Rio Jacuípe

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Fervura Feira Noise

Fervura Feira Noise antecipa o maior Festival de Artes Integradas da Bahia

O Feira Noise – Festival de Artes Integradas, anunciou oficialmente as datas da sua oitava edição, que acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, aqui em Feira. Apesar da programação do festival ainda não ter sido divulgada, o Feira Coletivo Cultural, produtora que assina o evento, realiza no próximo dia 7 de setembro a primeira edição do Fervura Feira Noise 2018, com a apresentação de grandes atrações a partir das 21h, no Jhonnie Club (Rua São Domingos). A banda feirense Sofie Jell se junta ao cantor e compositor Balaio, de Vitória da

4 grupos feirenses de samba para você curtir

Um dos fenômenos musicais mais intensos em Feira de Santana é conduzido pelos sambistas da cidade. Quem se aproximar do que ocorre nas periferias verá que quase diariamente tem algum samba acontecendo em Feira. Em uma conta despretensiosa, é possível verificar a existência de mais de 10 grupos de samba ativos por aqui, tocando em estacionamentos, bares, garagens e restaurantes.

A música que estou fazendo referência tem nítida influência do samba carioca, feito por artistas como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Jorge Aragão e Martinho da Vila. Assumem também a linguagem dos grupos de samba românticos do sudeste, que tem no Exaltasamba a principal referência. Mas o grande diferencial do samba produzido em Feira de Santana é a influência do samba de roda nascido no recôncavo baiano e do samba-reggae (aquele do Olodum).

O samba “real” de Feira de Santana, o que faz o povo dançar no dia-a-dia, acaba refletindo a própria dinâmica multifacetada da cidade, apresentando fusões de diversas tradições de sambistas brasileiros.

Selecionei 4 grupos importantes para explicar o samba em Feira (existem muitos outros), para que o leitor do Feirenses, se for o caso, possa começar a ter contato com esse universo musical que venho observando ultimamente. Além de sambistas, a esmagadora maioria deles são trabalhadores em outras atividades, e fazem samba por muita paixão à música. É preciso olhar com seriedade para esse movimento:

Sem Mais nem Menos

André Lopes e Mumuzinho

André Lopes, cantor e fundador do Sem Mais nem Menos com o sambista Mumuzinho. Foto: Divulgação

Com 15 anos de estrada, o grupo Sem Mais nem Menos é o mais antigo entre os grupo de samba ativos de Feira de Santana. Fundado por André Lopes (cantor) e seu irmão Déo (cavaquinho), o grupo tem raízes no bairro Rua Nova, e tem seus shows bastante disputados pelo público cativo admirador do estilo “puxador” de André.

“Eu cantava em grupos de pagodão. Quando decidi passar para o samba as pessoas me chamavam de louco. Diziam que que não ia dar certo”, diz André, que percebeu que, no início da banda, muitas pessoas em Feira de Santana passaram a conhecer grandes sambistas do cenário nacional através dos shows do Sem Mais nem Menos.

Ele cita como inspiração da banda os grupos Pique Novo, Exaltasamba e Zeca Pagodinho. Para quem quiser curtir o som do Sem Mais nem Menos, pode ir às segundas-feiras no bar “Voz de Ouro”, antigo Gogó de Ouro. Veja uma pequena demonstração Sem Mais nem Menos:

 

O Sem Mais nem Menos está no Facebook!

Maryzélia

Maryzélia

Maryzélia e Rodrigo Pirikito (bandolim), no Rio de Janeiro. Foto: Divulgação.

No cenário do samba de Feira de Santana Maryzélia é a artista com maior projeção. Após cantar 2 anos e meio no grupo Chorinho entre Amigos, Maryzélia criou seu próprio grupo, que está prestes a fazer 6 anos de estrada. Atualmente, Maryzélia está sendo produzida por ninguém menos que Paulo Debétio, compositor e produtor que tem na carreira trabalhos com grandes nomes da música popular brasileira, a exemplo de Alcione, Agepê, Chitãozinho & Chororó, Emílio Santiago, Margareth Menezes, entre outros.

Maryzélia quando criança ia nos reisados roubados, em Santo Estevão, onde teve contato com o samba de roda, que hoje é um dos grandes atrativos do seu show. Em casa, seus pais também ouviam muito samba, de artistas como Agepê e Benito di Paula.

Após fazer sucesso em Feira de Santana, hoje Maryzélia está participando de tradicionais rodas de samba no Rio de Janeiro junto com o também feirense Rodrigo Pirikito (cavaquinho). Eles estão gravando músicas com a produção de Debétio, como essa versão de “Pelo Amor de Deus” no vídeo abaixo:

 

Maryzélia irá tocar na Feira do Livro, dia 27 de setembro e, posteriormente, no bar Botekim (Av. João Durval), às sextas-feiras.

Acompanhe o samba de Maryzélia no Facebook!

Simplicidade a Mais

Simplicidade a Mais

Grupo Simplicidade a Mais: 200 sambas próprios. Foto: Divulgação.

Tudo começou com quatro apaixonados por samba que trabalhavam em uma fábrica de calçados em Terra Nova, Bahia. Assim nasceu, há 13 anos, o grupo Simplicidade a Mais, que se tornou referência para quem gosta de samba em Feira de Santana. O grupo, liderado pelos vocalistas Denys e Valdir, se inspira em referências como o Grupo Revelação, Fundo de Quintal e o sambista Zeca Pagodinho.

Denys e Valdir também são compositores, e já criaram mais de 200 sambas, muitos dos quais tocam em seus shows e participações em vários espaços de Feira e até fora do estado, já que foram finalistas do Exposamba, evento que ocorre em São Paulo e premia compositores de samba de todo o Brasil. A propósito, uma das músicas que a sambista Maryzélia está gravando no Rio de Janeiro foi composta por eles.

Atualmente o Simplicidade a Mais está se apresentando no Pagode do Comércio, em frente ao supermercado Tend Tudo, na rua Barão de Cotegipe, a partir das 14h. Veja uma pequena demonstração do samba do Simplicidade:

 

O Simplicidade a Mais está no Facebook!

 Sambatuk

Sambatuk Feira de Santana

Grupo Sambatuk na TV Subaé. Foto: Divulgação

O Sambatuk é um grupo de samba feirense que valoriza muito o samba tradicional: Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Fundo de Quintal são influências assumidas por Luizão, cantor do grupo. Além dos artistas de fora, Luizão lembra do sambista Binho Pagodinho, que lhe levou para as rodas de samba em Feira de Santana há cerca de 23 anos atrás, quando tocavam no extinto grupo Magia.

O Sambatuk tem 9 anos de criado, e seus integrantes são quase todos moradores do bairro Irmã Dulce. Veja uma palhinha do grupo:

 

O Sambatuk está tocando no Quintal dos Bambas (Avenida João Durval) aos sábados, e no Bar Sob Nova Direção (Senador Quintino), às quintas.

Entre em contato com o Sambatuk pelo Facebook!


Sobre o (a) autor (a):