Rio Jacuípe

Alcina Dantas

Alcina Gomes Dantas: a primeira mulher radialista de Feira

É indiscutível a tradição do radiojornalismo em Feira de Santana, que há décadas leva entretenimento, informação e cultura aos feirenses através das diversas emissoras na cidade. Na história do rádio feirense, é fundamental destacar a importância de Alcina Gomes Dutra, a primeira mulher radialista de Feira de Santana. Nascida em Itaberaba, em 30 de setembro de 1895, Alcina aprendeu música e canto com o pai, Roberto Lídio Dantas. Tocava piano, violino e violão. Com sua veia artística, fundou o programa radiofônico “Brasil de Amanhã”, na Rádio Cultura, que objetivava descobrir talentos musicais adultos e infantis. A escritora Neuza de Brito

Feira Noise Festival 2018

A programação completa do Feira Noise Festival 2018

O Feira Noise Festival divulgou as atrações que se apresentarão em sua oitava edição. O evento acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, em Feira de Santana (BA). Mais de 30 bandas e artistas estão confirmados, entre eles importantes nomes da música brasileira contemporânea como Attoxxa, Boogarins, Drik Barbosa, Eddie, Letrux e Scalene. Da cena local, se destacam nomes como Iorigun, Roça Sound e Clube de Patifes. “O Feira Noise é um sonho que a gente realiza por etapas, ano a ano vamos trazendo atrações que tem uma história mais longa na

Quixabeira da Matinha em Portugal

Quixabeira da Matinha realizará apresentação em Lisboa

O grupo cultural Quixabeira da Matinha estará entre os dias 25 e 27 de outubro, em Oeiras, divisão administrativa de Lisboa, Portugal, realizando apresentações no evento “Semana Cultural da Bahia”, organizado pela Associação Luso Afro Cultural Brasileira Muxima. Dentre as atividades previstas estão o show temático “Quilombo, luta e resistência”, a ser apresentado com cerca de 2 horas de duração, com repertório próprio e homenageando outros artistas da cultura popular. Além disso, os integrantes também realizarão oficinas de samba de roda e de percussão a fim de popularizar ao público português a identidade musical do samba rural. A Quixabeira da

O golpista da Kalilândia

O golpista da Kalilândia

Era noite de 8 de maio de 1964 em Feira de Santana, sexta-feira. Num dia comum, àquela hora, quase meia-noite, Raimundo já teria vestido o pijama listrado e colocado cuidadosamente os chinelos no centro da lateral direita da cama – parte do rigoroso método que cumpria antes de dormir. Naquela sexta, o entusiasmo permitia-lhe descumprir o costume e sentir o fervor da vitória, um passo veemente de Feira rumo à civilização. A comemoração de Raimundo consistia em limpar cuidadosamente o Smith & Wesson herdado do avô. Um ato fora de hora, extraordinário, já que o fazia diariamente pela manhã, antes do

Coreto da Praça Froes da Motta

Coreto da Froes da Motta vai completar 100 anos

Depois de construir o casarão que hoje abriga a Fundação Cultural Egberto Costa, em 1902, o intendente Agostinho Froes da Motta determinou, em 1919, a construção do coreto na atual praça Froes da Motta. Até hoje a construção subsiste, contracenando com as palmeiras imperiais que vão, aos poucos, morrendo, e com os oitizeiros frondosos que abrigam incontáveis pardais que chilreiam de maneira incessante nos inícios de manhã e fins de tarde. Ano que vem – vale ressaltar – o coreto completa um século. A descrição do equipamento está em publicação do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, o

No Tomba, já se sabe quem será o Governador

Pode passar na Praça do Tomba pouco depois do meio dia que Nêgo Daião está lá de palito no dente, tirando os fiapos da carne do ensopado, olhando o movimento enquanto mais tarde não chega pra bater o dominó de todo dia. A praça virou seu point depois que foi encostado – ou aposentado, como insiste classificar – por causa de um acidente na oficina onde  trabalhava na Presidente Dutra, comprometendo os movimentos da perna esquerda.

