As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Feira contra a intolerância religiosa

A intolerância religiosa não é um problema que nasceu agora. Os conflitos no continente asiático não são novidade pra ninguém. No Brasil, o que foi o fato de os portugueses aqui chegarem e decidirem evangelizar os índios, uma vez que, para aqueles, estes não tinham religião e eram os pajés uns mentirosos?

Ocorre que, recentemente, temos escutado mais sobre este tema em nosso país, dada a velocidade com que têm se acirrado os casos de intolerância. Não é somente o terreiro incendiado em Goiás. Nem a menina de 11 anos apedrejada do Rio. Nem a curitibana que não quer voltar para a escola depois de ter sido chutada por uma colega. Esses são apenas alguns poucos casos do tanto que têm ocorrido Brasil afora. Mundo afora.

A Constituição Federal brasileira já foi atrofiada a ponto de estabelecer o Catolicismo como religião oficial do Império, proibindo, assim, que qualquer manifestação religiosa fosse praticada fora do culto doméstico (casa ou local destinado para isso). Isso lá no século XIX. Hoje, já temos uma Constituição que assegura a liberdade de consciência e de crença e o livre exercício de cultos (mesmo que ainda não haja lá tanta proteção aos locais de cultos e liturgias como deveria). Mas vamos considerar que existem passos dados para frente. Justamente porque estes existem, já é possível lutar contra as mentes diminutas. E as religiões de matrizes africanas são as que mais sofrem com elas. Não à toa, líderes dessas religiões têm cobrado providências da Comissão de Direitos Humanos – CDH contra o aumento absurdo de casos de intolerância.

“Outro segmento que sofre preconceito e que deve ser respeitado é o daqueles que em nada creem.”

Outro segmento que sofre preconceito e que deve ser respeitado é o daqueles que em nada creem. Ou que creem à sua maneira, por não se sentirem representados por símbolos religiosos. São abraçados constitucionalmente, por ser o nosso Estado laico e pregar tal liberdade. Mesmo assim, não estão isentos dos olhares e julgamentos dos “super crentes”.

Em Feira, embora pouco divulgado, vivemos um momento de Campanha contra a Intolerância Religiosa, promovida pelas Secretarias Municipais de Desenvolvimento Social (SEDESO), de Direitos Humanos e de Prevenção à Violência (SEPREV), juntamente com lideranças religiosas católicas, espíritas, evangélicas, do candomblé e umbanda, além da Associação Racionalista dos Céticos e Ateus (ARCA). Respeito à diversidade religiosa e ao direito da pessoa de ter fé e ser contra qualquer tipo de intolerância religiosa ou ação discriminatória são as características mais importantes dessa campanha, apontadas por Fábio Ribeiro, chefe da Divisão de Minorias da SEDESO.

A Campanha Intolerância Religiosa nem por um segundo tem como lema “Toda crença busca a paz, o amor e a união” e teve início no dia 19/09. O encerramento se dará no próximo domingo, 4 de outubro, com a Caminhada e o Ato Inter-religiosos.

Abaixo, você confere a programação e o vídeo de divulgação:

Intolerância Religiosa

19/09, das 14h às 19h – Lançamento da Campanha e Seminário Inter-religioso.

25/09, às 08h30min – Sessão Solene na Câmara de Vereadores

21 a 25/9 – Ações diversas de combate à intolerância religiosa em escolas e instituições religiosas

04/10, às 15h – Caminhada Inter-religiosa (Saída em frente ao Palace Hotel, na Av. Maria Quitéria, e concentração no Estacionamento da Prefeitura, em frente ao Paço Municipal)

04/10, às 17:00h – Ato Inter-religioso no Estacionamento da Prefeitura, em frente ao Paço Municipal.

 

O chefe da primeira missão jesuítica à América, sacerdote Manuel da Nóbrega, escreveu em uma das suas cartas à sua Ordem, sobre os índios aqui encontrados: “…a dificuldade está somente em tirar-lhes todos os seus maus costumes, mudando-os em outros bons…”. Eis a mesma dificuldade que vivemos agora contra os fúteis e intolerantes.

Assista a outros vídeos sobre a intolerância religiosa:

  1. Documentário “Intolerância”, da GloboNews
  2. Programa Sala Debate, do Canal Futura
  3. Umbanda: líderes falam sobre a intolerância religiosa, da TVCarta


Sobre o (a) autor (a):