Rio Jacuípe

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Fervura Feira Noise

Fervura Feira Noise antecipa o maior Festival de Artes Integradas da Bahia

O Feira Noise – Festival de Artes Integradas, anunciou oficialmente as datas da sua oitava edição, que acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, aqui em Feira. Apesar da programação do festival ainda não ter sido divulgada, o Feira Coletivo Cultural, produtora que assina o evento, realiza no próximo dia 7 de setembro a primeira edição do Fervura Feira Noise 2018, com a apresentação de grandes atrações a partir das 21h, no Jhonnie Club (Rua São Domingos). A banda feirense Sofie Jell se junta ao cantor e compositor Balaio, de Vitória da

O que tem neste sábado no Feira Noise Festival #FeiraMundo

O primeiro dia de shows do Feira Noise Festival no Teatro de Arena do Centro de Cultura Amélio Amorim já aconteceu, e os feirenses tiveram a oportunidade de curtir atrações como as bandas Maglore, Clube de Patifes e Retrofoguetes, entre outros. Se você perdeu os espetáculos desta sexta, ou quer repetir a dose, veja alguns bons motivos para comparecer ao Amélio Amorim neste sábado, a partir das 14 horas (pegue logo seu ingresso!):

Sábado, 14h: Rock Navelha

Surgidos em 2011, esses jovens desajustados tiveram a ideia de reunir seus gostos musicais e produzir sonoridades baseadas em estilos clássicos do rock. A banda foi batizada de Navelha e seu trabalho autoral passou a ser inspirado no blues, no country e paralelo a isso utilizam do regionalismo para dar o ar e o gingado que era necessário para tornar a suas canções mais originais. Confira um aperitivo:

 

Sábado, 15h: Dionorina e Jorge de Angélica

Dionorina é nascido em Jussarí – Bahia, mas logo se mudou para Feira de Santana, onde criou suas raízes. Embora seja um admirador e divulgador do reggae tradicional, ele se mantém atento às novas influências e não deixa de fazer experimentações, por isso sua música é uma fusão de estilos sem deixar de prevalecer a qualidade em suas composições. Ele estará fazendo um dueto com Jorge de Angélica, outro tradicional nome do reggae baiano e feirense (junto com Gilsam, ambos compõem a “trilogia do reggae”). Entenda melhor ouvindo:

 

Sábado, 15h40: Declinium

Com influência do pós-punk que definiu boa parte do rock alternativo do fim dos anos 90, a Declinium já completou sua primeira década de história no underground baiano. O rock melancólico e de pouca distorção tem um tom levemente sombrio nas canções do quarteto de Camaçari. Veja:

 

Sábado, 16h30: Plático Lunar

Eles se definem como uma “banda de rock que impressiona por fabricar uma música rica, que já beijou o blues e abraçou o progressivo, oscila entre a psicodelia e a Black music e vem se destacando em Aracaju por produzir um som sem afetação dos ritmos regionalistas, mas sim, antes de qualquer rótulo, é autenticamente uma banda de Rock’n Roll”. Confira:

 

Sábado, 17h20: Marcionílio Prado

O cantor, compositor, multi-instrumentista e arranjador Marcionílio Prado é um dos pioneiros do Axé Music. Ex-integrante da Banda Eva (quando Daniela Mercury era backing vocal), Marcionílio tem vasta carreira internacional, e traz sua experiência e talento musical para o Feira Noise. Confira um pouco do trabalho desse grande artista:

 

Sábado, 18h20: Cascadura

Uma das principais bandas de rock da Bahia realizará seu último show no próximo dia 06 de dezembro. Antes disso, eles tocarão no Feira Noise, e você pode assistir. Veja o clipe “O Delator” e se convença da importância de ver o Cascadura hoje:

 

Sábado, 19h10: I.F.Á. Afrobeat e Okwei V Odili

Atração internacional no Feira Noise! A orquestra I.F.Á. Afrobeat traz ao Amélio Amorim a cantora nigeriana Okwei Veronny Odilli, levando o público a uma viagem ao Atlântico Negro com Ijexá, Funk, Afrobeat e ingredientes da música Black. Um dos pontos altos do Festival. Veja o I.F.Á. em atuação:

 

Sábado, 20h10: Tássia Reis

Natural de Jacareí-SP, Tássia Reis transita entre o Hip Hop, Blues, Pop e Jazz. Com uma doce e inconfundível voz, vem mostrando seu talento desde 2011 com participações em diversos trabalhos ao lado de cantores conhecidos principalmente no rap nacional, como: Marcelo D2, Rashid, AXL, o grupo Mental Abstrato, além de ter sido foi backing vocal da cantora Clawdia Ejara. Ouça:

 

Sábado, 21h10: Novelta

A proposta musical da banda feirense Novelta é basicamente influenciada pelo Stoner Rock. São músicas carregadas de FUZZ, que fazem cama para as letras que versam a região nordeste. Com tais elementos, a banda encontra uma maneira própria de fazer Stoner.
 Ouça uma prévia abaixo:

 

Sábado, 22h10: Vivendo do Ócio

Vivendo do Ócio é uma banda baiana atualmente instalada em São Paulo. Com muita atitude e apostando nas raízes do rock brasileiro a Vivendo do Ócio já possui espaço entre as grandes bandas do país. Imperdível:

 

Sábado, 23h50: Project 46

Fechando com chave de ouro os shows do sábado de Feira Noise Festival, vem a banda Project46, uma das principais de Metal/Hardcore do país, já com significativa visibilidade no exterior. Sinta o som:

 

Feira Noise Festival


Sobre o (a) autor (a):