As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

A evasão escolar em Feira de Santana e a relação com a violência

Considerando sua taxa de homicídios, o Brasil figura entre os países mais violentos do mundo: são cerca de 30 homicídios a cada 100 mil habitantes por ano. A OMS aponta o país como o 11º na quantidade de homicídios no mundo. Caso Feira de Santana fosse um país, estaríamos na terceira colocação, com os 62 homicídios por 100 mil habitantes alcançados em 2016. Trata-se de um quadro aterrorizador, que nos força a pensar saídas para tamanha devastação de vidas.

Logo somos tomados a pensar o que as polícias podem fazer nesse caso, chegando rapidamente à conclusão de que é preciso investimentos em efetivo, inteligência, formação e valorização policial, equipamentos etc. Existem demonstrações, em Feira, de que é possível à polícia reduzir crimes e se aproximar da comunidade obtendo resultados importantes. Ampliar essas iniciativas deve ser prioridade.

Alguns fatores fogem da alçada da própria polícia: reformas legislativas que garantiriam mais eficiência no trabalho policial, como a discussão sobre o ciclo completo de polícia (que garante que o trabalho policial não seja dividido entre duas corporações) e o debate sobre a lei de drogas, que tem possibilitado um alto e desqualificado grau de encarceramento no país, com os resultados que estamos assistindo atualmente.

Fora todos esses (e outros) aspectos que ajudam a explicar a dinâmica da violência no Brasil, e em grandes cidades como Feira de Santana, vale a pena considerar um recente estudo feito por um dos principais pesquisadores do tema no Brasil, o sociólogo e consultor em segurança pública, Marcos Rolim, do Rio Grande do Sul. Ele buscou entender o que diferenciava jovens (de mesma origem social) que praticaram violências graves daqueles que tinham uma vida sem envolvimento com o crime. O estudo é revelador:

“Tenho a impressão de que encontramos uma coisa que é muito expressiva como fenômeno social. Se confirmou algo que até agora não se deu a devida importância. Se a pesquisa estiver correta, é impossível falar sobre a redução da violência no Brasil sem abordar o tema da evasão escolar. Esse passa a ser um tema central. A pesquisa indica claramente isso. Não é nem uma opinião minha e nem é o que eu achava. Eu imaginava, inspirado no Athens (estudo norte-americano), que o problema central estava na violência contra a criança. Minha hipótese era a de que o cara que está matando na rua é o cara que apanhou em casa. E essa tese não foi confirmada. Então, a pesquisa confirma uma parte da teoria do Athens, que é a parte do treinamento violento. É um dos estágios dessa violentização, mas não confirma o primeiro, que é o da violência contra a criança como sendo um fator importante para esse fenômeno”, diz o pesquisador em recente entrevista.

O estudo de Rolim lhe rendeu uma tese de Doutorado, e o livro “A formação de jovens violentos – Estudo sobre a etiologia da violência extrema” (Appris Editora, 285 páginas). Ele aprofunda a análise sobre a importância da evasão escolar como elemento condutor dos jovens às práticas violentas: “Há uma dinâmica perversa em curso nas cidades brasileiras, que envolve evasão escolar muito precoce. Esses guris saem muito jovens da escola. Pobres todos. Fracassam na escola, que não consegue atraí-los e permanecer com eles. Ou seja, não cria vínculos. E, ao ficarem em sua comunidade sem trabalho e sem escola, semialfabetizados, eles se aproximam dos grupos armados que recrutam esses jovens, primeiro para serviços básicos do tráfico, em que são socializados nos valores da violência, quando alguém lhes dá uma arma”.

“De acordo com o último levantamento do Departamento Penitenciário Nacional, o DEPEN (2014), 49% dos presos no Brasil não completaram o ensino fundamental, e cerca de 10% não chegaram sequer a se alfabetizar”

É bom lembrar que, de acordo com o último levantamento do Departamento Penitenciário Nacional, o DEPEN (2014), 49% dos presos no Brasil não completaram o ensino fundamental, e cerca de 10% não chegaram sequer a se alfabetizar.

Considerando esses apontamentos, veja a seguir os dados da evasão escolar no município de Feira de Santana nos últimos anos:

Evasão escolar em Feira de Santana

Evasão escolar em Feira de Santana

Como se vê nos gráficos, a boa notícia, em Feira, é que a evasão escolar está num patamar inferior em relação à década passada. Em 2003 (ano que não consta nos gráficos), Feira teve um índice de 15% de evasão escolar no final do ensino fundamental.

Perceba que não estamos falando aqui da qualidade do ensino, uma variável importante, mas aparentemente não decisiva para a criminalização dos jovens. A questão é de pertencimento, como explica Marcos Rolim: “Esse jovem que não é nada, que é pobre e está marginalizado. Não tem autoria e não é reconhecido em lugar nenhum, que não existe, é um fantasma social, no momento em que ele entra para o tráfico de drogas ele passa a ser alguém. Passa a ter um valor. Ele passa a ser reconhecido pelos seus pares. Ele passa a impor respeito aos demais porque ele tem uma arma na cintura. Ele tem o dinheiro que o pai dele nunca teve. Ele passa a ser cortejado pelas meninas, que passam também a disputar essa figura, porque também representa status para elas. Ou seja, esse guri vira alguém. Ele se enche de poder. O tema da disputa desses jovens com o tráfico é um tema central. São raríssimos os municípios no Brasil que possuem programas para disputar esses jovens com o tráfico”.

É óbvio que outros muitos fatores participam da equação que resulta em um jovem violento, mas os indícios mostram que a evasão escolar é uma variável central desse problema. Certamente hoje Feira de Santana colhe tamanha insegurança pública não só por causa da dificuldade policial de contenção e prevenção da violência, mas também pela nossa incapacidade de manter nossos jovens em um lugar simbólico e social seguro (não necessariamente abastado financeiramente). Finalizo com outra observação importante de Marcos Rolim: “O crime é uma externalidade negativa com enorme custo social. Se a educação reduz o crime, então a escolarização produz benefícios sociais que não são levados em conta. Neste caso, o retorno social da educação ultrapassa em muito os ganhos individuais”.

É fundamental estarmos atentos(as) a isso!


Sobre o (a) autor (a):