As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

A Feira que se deseja para a próxima década (II)

Decorridos seis meses do novo regime, quem se fia no discurso corrente pode já ir ficando tranquilo: a partir de agora, tudo vai engrenar no Brasil. Multidões de investidores ávidos despejarão em solo tupiniquim seus dólares, gerando milhões de empregos e bilhões em riqueza. Ingressaremos numa vertiginosa era de prosperidade. Para azeitar tudo, bastará sair privatizando o que resta do patrimônio público.

Também pagaremos poucos impostos. Com as privatizações, finalmente teremos serviços de primeiro mundo. E tudo a preços módicos, nada dessas tarifas extorsivas cobradas pelo Estado. Será divino: carga tributária de paraíso fiscal e serviços públicos com qualidade nórdica. E melhor ainda: sem os deploráveis vícios socialistas do norte da Europa.

Água farta e barata, saneamento em todos os quadrantes, estradas irretocáveis, hospitais cinematográficos, educação compatível com aquela ofertada nos países mais prósperos. Estamos a um passo disso: basta reduzir a presença do Estado e remover quaisquer obstáculos à iniciativa privada. Inclusive essa coisa de legislação, que só atrapalha quem quer produzir.

Todos terão o direito de montar seu próprio negócio: churros, frango assado, milho cozido, salgados, refrigerante, água mineral; com essas medidas, todo empreendimento tende a prosperar nalguns poucos anos, convertendo-se em dinâmica fonte de renda. Muitos se transformarão em portentosas empresas.

O paraíso liberal na economia nos aguarda logo ali, na próxima curva da História.

Esses avanços, porém, exigem têmpera e disciplina nos costumes. Todos têm que abraçar o cristianismo desde já. Não apenas como religião, mas, sobretudo, como filosofia de vida. Afinal, o legado de Jesus Cristo é prenhe de ensinamentos sobre como ganhar dinheiro, prosperar, ficar rico. Esse é, afinal, o objetivo do cristianismo e de todo cristão piedoso.

A devassidão, que nos fragiliza, tem que ser abolida. A família tradicional – homem e mulher unidos pela unção divina – que alguns debochados no passado classificavam como “careta”, sinaliza o futuro radioso. “Gênero” é artigo perigoso, que não deve ser discutido. Para tanto, é até admissível algum Estado com a finalidade de controlar e evitar excessos na vida privada.

O amor à Pátria é ingrediente essencial no nosso futuro. Os hinos patrióticos, a reverência aos nossos símbolos, o culto aos nossos heróis, a exaltação das efemérides pátrias, tudo isso vai nos inspirar e aprofundar nosso respeito. E a reverência às Forças Armadas, às nossas polícias? Será dever de todo patriota. E todos nós seremos patriotas.

Enfim, é luminoso o destino desse País: liberal na economia, conservador nos costumes e, sobretudo, cioso dos seus deveres patrióticos. Receita moderna, que começa a se irradiar pelo mundo. Países avançados já se alinham a parte dessas diretrizes – Síria, Iraque, Afeganistão, Polônia, Hungria, Emirados Árabes – mas caberá uniformizá-las num todo consistente.

Sinal que, talvez, estejamos fadados a liderar, mundialmente, essa guinada civilizatória.


Sobre o (a) autor (a):