As Feiras de Feira de Santana

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Colbert proíbe atividades extraescolares

Colbert proíbe atividade extraescolar nas escolas de Feira

O Prefeito Colbert Martins, desde o final de outubro de 2018, resolveu cancelar todas as atividades externas com os alunos da rede municipal de ensino. A medida foi tomada em virtude da morte do estudante que se afogou durante um passeio escolar, em um sítio localizado no bairro Conceição. O passeio fazia parte de uma atividade em comemoração ao Dia das Crianças. Datas importantes Com a medida os estudantes ficaram de fora do Natal Encantado 2018 e do desfile do dia 2 de julho no distrito de Maria Quitéria. E neste segundo semestre não vão participar (se a proibição permanecer), de

Feira na próxima década

A Feira que se deseja para a próxima década (III)

Não é de hoje que a mudança do Terminal Rodoviário da Feira de Santana é tema nas conversas de muitos feirenses. Desde o início do século, nas campanhas eleitorais, candidatos a prefeito anunciam a intenção de transferir o equipamento. Até hoje nenhum passo foi dado. Mas tudo indica que, ano que vem, mais uma vez, nas eleições municipais, a questão vai ser abordada, sobretudo nos debates em emissoras de rádio e tevê, cujo clima é adequado aos anúncios bombásticos. Há um charme transformador, futurista, visionário, ao se tratar do tema. Os candidatos a prefeito em 2020 já devem estar de

João Gilberto

Bar feirense faz homenagem a João Gilberto

No último dia 6 de julho, morreu um dos ícones da Música Popular Brasileira, o baiano e juazeirense João Gilberto. Considerado o “pai da Bossa Nova”, João foi um dos mais reconhecidos artistas brasileiros em todo o mundo. Em 2017, a revista Rolling Stones resumiu bem a inventividade de João Gilberto: “Antes de João Gilberto, o violão era o complemento para o voz. Na música do mestre da bossa, voz e violão se tornam uma única entidade. Aparentemente simples, na verdade a técnica de João exibe uma precisão matemática.”   Em uma das raras entrevistas que concedeu, na década de

No Tomba, já se sabe quem será o Governador

Pode passar na Praça do Tomba pouco depois do meio dia que Nêgo Daião está lá de palito no dente, tirando os fiapos da carne do ensopado, olhando o movimento enquanto mais tarde não chega pra bater o dominó de todo dia. A praça virou seu point depois que foi encostado – ou aposentado, como insiste classificar – por causa de um acidente na oficina onde  trabalhava na Presidente Dutra, comprometendo os movimentos da perna esquerda.

Ficar em casa não lhe atrai muito: a esposa é falecida há 10 anos e os três filhos estão por Salvador. Daião sai cedo todo dia, mancando, e já se instala em um dos boxes pra ler jornal e saber da vida dos outros. Só não cumpre expediente aos domingos, quando fica em seu casebre atrás da Igreja do Tomba para assistir Fórmula 1 e evitar a agonia da feirinha.

Mas na segunda lá está ele fofocando com motoboys, feirantes e outros companheiros de labuta, como Delinde, dono de uma bicicleta cargueira onde vende pastel, coxinha, enroladinho e outras peças.

Nessa época de política, Delinde já chega gritando e gargalhando contra Daião: “É Rui Correria, Daião! É PT neles, Nêgo!”, batendo com a mão espalmada na mesa em que Daião descansa.

“Se arrombar, carniça! Né de Feira não? Tem que votar em quem é de Feira!”.

Daião é um ufanista do tipo de Policarpo Quaresma: tudo que é feirense deve ser veementemente defendido e valorizado. “Não troco minha Caixa D’Água por maravilha do mundo nenhuma”, costuma dizer sobre a beleza da Caixa D’Água do Tomba, o reservatório que guarda três milhões e novecentos mil litros d’água no céu de um dos bairros mais populares de Feira. Daião não possui as patentes do Major Quaresma, mas não recusa uma boa briga pela terra formosa e bendita.

“Não troco minha Caixa D’Água por maravilha do mundo nenhuma”

Por isso está posicionado como ronaldista doente para o pleito estadual: “o homem tá aprovado na Feira, agora é a Bahia”, diz ele projetando a expansão do império feirense. Faz duas semanas foi repreendido na barraca de camarão seco de Dona Fia, quando traçava planos golpistas para o futuro: “Governador era pra ele botar os orixá do Dique aqui na Lagoa Grande, pro povo de Salvador ver como é”. Dona Fia, filha de Xangô, não deixou barato: “Daião, tu num sabe o que fala. Em Orixá assentado e firmado não se mexe. Vira tua boca pra lá!”.

Mas não houve briga que mais o tirou do sério do que quando Pelanca, guardador de carros da Praça, orientado por um grupo de motoboys, chegou perguntando a Daião quem era Orlando Andrade. Isso foi quando repercutiu a pesquisa do Ibope, apontando Ronaldo com apenas 7% dos votos em toda a Bahia, e tendo menos votos em Salvador que o candidato do Partido da Causa Operária, o PCO. Daião acusou o golpe e já foi ralhando: “tu entende porra nenhuma de política, sacana! Melhor não ter voto em Salvador mesmo não. A gente ganha é sem eles. E pesquisa é o quê? Tudo comprado, erram todo ano…”, disse, lembrando os erros que os institutos de pesquisa cometeram em eleições estaduais passadas.

Ivanildo, um dos taxistas da Praça, já tentou ponderar que Rui tem aliança com Otto e suas prefeituras; e que a máquina de quem está no poder conta muito em uma eleição. Além disso, pra ele parece óbvio, o próprio ACM Neto não quer perder a liderança da direita na Bahia. “Ele não vai deixar Ronaldo se criar”, aponta. Finalmente, Ivanildo lembrou que, em 2006, quando Wagner foi eleito de maneira surpreendente, Lula tava no poder fazendo zoada com o PT no Brasil todo.

Mas Daião não desanima, nem entra em clima de derrota. Compara o ex-prefeito de Feira a Michael Schumacher no GP da Bélgica, em 1995 (ele conta os detalhes de cada corrida memorável de Fórmula 1 que assistiu). Na ocasião, o alemão largou na 16ª colocação, e conseguiu ganhar a corrida utilizando pneus slick, recomendados para pista seca, num tempo de chuva. “Ronaldo vai ser isso aí: ganha com pneu slick em tempo de chuva”, afirma Daião, como se demonstrasse uma equação matemática, convicto da vitória.


Sobre o (a) autor (a):