As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

O Clipe “Futurista”, da Rapper Feirense Duquesa

A Rapper Feirense Duquesa acaba de lançar seu novo videoclipe, “Futurista”, produzido pela também feirense Live Filmes. A letra do Rap é da própria Duquesa, que toca de maneira incisiva em questões como machismo e racismo, mostrando os desafios enfrentados por mulheres jovens e negras para se afirmarem na sociedade contemporânea. Antes de assistir ao clipe, vale ler a poesia:

Futurista
Letra: Duquesa

Catastrófica aparição
Vejo tudo na minha mão
Lutando contra minha ambição
Vaidade que cega canção
Muito bendita quando incomodo racista,
sempre irritando machista
Maldita por ser tão bem vista
Gero ódio mas comemoro a conquista.

Brigo comigo pra fazer tudo girar
Pretas me vêem com brilho no olhar
Pareço heroína por representar
Digo que é indescritível onde podem chegar.

Eu não nasci pra ficar nessa vida atoa
Muito menos no baixo dessa grande gangorra
Digo pra mim mesma que posso e repasso
Ninguém nunca me disse que eu posso ser patroa.

O sistema tem função de aprisionar a nossa mente
Querem ver nossa cara sempre no noticiário
Como traficante ou cúmplice de um assalto
Morrendo ou pobre, mas nunca o contrário.

Eu acho um absurdo ter somente um salário
Queria que fosse um palácio o lugar onde resido
Sem ter que ser engrenagem na máquina de um chefe
Você mais cansado e ele mais rico.

Querem que tenhamos pensamentos rasos,
o meu foi tão raro
Eles não sabem disso!
Segundo mundo meu corpo é fechado
Blindada de fé, sigo .

Então me propus a fazer um sacrifício
Tudo pela família e pelos meus ideais
Vivo enquanto canto, canto enquanto vivo
Homens são maus, eu prometo ser mais.

Me pergunto se vale a pena tá aqui
Um instante achei que não haveria sentido
Sei que elas querem ser um pouco de mim
Por isso engulo ego e me torno indestrutível.

Faço bons olhares serem o meu combustível
Ser porta-voz de quem nunca foi ouvido aqui
Mc frustado canta pro próprio umbigo
Não me importo por isso faço mais um inimigo.

Separando o joio do trigo
Não dêem ouvidos a eles
Eles não queria ver isso né?
Eu represento perigo né?

Incômodo quando tenho classe onde transito
Irrito quando eles não conseguem me alcançar
Maldita quando as câmeras querem focar em mim
Gero ódio porque sabem que eu posso conquistar.

Falácia machista já não me assusta
Carregam meu nome igual doce na boca
Era impossível a um tempo atrás
Eu sei o que passei pra tentar ser inclusa.

Hoje aprendi a expulsar
Todo sentimento que me aprisiona
Tirei todo conforto da minha zona
Tramei todo esse plano com a minha banca.

Preta tu pode, nós podemos tudo
Esse game “nois” fode e acaba com tudo
Eu não me assusto e nem mais me frusto
Sei bem que vai colher todos esses frutos.

Causa estranheza ver uma preta
Ocupar o espaço nessa mesa
Era previsível eu tinha certeza
O futuro é nosso, não entendo a surpresa.

Catastrófica aparição
Vejo tudo na minha mão
Lutando contra minha ambição
Vaidade que cega canção
Muito bendita quando incômodo racista,
sempre irritando machista
Maldita por ser tão bem vista
FUTURISTA.


Com direção de Eduardo Quintela, o clipe é uma das melhores produções audiovisuais já feitas em Feira de Santana. Apenas assista:

 

Segue a ficha técnica completa do clipe:

Elenco:
Letícia Fraga, Eduardo Coutinho, Enrique Quidute,
Leniston Magalhães, João Vinicius, Alan Bruno Barros,
Suelen Thaine, Karol Freitas, Juciara Alves.

Stylist:
Laura Iohanna

Makeup:
Andriany Smith

Direção:
Eduardo Quintela

Direção de Fotografia:
Elielson Pita // Júnior Araújo

Assistente de Câmera:
Henrique Neto

Produção:
Live // Duquesa

Agradecimentos:
Croqui // LacreAfro // Daniel Parente // Ser Mulher Fibras // Clube4work // Elayne Almeida // Jhonny Nery // Ana Paula Falcão


Sobre o (a) autor (a):