Ficar em casa não lhe atrai muito: a esposa é falecida há 10 anos e os três filhos estão por Salvador. Daião sai cedo todo dia, mancando, e já se instala em um dos boxes pra ler jornal e saber da vida dos outros. Só não cumpre expediente aos domingos, quando fica em seu casebre atrás da Igreja do Tomba para assistir Fórmula 1 e evitar a agonia da feirinha.

Mas na segunda lá está ele fofocando com motoboys, feirantes e outros companheiros de labuta, como Delinde, dono de uma bicicleta cargueira onde vende pastel, coxinha, enroladinho e outras peças.

Nessa época de política, Delinde já chega gritando e gargalhando contra Daião: “É Rui Correria, Daião! É PT neles, Nêgo!”, batendo com a mão espalmada na mesa em que Daião descansa.

“Se arrombar, carniça! Né de Feira não? Tem que votar em quem é de Feira!”.

Daião é um ufanista do tipo de Policarpo Quaresma: tudo que é feirense deve ser veementemente defendido e valorizado. “Não troco minha Caixa D’Água por maravilha do mundo nenhuma”, costuma dizer sobre a beleza da Caixa D’Água do Tomba, o reservatório que guarda três milhões e novecentos mil litros d’água no céu de um dos bairros mais populares de Feira. Daião não possui as patentes do Major Quaresma, mas não recusa uma boa briga pela terra formosa e bendita.

“Não troco minha Caixa D’Água por maravilha do mundo nenhuma”

Por isso está posicionado como ronaldista doente para o pleito estadual: “o homem tá aprovado na Feira, agora é a Bahia”, diz ele projetando a expansão do império feirense. Faz duas semanas foi repreendido na barraca de camarão seco de Dona Fia, quando traçava planos golpistas para o futuro: “Governador era pra ele botar os orixá do Dique aqui na Lagoa Grande, pro povo de Salvador ver como é”. Dona Fia, filha de Xangô, não deixou barato: “Daião, tu num sabe o que fala. Em Orixá assentado e firmado não se mexe. Vira tua boca pra lá!”.

Mas não houve briga que mais o tirou do sério do que quando Pelanca, guardador de carros da Praça, orientado por um grupo de motoboys, chegou perguntando a Daião quem era Orlando Andrade. Isso foi quando repercutiu a pesquisa do Ibope, apontando Ronaldo com apenas 7% dos votos em toda a Bahia, e tendo menos votos em Salvador que o candidato do Partido da Causa Operária, o PCO. Daião acusou o golpe e já foi ralhando: “tu entende porra nenhuma de política, sacana! Melhor não ter voto em Salvador mesmo não. A gente ganha é sem eles. E pesquisa é o quê? Tudo comprado, erram todo ano…”, disse, lembrando os erros que os institutos de pesquisa cometeram em eleições estaduais passadas.

Ivanildo, um dos taxistas da Praça, já tentou ponderar que Rui tem aliança com Otto e suas prefeituras; e que a máquina de quem está no poder conta muito em uma eleição. Além disso, pra ele parece óbvio, o próprio ACM Neto não quer perder a liderança da direita na Bahia. “Ele não vai deixar Ronaldo se criar”, aponta. Finalmente, Ivanildo lembrou que, em 2006, quando Wagner foi eleito de maneira surpreendente, Lula tava no poder fazendo zoada com o PT no Brasil todo.

Mas Daião não desanima, nem entra em clima de derrota. Compara o ex-prefeito de Feira a Michael Schumacher no GP da Bélgica, em 1995 (ele conta os detalhes de cada corrida memorável de Fórmula 1 que assistiu). Na ocasião, o alemão largou na 16ª colocação, e conseguiu ganhar a corrida utilizando pneus slick, recomendados para pista seca, num tempo de chuva. “Ronaldo vai ser isso aí: ganha com pneu slick em tempo de chuva”, afirma Daião, como se demonstrasse uma equação matemática, convicto da vitória.


Sobre o (a) autor (a):