Rio Jacuípe

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Fervura Feira Noise

Fervura Feira Noise antecipa o maior Festival de Artes Integradas da Bahia

O Feira Noise – Festival de Artes Integradas, anunciou oficialmente as datas da sua oitava edição, que acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, aqui em Feira. Apesar da programação do festival ainda não ter sido divulgada, o Feira Coletivo Cultural, produtora que assina o evento, realiza no próximo dia 7 de setembro a primeira edição do Fervura Feira Noise 2018, com a apresentação de grandes atrações a partir das 21h, no Jhonnie Club (Rua São Domingos). A banda feirense Sofie Jell se junta ao cantor e compositor Balaio, de Vitória da

A evasão escolar em Feira de Santana e a relação com a violência

Considerando sua taxa de homicídios, o Brasil figura entre os países mais violentos do mundo: são cerca de 30 homicídios a cada 100 mil habitantes por ano. A OMS aponta o país como o 11º na quantidade de homicídios no mundo. Caso Feira de Santana fosse um país, estaríamos na terceira colocação, com os 62 homicídios por 100 mil habitantes alcançados em 2016. Trata-se de um quadro aterrorizador, que nos força a pensar saídas para tamanha devastação de vidas.

Logo somos tomados a pensar o que as polícias podem fazer nesse caso, chegando rapidamente à conclusão de que é preciso investimentos em efetivo, inteligência, formação e valorização policial, equipamentos etc. Existem demonstrações, em Feira, de que é possível à polícia reduzir crimes e se aproximar da comunidade obtendo resultados importantes. Ampliar essas iniciativas deve ser prioridade.

Alguns fatores fogem da alçada da própria polícia: reformas legislativas que garantiriam mais eficiência no trabalho policial, como a discussão sobre o ciclo completo de polícia (que garante que o trabalho policial não seja dividido entre duas corporações) e o debate sobre a lei de drogas, que tem possibilitado um alto e desqualificado grau de encarceramento no país, com os resultados que estamos assistindo atualmente.

Fora todos esses (e outros) aspectos que ajudam a explicar a dinâmica da violência no Brasil, e em grandes cidades como Feira de Santana, vale a pena considerar um recente estudo feito por um dos principais pesquisadores do tema no Brasil, o sociólogo e consultor em segurança pública, Marcos Rolim, do Rio Grande do Sul. Ele buscou entender o que diferenciava jovens (de mesma origem social) que praticaram violências graves daqueles que tinham uma vida sem envolvimento com o crime. O estudo é revelador:

“Tenho a impressão de que encontramos uma coisa que é muito expressiva como fenômeno social. Se confirmou algo que até agora não se deu a devida importância. Se a pesquisa estiver correta, é impossível falar sobre a redução da violência no Brasil sem abordar o tema da evasão escolar. Esse passa a ser um tema central. A pesquisa indica claramente isso. Não é nem uma opinião minha e nem é o que eu achava. Eu imaginava, inspirado no Athens (estudo norte-americano), que o problema central estava na violência contra a criança. Minha hipótese era a de que o cara que está matando na rua é o cara que apanhou em casa. E essa tese não foi confirmada. Então, a pesquisa confirma uma parte da teoria do Athens, que é a parte do treinamento violento. É um dos estágios dessa violentização, mas não confirma o primeiro, que é o da violência contra a criança como sendo um fator importante para esse fenômeno”, diz o pesquisador em recente entrevista.

O estudo de Rolim lhe rendeu uma tese de Doutorado, e o livro “A formação de jovens violentos – Estudo sobre a etiologia da violência extrema” (Appris Editora, 285 páginas). Ele aprofunda a análise sobre a importância da evasão escolar como elemento condutor dos jovens às práticas violentas: “Há uma dinâmica perversa em curso nas cidades brasileiras, que envolve evasão escolar muito precoce. Esses guris saem muito jovens da escola. Pobres todos. Fracassam na escola, que não consegue atraí-los e permanecer com eles. Ou seja, não cria vínculos. E, ao ficarem em sua comunidade sem trabalho e sem escola, semialfabetizados, eles se aproximam dos grupos armados que recrutam esses jovens, primeiro para serviços básicos do tráfico, em que são socializados nos valores da violência, quando alguém lhes dá uma arma”.

“De acordo com o último levantamento do Departamento Penitenciário Nacional, o DEPEN (2014), 49% dos presos no Brasil não completaram o ensino fundamental, e cerca de 10% não chegaram sequer a se alfabetizar”

É bom lembrar que, de acordo com o último levantamento do Departamento Penitenciário Nacional, o DEPEN (2014), 49% dos presos no Brasil não completaram o ensino fundamental, e cerca de 10% não chegaram sequer a se alfabetizar.

Considerando esses apontamentos, veja a seguir os dados da evasão escolar no município de Feira de Santana nos últimos anos:

Evasão escolar em Feira de Santana

Evasão escolar em Feira de Santana

Como se vê nos gráficos, a boa notícia, em Feira, é que a evasão escolar está num patamar inferior em relação à década passada. Em 2003 (ano que não consta nos gráficos), Feira teve um índice de 15% de evasão escolar no final do ensino fundamental.

Perceba que não estamos falando aqui da qualidade do ensino, uma variável importante, mas aparentemente não decisiva para a criminalização dos jovens. A questão é de pertencimento, como explica Marcos Rolim: “Esse jovem que não é nada, que é pobre e está marginalizado. Não tem autoria e não é reconhecido em lugar nenhum, que não existe, é um fantasma social, no momento em que ele entra para o tráfico de drogas ele passa a ser alguém. Passa a ter um valor. Ele passa a ser reconhecido pelos seus pares. Ele passa a impor respeito aos demais porque ele tem uma arma na cintura. Ele tem o dinheiro que o pai dele nunca teve. Ele passa a ser cortejado pelas meninas, que passam também a disputar essa figura, porque também representa status para elas. Ou seja, esse guri vira alguém. Ele se enche de poder. O tema da disputa desses jovens com o tráfico é um tema central. São raríssimos os municípios no Brasil que possuem programas para disputar esses jovens com o tráfico”.

É óbvio que outros muitos fatores participam da equação que resulta em um jovem violento, mas os indícios mostram que a evasão escolar é uma variável central desse problema. Certamente hoje Feira de Santana colhe tamanha insegurança pública não só por causa da dificuldade policial de contenção e prevenção da violência, mas também pela nossa incapacidade de manter nossos jovens em um lugar simbólico e social seguro (não necessariamente abastado financeiramente). Finalizo com outra observação importante de Marcos Rolim: “O crime é uma externalidade negativa com enorme custo social. Se a educação reduz o crime, então a escolarização produz benefícios sociais que não são levados em conta. Neste caso, o retorno social da educação ultrapassa em muito os ganhos individuais”.

É fundamental estarmos atentos(as) a isso!


Sobre o (a) autor (a):