Rio Jacuípe

Baile Surrealista 2018

Baile Surrealista em Feira – Edição Especial

Feira de Santana receberá mais uma edição do Baile Surrealista, uma releitura de um baile que aconteceu na Europa na década de 1970, envolvendo artistas e membros de sociedades secretas. O evento pretende discutir as relações entre Arte e Esoterismo através da Música, Artes Plásticas, Dança e Oficinas. Nesta edição, ocorrerá o relançamento do livro “Sob o véu de Sírius”, que reúne autores de várias cidades baianas numa série de poemas inspirados na Heptarquia e no simbolismo mágico do número 7. Além disso, o Baile fará um tributo ao poeta e bruxo britânico Kenneth Grant, um dos nomes mais influentes do ocultismo contemporâneo.

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Orgulho de ser gari em Feira de Santana

Toneladas de lixo são retiradas diariamente das vias públicas da cidade de Feira de Santana. Não importa se o trabalho é feito durante o dia ou durante a noite, o importante é que centenas de pessoas realizam esse trabalho que, para a maioria de nós, passa despercebido. Além de não termos a necessária atenção para os trabalhadores que realizam a limpeza pública na cidade, há ainda quem atrapalhe essa atividade, depositando lixo em lugares indevidos.

Embora muitas vezes não sejam percebidos, os garis fazem muita diferença caso não realizem seu trabalho, pois os danos causados ao meio ambiente e à saúde pública são devastadores. Fomos conhecer alguns desses profissionais, para saber um pouco de seu dia-a-dia e dos desafios da profissão, entre eles o preconceito sofrido pela importante atividade que exercem.

Os garis de Feira de Santana

Gari há 13 anos, Raimundo Pereira diz que as tarefas dos coletores de lixo não é valorizada por boa parte da população, que ignora os benefícios que o trabalho deles traz para a cidade. “Não é uma profissão fácil, mas para mim é gratificante exercê-la, pois é através desse ofício que sustento minha família.Tem dia que chego a correr 40 quilômetros pegando sacolas com lixo, e as pessoas não reconhecem”, contou.

“Adoro o que eu faço, esse é um emprego que caiu do céu para mim.”

Os garis de Feira de Santana

Já Fabiana Silva, trabalha há dois anos como gari, e mostra satisfação ao falar do ofício: “É com ele que sustento meus filhos e ainda arrumo tempo para cuidar de mim e da minha casa. Muitas pessoas me perguntam se eu não tenho vergonha e eu digo sempre… Adoro o que eu faço, esse é um emprego que caiu do céu para mim. E como mulher eu digo sempre que não preciso trabalhar desarrumada só porque sou gari, tenho minha vaidade aqui também, mas quando largo o serviço eu posso ficar ainda mais linda”, diz Fabiana dando gargalhadas.

Os garis de Feira de Santana

Quando perguntado ao gari Marcelo Souza sobre o respeito das pessoas em relação a sua profissão, ele diz que não tem problemas: “Muitas pessoas, principalmente no comércio, já deixam o lixo arrumadinho. Pedimos para eles não acumularem lixo em um determinado local e eles fazem. Essa fase de preconceito com os garis acho que está lá no passado. Hoje em dia as pessoas respeitam e muito. Lógico que tem alguns casos, mas mito pouco”.

Os garis de Feira de Santana

Outro ponto a ser observado são as intempéries por que passam esses profissionais. O gari Renivaldo Bispo lembra que eles enfrentam sol e chuva constantemente. Apesar disso, ele não esmorece: “Eu tenho orgulho e trabalho por amor. Já tive outras profissões e oportunidades de emprego, mas em nenhum lugar tive a satisfação que tenho hoje”.

Como se vê, apesar de todos os desafios, as pessoas que se dedicam à limpeza das ruas de Feira de Santana se esforçam, com orgulho e amor, para tornar a convivência da comunidade mais saudável e harmoniosa. São profissionais dignos de respeito e atenção por cada cidadão feirense.

 


Sobre o (a) autor (a):