Rio Jacuípe

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

Hera uma vez em Feira

Antes de mais nada, Feira de Santana é uma cidade poética. Pode parecer bairrista essa afirmação vinda de um feirense, ainda mais que, para muitos, essa cidade, perdida no meio do caminho, pode ser a cidade da desilusão, a cidade do desencanto, a cidade dos buracos e dos viadutos, a terra de Lucas (perdoe-me Lucas), a cidade da muamba…

Todo mundo em qualquer canto do mundo, tem algo de ruim a contar sobre Feira!

Contrariando essa máxima, lembro de uma definição feita por Rui Barbosa, que encontrei em umas das crônicas de Eurico Alves Boaventura. “Prestem atenção!”, disse Rui Barbosa, um dia nos idos dos oitocentos: “Feira de Santana é a Petrópolis do sertão”.

Verdade! A Petrópolis do sertão. Difícil de acreditar, não é? Para um feirense como eu, tal como nós, que desacreditou que por essa banda de cá do mundo pudesse prosperar qualquer forma de beleza, é difícil de acreditar!

Veja o caso da nossa Getúlio Vargas. Por vezes é difícil achar qualquer beleza no sol escaldante de nossa avenida mor, ainda mais que as árvores se tornam, cada vez mais, uma espécie em extinção. Um dia ainda há de surgir das nuvens alguém capaz de plantar por essas bandas de cá um pé de sombra. Um dia, quem sabe…

Volto então para o tema principal: Feira é, antes de mais nada, uma cidade poética. Isso temos que concordar! E parafraseando Antônio Brasileiro, professor, poeta, artista visual e tudo mais que se queira ser: “A vida é a contemplação daquela nuvem”.

Antônio Brasileiro

Antônio Brasileiro no documentário Hera (2012)

Então, da crônica de Eurico Alves, dessas nuvens eternizada por Brasileiro, dos versos hediondos de Roberval Pereyr, dos traços mediúnicos de Juraci, da descontinuidade compassada de Uaçaí; da mitologia particular dos versos de Clarissa, das cantigas contemporâneas de Ederval Fernandes, do sertão miúdo e palpável de Markus Viny; dos versos e palavras de tantos outros que por cá deixei de falar, em comum o fato de todos plantarem por essas bandas de cá as nossas árvores de sombras.

Feira é poesia. E a poesia é um pé de sombra plantada ao sol da Getúlio.

Existe um documentário, e essa é a segunda coisa que tenho por falar, que trata bem sobre isso. É o documentário Hera (2012), dirigido por Fabrício Ramos e Camele Lyra Queiroz. Trabalho que recompõe uma das principais manifestações literárias e culturais de Feira de Santana: a revista Hera.

“O documentário aborda o papel da poesia para a nossa cidade, ao apontar para as relações que fizeram daquele movimento, antes de mais nada, uma experiência afetiva”

Espécie de movimento literário, essa publicação reuniu algumas das principais vozes da poesia feirense, que ao longo dos anos consolidou definitivamente em Feira sua vocação poética.

Documentário Hera

Realizadores em plena atividade

Espécie de movimento literário, essa publicação reuniu algumas das principais vozes da poesia feirense, que ao longo dos anos consolidou definitivamente em Feira sua vocação poética.

Falando da revista, o documentário aborda o papel da poesia para a nossa cidade, ao apontar para as relações que fizeram daquele movimento, antes de mais nada, uma experiência afetiva. Participam do documentário alguns dos principais personagens da poesia feirense, tais quais: Antônio Brasileiro, Juraci Dórea, Washington Queiroz, Wilson Pereira de Jesus, Roberval Pereyr e Uaçaí Lopes.

Em resumo, esse trabalho cumpre aquilo que um bom documentário tradicional pode nos dar. Embalado por depoimentos e imagens de arquivos, Hera (2012) reproduz os detalhes da trajetória da revista, remendando discursos e memórias, passado e presente, ao abordar um movimento importantíssimo para a nossa cidade.

Imagem do documentário Hera

Imagem do documentário

Como ponto principal que uniu as diferentes gerações em torno da revista, encontramos aquela mesma inquietude estética, e que tanto acomete a todos nós, feirenses: aquela vontade doida de fazer qualquer coisa de diferente, fazer florescer a mais piegas de todas as nossas metáforas: um legítimo pé de mandacaru, belo e bonito em meio à aridez de uma típica paisagem do sertão.

Em outras palavras, o documentário nos possibilita observar que essa beleza está, antes de mais nada, nas pessoas; pessoas, que, assim como eu e você, procuram, constantemente, o nosso pé de sombra. Não uma miragem ao sol da Getúlio, mas uma árvore de verdade, um pé de sombra plantado por todos esses nossos poetas.

Veja o documentário “Hera” na íntegra:

 

Foto de capa: Wille Marcel


Sobre o (a) autor (a):