operadores.

Usuário comum: Seu Nick era na cor preta e não tinha prefixos. Eram o restante das pessoas que frequentavam o ambiente virtual.

Havia ainda o privado, que era conhecido como PVT. Com um clique duplo em cima do Nick do usuário abria-se uma janela particular, e a conversa transcorria de forma particular. Muito bom pra paquerar, tratar de assuntos pessoais ou trocar arquivos. Era usado também por quem simplesmente não conseguia acompanhar a enxurrada de informações que eram compartilhadas nos canais.

Os nomes dos canais eram iniciados por “#”. Alguns dos canais mais famosos de Feira eram os canais: #feira, #rockcia, #blz, #cabucu. Possuíam centenas de usuários ativos que atingiam picos nos fins de semana. Até hoje, é bem fácil lembrar o Nick de alguns operadores do canal #feira, tamanha era a popularidade.

“Confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar”.

A troca de fotos era algo bem difícil. A fotografia digital ainda era muito cara e não acessível no Brasil, e poucas pessoas tinham scanner em casa, pra digitalizar fotos suas e mandar pra outras pessoas. Para ver as pessoas eram feitas reuniões chamadas IRContros. A senha para participar dos IRContros eram camisetas. Os operadores confeccionavam e vendiam camisetas com o nome do canal e o apelido do usuário, escrito nas costas. Era marcado um horário, geralmente em lugares bem movimentados, para que os usuários se encontrassem. Nesse momento se descobria quem era a pessoa que estava por trás do apelido.

Às vezes levavam meses ou até anos para conhecer pessoalmente aquela pessoa que passava horas a fio conversando pelo mIRC. Alguns tinham vergonha, outros medo, alguns até preferiam se manter no anonimato, entretanto, quem se habilitava, acabava fazendo muitas amizades. Rolava bastante paquera e, nos dias de hoje, não é difícil encontrar famílias formadas por pessoas que se conheceram nessa época e acabaram se relacionando.

Apesar da enxurrada de informações que vivemos nos dias de hoje, a facilidade de acesso à internet e o uso extensivo da imagem, confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar. Sinto saudades também do charme de bater papo e se relacionar, contido no mIRC. Fiz boas amizades nessa época, e algumas duram até os dias de hoje.


Sobre o (a) autor (a):