As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

História e arquitetura da Prefeitura de Feira

Um dos prédios mais imponentes da Feira de Santana é aquele que abriga a Prefeitura Municipal. Fica num dos mais emblemáticos cruzamentos da cidade, entre as avenidas Getúlio Vargas e Senhor dos Passos. Naquele trecho muito da vida política e cultural da cidade ganha expressão: feiras – de livros, de saúde -, apresentações musicais, atividades de lazer e, sobretudo, manifestações políticas acontecem defronte à prefeitura, no estacionamento encoberto pelas sombras generosas das árvores.

O prédio começou a ser erguido há quase 100 anos: no dia 11 de setembro de 1920 o Conselho – a versão da época da Câmara Municipal – autorizou a construção da nova sede da prefeitura. Não demorou para a pedra fundamental ser lançada, já no ano seguinte. Foi sob a gestão do intendente Bernardino Bahia, com o engenheiro Acciolly Ferreira da Silva assumindo a responsabilidade técnica.

Foto antiga do Paço Municipal

Foto antiga do Salão Nobre da Prefeitura de Feira.

 

Salão Nobre - Prefeitura de Feira de Santana

Salão Nobre da Prefeitura com a galeria de ex-prefeitos ao fundo. Foto: Antonio Carlos Bastos Magalhães

Demorou seis anos para a obra ser concluída: em 1926, já sob a intendência de Arnold Ferreira da Silva – cargo equivalente ao de prefeito nos dias de hoje – aconteceu a conclusão formal, no mês de abril. Na construção, foram desembolsados 400 contos de réis. É o que informa o historiador Rollie Poppino, no clássico “Feira de Santana”.

O prédio da Prefeitura Municipal é patrimônio e tombado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, o IPAC. Em um interessantíssimo catálogo da instituição, descreve-se a edificação: “Construída no primeiro quartel do século XX apresentando planta regular, desenvolvida em dois pavimentos e recoberta por telhado de quatro águas”.

A afamada galeria dos ex-prefeitos também é objeto de referência: “O salão conta, ainda, com uma coleção dos quadros dos ex-prefeitos, com destaque para o 1º mandatário, pintado em tamanho natural”. Por fim, há a alusão à famosa escada: “Merece também menção uma das escadas em madeira, em formato de “S”, com balaústres do guarda-corpo no mesmo material”.

Interesse Arquitetônico

Prefeitura de Feira de Santana

O documento define o prédio como de “relevante interesse arquitetônico” e descreve sua estrutura externa: “Em suas fachadas, com um dos cantos arredondados e de rica modenatura (…) destaca-se, no primeiro andar, uma sacada corrida em toda a sua extensão, além da platibanda cega, com motivos neoclássicos”. No interior, há referência ao Salão Nobre: “destaca-se a decoração com escaiola nas paredes, medalhões em estuque sobre o vão das portas”.

Pelo que revela o IPAC, a construção segue o modelo simplificado do padrão colonial, aplicado pela primeira vez em Jaguaripe, em 1697. Posteriormente, o modelo foi sendo replicado em lugares diversos da Bahia: São Francisco do Conde, Rio de Contas, Porto Seguro, Caetité, Inhambupe, Condeúba e Paratinga. Já o “vestíbulo central de distribuição do 2º piso pode ser observado também nas sedes municipais de Serrinha e Senhor do Bonfim”, conforme descreve a obra.

Houve reforma recente na sede da prefeitura, mas o catálogo do IPAC registra intervenções anteriores: rebaixamento do forro em algumas salas, mas mantendo-se o original; construção de um mezanino em madeira, no andar térreo; instalação de divisórias e aplicação de carpete e paviflex em várias salas, sobre o assoalho. No documento, atualizado em 2001, não se soube precisar quando aconteceram essas intervenções.

Há, também, uma cuidadosa descrição das cercanias da prefeitura: “A Getúlio Vargas é uma ampla avenida, com canteiro central, onde se encontram algumas árvores de médio e pequeno porte”. Nas imediações, há “uma igreja recente, de estilo neogótico tardio” e, logo à frente, “o sobrado da antiga intendência, com o andar térreo já descaracterizado pelo uso comercial”.

A Prefeitura Municipal é prédio tombado em nível estadual. Pode ser considerado, no leque das edificações erguidas na Feira de Santana nas primeiras décadas do século passado, como um dos mais bem preservados até os dias atuais.

 

[Foto de Capa: Reginaldo Pereira]


Sobre o (a) autor (a):